Disney Channel terá primeiro romance gay em série infantojuvenil

andiO Disney Channel exibirá a primeira história de um personagem gay em um seriado infanto-juvenil. O canal anunciou que um dos protagonistas da produção americana “Andi Mack”, voltada para o público de 6 a 14 anos, vai descobrir que sente atração por outro menino na estreia da segunda temporada, que será exibida nesta sexta-feira, nos Estados Unidos. A trama, criada por Terri Minsky (Lizzie McGuire), conta a história da garota Andi Mack (Peyton Elizabeth Lee), sua relação com a família e os dois melhores amigos, um menino, Cyrus (Joshua Rush), e uma menina, Buffy (Sofia Wylie). De acordo com a revista americana The Hollywood Reporter, no novo episódio, Andi e Cyrus descobrirão que estão apaixonados pelo mesmo colega da escola, Jonah (Asher Angel).

Cyrus, de 13 anos, começa a ter dificuldade para entender os próprios sentimentos e conversa com a amiga Buffy sobre o assunto. A reação da menina deverá servir como um modelo positivo para crianças e adultos sobre aceitar as diferenças. “Terri Minsky, o elenco e todos os envolvidos no programa tomam cuidado para garantir que o conteúdo seja apropriado para o público e para que seja uma forte mensagem sobre inclusão e respeito pela humanidade”, afirmou um porta-voz da Disney em uma declaração.

O canal já apresentou personagens gays em séries como “Boa Sorte Charlie” e na animação “Doutora Brinquedos”, mas em episódios isolados. Essa será a primeira vez que a narrativa seguirá a história do personagem, no processo de descoberta da sexualidade e de autoaceitação.

No Brasil, a primeira temporada de “Andi Mack” foi exibida pela primeira vez entre os dias 10 de setembro e 22 de outubro, mas a segunda temporada ainda não ganhou data de estreia.

(Veja.com)

Nota: Um artigo científico deixou claro que personagens transgêneros são apresentados na TV para mudar a opinião pública. A mesma coisa vem sendo feita em relação a temas como beijo gay (inicialmente rejeitado em uma novela brasileira, depois tolerado e finalmente ovacionado) e com os romances homossexuais. E a melhor maneira de fazer a cabeça de uma sociedade é bombardear suas crianças com esses e outros conteúdos. A Disney sabe bem como fazer isso, afinal, já deu certo com magia, bruxaria e espiritismo. No fim das contas, o ataque é contra a visão bíblico-criacionista da criação, da natureza humana e da família original. [MB]

Anúncios