Um novo coração, uma nova data de nascimento

coraçãoGostaria de falar sobre o Daniel. Daniel (nome fictício) é um paciente real que está internado desde julho no Instituto do Coração. Tem os seus 40 e poucos anos. Aparentemente, quem o conhece de primeira vez, até leva um tempo para entender o que está acontecendo. Daniel não parece doente. Fala muito bem. Tem boa aparência. É empresário. Mas Daniel nasceu com uma doença incurável no coração, a despeito de todos os remédios humanos. Os médicos chegaram à conclusão de que a única saída para Daniel seria um transplante de coração. Senão ele estaria fatalmente condenado e morreria. Durante estes quase cinco meses Daniel ficou em um leito de hospital, recebendo dia e noite medicamentos para manter sua pressão e bombeamento do coração. Em alguns momentos pensamos que ele não suportaria, fosse por alguma infecção oportunista, fosse pelo desânimo ou pela depressão.

Nesta madrugada, de todos os 132 dias, tive a honra de avisá-lo de que ele vai finalmente ter um novo coração, neste caso, o de um jovem de 24 anos. Esse coração virá de outro estado. Daniel terá substituído seu antigo e doente coração, com o qual a morte seria certa, por um novo coração. E é nesse ponto que eu gostaria de traçar um paralelo com a lição da Escola Sabatina de hoje.

Para Daniel receber o tão almejado coração, para que ele tenha uma nova vida, alguém morreu. Jesus também morreu pelos nossos pecados para que tenhamos novidade de vida. Daniel passará por uma cirurgia para receber seu novo coração. Costumamos dizer que o transplantado do coração tem duas datas de nascimento: a natural e a da cirurgia.  Da mesma forma, o batismo simboliza morte para o pecado e novidade de vida, em uma nova caminhada na vida cristã.

O transplantado do coração tem uma caminhada a seguir para que não haja rejeição do transplante. É uma nova rotina de vida, que inclui tanto remédios quanto não fumar nem beber, ou se abster de coisas que sejam prejudiciais para o corpo. Na caminhada cristã, devemos confirmar nossa decisão e escolha de que temos um novo coração. Deus nos deu a graça de nos resgatar da condenação do pecado. Por meio da novidade de propósito devemos demonstrar que Jesus é o Senhor da nossa vida.

Dei um abraço no Daniel e na esposa dele, e em seguida saí do hospital. Estávamos todos emocionados e conscientes de que a maior libertação estava diante dele. Mas esse é apenas o começo de sua caminhada.

(Everton Padilha Gomes é médico cardiologista e diretor do Estudo Advento)

Anúncios