Gwyneth Paltrow convida amigas para falar com os mortos

Actress Paltrow poses at the 2015 amfAR Inspiration Gala in Los AngelesGwyneth Paltrow organizou uma conferência espiritual em Nova York para a qual convidou médiuns, curandeiros e tarólogos, e convidou cerca de 600 participantes. O bilhete mais barato para quem quis aproveitar a ocasião para “falar com os mortos” custava 520 euros. De acordo com o El País, no evento, realizado no último fim de semana, os participantes foram recebidos com luxuosos sapatos de couro enquanto esperavam pelos painéis organizados por celebridades, médicos e influenciadores da área do bem-estar. A conferência incluiu ainda tratamentos de spa alternativos, um menu de vitaminas sem glúten e meditação sonora. Foi a própria atriz que acolheu os participantes e apresentou várias das conferências. “Gostamos da ciência e dos dados e tomamos muitas decisões usando os fatos, mas também gostamos do inexplicável e do inexplorado”, afirmou Gwyneth Paltrow.

Durante o fim de semana houve ainda palestras em que nutricionistas defenderam que a cor dos alimentos tem influência na química do cérebro, assim como depoimentos de pessoas que duvidam que exista aids, médicos que rejeitam a vacinação e apostam na medicina chinesa. Houve ainda quem tivesse subido ao palco para afirmar que a morte… não existe.

A atriz é também conhecida pelos excêntricos conselhos que dá aos leitores do Goop, o site sobre estilo de vida que Paltrow fundou em 2008, como tratamentos cosméticos em que as mulheres são mordidas por abelhas ou usar a sauna como remédio para a gripe.

Paltrow publicou uma fotografia no seu Instagram, acompanhada por várias amigas, como as também atrizes Drew Barrymore, Laura Linney, Chelsea Handler e a ex-editora-chefe da Teen Vogue, Elaine Welteroth.

Apesar de não ter confirmado se todas essas mulheres participaram na conferência, a atriz legendou a imagem com a seguinte frase: “Obrigada a esta pequena gangue pelo seu brilho. Que dia incrível.”

(DN Portugal)

Nota: O inimigo de Deus, inventor da mentira de que as pessoas não morrem de verdade e de que os mortos podem ser contatados, tem muitos garotos e garotas-propaganda, especialmente na multibilionária e influenciadora indústria cultural de Hollywood. Quando as pessoas abandonam a cosmovisão judaico-cristã, passam a dar crédito às mais esdrúxulas ideias, e ainda são admiradas por isso. Curiosamente, ontem ganhou as redes sociais a notícia de que Mel Gibson vai filmar a sequência do filme “Paixão de Cristo”, desta vez focalizando a ressurreição de Jesus. Não demoraram a pipocar piadinhas no Twitter e em outras redes. [MB]

Anúncios

Polônia limita compras aos domingos para beneficiar vida familiar

Statement of President Andrzej DudaO presidente polonês Andrzej Duda [foto] decretou na terça-feira uma lei que limita amplamente negociações aos domingos, dizendo que isso beneficiará a vida da família dos empregados. É esperado que a legislação, elaborada pelo governo conservador e pela união sindical Solidariedade, gere protestos de grandes cadeias de supermercados ocidentais que são o principal alvo da lei. Grande parte de seus lucros é gerada aos fins de semana, quando muitos fazem suas grandes compras semanais. Críticos afirmam que algumas dessas redes fazem seus funcionários trabalhar por longas horas com baixos salários. Duda disse que grandes comerciantes precisarão ajustar suas práticas ao novo sistema e pediu-lhes “compreensão”.

A lei permite isenções para pequenos revendedores privados, padarias, postos de gasolina, floriculturas, lojas de hotéis e eventos artísticos. A partir de 1º de março, lojas e mercados estarão fechados em dois domingos de cada mês. Apenas um domingo por mês estará liberado para comércio em 2019, e a partir de 2020 a legislação se aplica a todos os domingos, exceto nos principais feriados. Críticos afirmam que será fácil contornar a proibição de comércio.

Na cerimônia de assinatura desta terça, Duda elogiou a lei por dar a crianças uma chance de estar com seus pais e por dar a trabalhadores de lojas o necessário tempo de descanso. Ele disse que um comerciante em sua loja local o agradeceu por apoiar a lei.

Duda disse que estava tentando “restaurar a normalidade” e que a política deveria estar em linha com leis de outros países da União Europeia, incluindo Alemanha e Áustria. “Onde há empregados de comércio contratados, o domingo deveria ser um dia de descanso para permitir a eles tempo com suas famílias”, disse ele.

(ABC News, com tradução de Leonardo Serafim)

Nota: Esse será um dos argumentos utilizados em favor de uma lei dominical finalmente aprovada nos Estados Unidos, com óbvio apoio da Igreja Católica, conforme prevê Apocalipse 13 e detalha Ellen White em seu livro O Grande Conflito. Sindicatos e outras entidades, além de igrejas e governantes estarão unidos em uma causa que, sob todos os pontos de vista, beneficiará as famílias e os cidadãos. Quem discordar do dia escolhido para promover essa união pró-família será, finalmente, visto como inimigo da paz. Quem viver verá. [MB]

Leia também: A partir do próximo domingo, supermercados já não abrirão em Campos

Quando uma ideia se torna heresia

bibliaA pessoa descobre uma suposta “nova verdade”, uma suposta “nova luz”. Passa a dedicar tempo para estudar o assunto a tal ponto que se vê absorvida por ele. Só pensa nisso. Só fala disso. Ela então resolve apresentar o resultado de suas pesquisas para outras pessoas. Algumas delas, mais experientes, apontam erros e inconsistências. Mas o portador da “nova luz” não se importa com isso. Desconsidera a opinião dos outros, inclusive a dos líderes. Fica claro que as ideias que ela vem apresentando ou parte delas estão em desacordo com as doutrinas bíblicas da igreja, mas essa pessoa segue pregando assim mesmo. Com o tempo, criam-se facções. Um grupo se forma em torno da tal “nova luz” e passa a acusar os líderes da igreja e olhar com suspeita aqueles que antes eram considerados irmãos. O grupo se afasta da igreja e começa a pregar para as ovelhas menos experientes e mais frágeis do rebanho e para os biblicamente despreparados. Tornam-se verdadeiros pescadores de aquário. Pronto. Está criada uma nova dissidência. Está criada uma nova heresia. E a estratégia do inimigo vai dando certo, ou seja: dividir para conquistar. A única vantagem nisso tudo é que essas falácias motivam o povo de Deus a pesquisar mais a Bíblia em busca da verdade.

Em tempos de internet, muitas heresias antigas voltam à tona e várias delas convivem simultaneamente, dando grande trabalho para os apologetas e defensores da fé. Assim, infelizmente, o tempo e as energias que poderiam estar sendo dedicados à pregação do evangelho acabam sendo desperdiçados para “apagar fogueiras” de dissidência e para vacinar os incautos e inexperientes contra ideias equivocadas. Recomendo a leitura do artigo “A igreja e seus críticos”, do Dr. Alberto Timm, publicado na Revista Adventista de abril de 2005. Você pode encontrá-lo no site www.revistaadventista.com.br, na seção “Acervo”. Nele o Dr. Timm descreve o perfil dos críticos e originadores de dissidências e heresias.

Uma dessas heresias ensina que Jesus não é Deus, que os Espírito Santo não é uma pessoa e que a Trindade não é um conceito bíblico. Os que defendem essa ideia acabam rebaixando Jesus de Sua posição de Criador e Salvador todo-poderoso, um esforço iniciado no Céu por Lúcifer, quando de sua rebelião. Os antitrinitarianos também ignoram a personalidade e a divindade do Espírito Santo, dando assim as costas Àquele que poderia levá-los a toda a verdade, como disse Jesus em João 16:13. Se essas pessoas apenas se contentassem em guardar para si essas ideias e as estudassem com oração, responsabilidade, humildade e maturidade… mas não. Pregam esse assunto por aí de maneira inconsequente, causando divisão, criando amargura e contrariando a oração de Jesus em João 17. Esse geralmente é o fruto do trabalho dos hereges, e pelos frutos se conhece uma árvore. Deixarei logo abaixo deste texto vários links com materiais sobre a Trindade.

Além da Trindade, há também a heresia do “perfeccionismo”, que não pode nem deve ser confundido com zelo santo e desejo de obedecer à vontade de Deus. Os perfeccionistas colocam o foco na sua própria vida supostamente santa e de obediência, esquecendo da graça e do poder que Deus confere aos que querem viver uma vida realmente santa, embora imperfeita. Passam o dia falando e postando sobre pecado, perfeição de caráter, vestuário, dieta cada vez mais restritiva e coisas afins. Parece que querem sempre descobrir novos mandamentos para tentar obedecer e impor aos outros, criando, na verdade, um fardo insuportável de regras e mais regras que acabam ofuscando Jesus, a graça e a verdade de que ainda prosseguimos para o alvo, e que nunca poderemos bater no peito alegando uma suposta impecabilidade.

Esses perfeccionistas e legalistas chegam ao ponto de condenar a igreja, seus líderes e promover uma obra paralela, mais uma vez dividindo o rebanho e pulverizando os esforços que deveriam ser concentrados. A Igreja Adventista promove o Impacto Esperança, com distribuição de milhões de livros, eles vêm no encalço e promovem o impacto qualquer coisa, afirmando que o livro deles é melhor, que o trabalho deles é o correto. Sou coautor do livro missionário deste ano e não o considero melhor do que qualquer outro livro da igreja, mas de uma coisa eu sei: orei muito para escrevê-lo e procurei colocar nele as principais doutrinas bíblicas adventistas. A Palavra de Deus está ali e fico muito feliz em ver a igreja unida e milhões de irmãos indo às ruas para distribuir essa mensagem. Você acha que Satanás está feliz com isso? Você acha que o dragão ficaria quietinho enquanto as folhas de outono são espalhadas?

O que alguns desses dissidentes desalinhados com a igreja e opositores dela mais fazem é criticar, e chegam ao ponto de se apropriar de nomes históricos de projetos e movimentos da igreja. Autointitulam-se “remanescentes”, “pioneiros”, “históricos”, “missionários voluntários” (o antigo nome que a igreja adventista oficialmente deu ao Departamento de Jovens), e por aí vai. Deus tem uma séria mensagem para essas pessoas, e eu vou mencioná-la mais adiante.

A novidade do momento é uma ideia absurda que nem doutrina é, mas que se espalha entre alguns adventistas e que daqui a pouco não é de se estranhar que também vire heresia, pois já vem causando divisão. Trata-se da tal “teoria” da Terra plana. Já postei vídeos e escrevi textos sobre isso, e deixarei os links aí abaixo. Portanto, não vou argumentar aqui em favor da Terra esférica. Quero é chamar a atenção para o extremo a que chegam alguns pregadores de absurdos.

Certo canal no YouTube que usa o nome “adventista” enviou meu vídeo “Adventistas terraplanistas?” para um rapaz dono de um canal terraplanista que me pareceu evangélico, ou algo assim. Os supostos adventistas pediram que essa pessoa rebatesse minhas afirmações. Como era de se esperar, num vídeo de quase duas horas, o indivíduo usa argumentos furados, faz afirmações sem cabimento, como a de que não sabemos se a Terra é exatamente um disco tipo pizza, pois ninguém ainda fotografou a parte de baixo (!), e me dirige acusações, num típico exemplo ad hominem, que revela a fragilidade dos argumentos, já que o certo é discutir ideias, não atacar pessoas.

Mas esses supostos adventistas acabaram levando um tapa na cara: o terraplanista termina seu vídeo criticando o sábado e as regras dietéticas dos adventistas, desviando totalmente o assunto. É nisso que dá cutucar a onça com vara curta. Nem sempre o inimigo dos meus inimigos é meu amigo. Mas eu não quero mal a nenhum deles. O que faço é orar para que Deus lhes abra os olhos e vejam o tremendo desserviço que estão prestando ao cristianismo e ao criacionismo.

Se essas pessoas que me acusaram perante um não adventista são realmente adventistas, deveriam dar atenção à recomendação de Ellen White. Em duas ocasiões ela disse ter-se encontrado com adventistas que defendiam a teoria da Terra plana, isso lá no século 19. Ela não entrou em debates sobre o formato da Terra, mas tentou mostrar como essa questão era insignificante diante da mensagem bíblica a ser anunciada pelos adventistas: “Quando uma vez certo irmão se chegou a mim com a mensagem de que o mundo é plano, fui instruída a apresentar a comissão que Cristo deu aos discípulos: ‘Ide, ensinai todas as nações, […] e eis que Eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos’ (Mateus 28:19, 20). Quanto a assuntos como a teoria de que o mundo é plano, Deus diz a toda alma: ‘Que te importa? Quanto a ti, segue-Me [João 21:22]. Tenho-lhes dado sua comissão. Insistam sobre as grandes verdades probantes para este tempo, não sobre assuntos que não têm relação com nossa obra’” (Obreiros Evangélicos, p. 314).

Mas essas declarações não significam que Ellen White não tivesse uma posição definida sobre o assunto. Em 1900, ela escreveu: “Deus fez o Seu sábado para um mundo esférico; e, quando o sétimo dia chega para nós neste mundo arredondado, controlado pelo Sol, que governa o dia, em todos os países e regiões é o tempo para observar o sábado. […] O sábado foi feito para um mundo esférico, sendo, portanto, requerida obediência das pessoas em perfeita harmonia com o mundo criado pelo Senhor” (Mensagens Escolhidas, v. 3, p. 317).

Sabe, ainda que os adventistas antitrinitarianos, perfeccionistas e terraplanistas tivessem razão, coisa que não têm, o conselho de Ellen White é que, quando a liderança da igreja e os irmãos mais experientes não pensam da mesma forma, os defensores da “nova luz” devem ter humildade para aguardar tranquilos que Deus dirija as coisas, e não tomem nas mãos as rédeas de uma suposta reforma. Claro que isso não significa ficar de braços cruzados diante de erros e injustiças, mas ter bom senso e equilíbrio para saber como e quando agir.

É bom lembrar e enfatizar que o púlpito não deve ser usado para pregar ideias que não sejam assunto pacífico para a igreja. Pastores e anciãos não devem permitir que esses aventureiros inconsequentes prejudiquem o rebanho com pasto contaminado. Deus está guiando um povo, não grupos aqui e ali. Aliás, sempre vale a pena recordar as advertências divinas contra quem chama a igreja adventista de Babilônia, contra quem volta as armas em direção à menina dos olhos de Deus, contra quem se esquece de que, embora haja problemas e erros entre o povo do Senhor, Ele vai consertar tudo. Se você é adventista, deve conhecer esses textos. Se não conhece, vá atrás o mais rápido possível!

Gosto de meditar na atitude de Josué e Calebe, quando voltaram da missão de espiar a terra prometida. Diferentemente dos demais espias covardes e críticos, Josué e Calebe tentaram exaltar o poder e a vontade de Deus para Seu povo. Não teve jeito. Os murmuradores venceram e nós conhecemos o resultado disso: o povo hebreu teve que voltar para o deserto e esperar mais alguns anos antes de poder entrar em Canaã. Josué e Calebe poderiam ter dito: “Esse povo rebelde que fique no deserto! Nós vamos para a terra prometida.” Mas não. Eles permaneceram com o povo. Não abandonaram a igreja nem passaram a criticá-la. Moisés partiu as tábuas, mas não abandonou a igreja. Jeremias escreveu as lamentações, mas não abandonou a igreja. Daniel orou pelo seu povo em cativeiro, mas não abandonou a igreja.

Devemos ter o mesmo espírito. Obviamente que reconhecemos que a igreja é defeituosa, afinal, ela é formada por seres humanos defeituosos como você e eu, mas não é por isso que ela deixa de ser a “menina dos olhos” de Deus, a esposa do Cordeiro que atrai a ira satânica. E se Deus a ama, eu também vou amá-la, permanecer nela e fazer tudo o que estiver ao meu alcance para ajudar meus irmãos de fé a cumprir a missão que Deus confiou a essa igreja “débil e defeituosa”, mas que mora no coração do Pai.

Estude profundamente sua Bíblia, mantenha comunhão com Jesus, prepare-se para enfrentar os ventos de doutrina e permaneça no barco que levará o povo de Deus até o porto seguro.

Michelson Borges

A divindade de Jesus em Eclesiastes 12:7

Afinal, quem é Jesus Cristo?

O pairar do Espírito de Deus

Clique aqui e encontre ótimos recursos sobre o tema da Trindade. Conheça também este blog.

Sobre terraplanismo, clique aqui e vá até o fim do texto para encontrar mais materiais.

E sobre perfeccionismo, clique aqui e aqui.

O dia longo de Josué.

Vacina contra a febre amarela: tomar ou não tomar?

vacinaAlguns casos de reações e até de mortes por causa da vacina contra a febre amarela trouxeram de novo à tona questionamentos sobre se é preciso ou não tomar a vacina. Alguns defensores extremistas do estilo de vida saudável chegam ao ponto de pregar contra a vacinação, atraindo a animosidade das autoridades e colocando em risco vidas humanas. Sim, porque a taxa de mortalidade entre os infectados pela febre amarela pode chegar a 50%, ao passo que as reações à vacina em pessoas saudáveis são bem raras – alguns casos entre milhões de vacinados. Por mais que cuidemos da saúde e fortaleçamos o sistema de defesa do organismo, estamos em um mundo perigoso, um verdadeiro laboratório de Satanás. Deus concedeu inteligência ao ser humano para que fossem desenvolvidos procedimentos e medicamentos a fim de minimizar os males deste planeta que agoniza. Dar as costas para esses recursos é ir contra o que a Igreja Adventista ensina e mesmo contra a prática de Ellen White, uma das pioneiras da denominação à qual legou vários escritos sobre saúde

Já falei sobre o assunto da vacinação (contra a H1N1) neste post. Mas gostaria de recomendar mais alguns materiais para ajudar você a tomar sua decisão.

No livro Mensagens Escolhidas, volume 2, página 303, há uma nota de rodapé redigida pelo pastor D. E. Robinson, um dos secretários da Sra. White, com data de 12 de junho de 1931. Ele escreveu o seguinte acerca da atitude dela para com a vacinação: “Pedis informação definida concisa acerca do que a irmã White escreveu sobre vacinação e soro. Esta pergunta pode ser respondida muito concisamente, pois quanto a todos os relatórios que temos, ela não se referiu a isso em nenhum de seus escritos. Haveis de ingressar-vos em saber, porém, que numa ocasião em que houve uma epidemia de varíola na vizinhança, ela mesma foi vacinada e insistiu com seus auxiliares, que tinham ligação com ela, e vacinarem-se. Dando esse passo a irmã White reconheceu que fora demonstrado que a vacinação, ou imuniza contra a varíola, ou atenua grandemente os seus efeitos, se a pessoa a contrai. Também reconheceu o perigo de se exporem ao contágio, caso deixassem de tomar essa precaução.”

Neste texto do Centro White, fala-se sobre raio-x e vacinas. E nestes dois textos (aqui e aqui) você pode conferir a resolução da Igreja Adventista sobre vacinação.

No livro Mensagens Escolhidas, volume 3, página 329, Ellen White escreveu algo interessante: “A Terra foi amaldiçoada devido ao pecado, e nestes últimos dias multiplicar-se-ão insetos de toda espécie. Essas pragas precisam ser mortas, senão elas irão incomodar-nos e afligir-nos, e até matar-nos, e destruir a obra de nossas mãos e o fruto de nossa terra. Nalguns lugares há cupins que destroem inteiramente o madeiramento das casas. Não devem ser destruídos? As árvores frutíferas precisam ser pulverizadas, para que sejam mortos os insetos que estragariam as frutas. Deus nos deu uma parte para desempenhar, e devemos desempenhá-la com fidelidade. Então podemos deixar o resto com o Senhor.”

Note que há a recomendação para o uso de defensivos contra pragas (para horror dos veganos). Vírus e bactérias também são pragas e devem ser combatidos com os recursos que Deus nos permitiu criar contra eles.

Bom senso, equilíbrio e sabedoria nunca são demais. Portanto, ainda que você, por algum motivo, decida não ser vacinado nem tomar remédios, não divulgue isso como se fosse uma atitude que todos devam tomar. A escolha é somente sua. E não espalhe vídeos e áudios contra a vacinação. Isso só atrapalha a missão da igreja e lança dúvidas sobre nossos esforços em favor da saúde do semelhante, uma bandeira que tem caracterizado o adventismo há anos. [MB]

O despertar de um criacionista

“Relógio do Apocalipse” se move para 2 minutos antes do fim do mundo

relogio-apocalipseA tensão política entre Estados Unidos e Coreia do Norte tem tornado a vida bastante estressante nesses países. Apenas alguns dias atrás, no último 13 de janeiro, um alerta equivocado de míssil direcionado ao Havaí levou a 38 minutos de puro terror no território americano. Não se sabe como esse erro foi cometido, mas o medo de quem vive no Havaí não foi injustificado. O estado é o mais vulnerável a um eventual ataque da Coreia do Norte, uma vez que especialistas dizem que um míssil norte-coreano poderia atingi-lo em 15 minutos. Com o governo de Donald Trump, um presidente que parece reconhecer o apelo das armas nucleares, a ameaça de uma guerra explosiva parece mais próxima e mais real do que nunca em nossa geração.

E essa ameaça acaba de ser confirmada pelo Boletim dos Cientistas Atômicos, uma organização de cientistas nucleares que existe justamente para nos manter conscientes desse perigo. Eles decidiram mover seu Relógio do Fim do Mundo para apenas dois minutos antes da meia-noite, o mais próximo que já estivemos do apocalipse [sic] nos últimos 71 anos.

O Relógio do Fim do Mundo ou Relógio do Apocalipse (no original, “Doomsday Clock”) é um relógio imaginário criado pelo Boletim que representa a proximidade da aniquilação da humanidade através de mecanismos que nós próprios projetamos.

O relógio remonta a 1947, quando os cientistas que participaram do Projeto Manhattan – o projeto que fabricou a primeira bomba nuclear – decidiram criar tal mecanismo de aviso para o risco de um apocalipse. O icônico relógio é movido todo ano, para a frente ou para trás, para mostrar se o futuro da civilização está mais ou menos seguro. Iniciado a sete minutos para a meia-noite, atingiu o pico da paz em 1991, programado para 17 minutos antes da meia-noite, quando a União Soviética se separou. Desde então, tem apenas se aproximado do fim do mundo, conforme mais países desenvolvem armas nucleares, bem como outras ameaças globais surgem, como a mudança climática.

O último movimento do relógio é mais um sinal de que o mundo está à beira de um abismo incomparável na era moderna. Ele não ficou tão próximo da meia-noite desde 1953, alguns meses depois que os Estados Unidos e a Rússia testaram suas primeiras bombas termonucleares.

A constatação mais triste, no entanto, é que são comunicações erradas, mal-entendidos e erros de cálculo que nos levam cada vez mais próximos do apocalipse [sic]. Conforme nos alertou o papa Francisco sobre o conflito atual entre Estados Unidos e Coreia do Norte, “um acidente é suficiente para precipitar as coisas”.

Desde a invenção de armas nucleares, políticos temem uma rápida escalada de eventos que levem a uma guerra não pretendida. Se houve uma lição geopolítica crítica da Guerra Fria é que a guerra nuclear é algo muito difícil de se evitar: por diversos momentos, alarmes falsos quase levaram a “retaliações” de ambos os lados, causando destruições catastróficas.

Dwight D. Eisenhower, presidente dos EUA na época, declarou que sua realização mais orgulhosa era ter mantido a paz, quando começar uma guerra teria sido mais fácil politicamente do que acalmar tensões crescentes. Embora tenha recebido críticas por sua “moleza”, até seus opositores mais tarde descobriram que jogar uma bomba para abafar seus problemas é realmente a coisa mais simples a se fazer, enquanto a paz é muito mais trabalhosa.

No contexto de sete décadas de “quase ataques”, o alerta acidental de míssil havaiano é notável. Ao longo dos anos, os sistemas de alerta de diversos países têm falhado. Ao mesmo tempo, esses países possuem programas nucleares prontos para serem lançados, sem nenhum mecanismo capaz de detê-los quando isso acontecer.

Logo, a atualização mais recente do Relógio do Fim do Mundo é uma lembrança sombria de que “manter a paz” exige a continuação de uma liderança ativa e estável em todo o mundo.

(WiredG1, via Hypescience)

Nota: O livro do Apocalipse afirma que anjos poderosos estão segurando os “ventos” dos “quatro cantos” da Terra (Ap 7:1). Ventos, em linguagem profética, simbolizam conflitos, guerras. Assim, esses anjos estão contendo guerras com potencial destrutivo incalculável, pois envolveriam todo o planeta. É interessante notar como várias vezes o mundo esteve na iminência da destruição por um terrível confronto bélico e pelo uso de armas nucleares de destruição em massa. “Misteriosamente”, nada aconteceu. Por enquanto… [MB]

Organização ateísta mira Ben Carson por causa de estudo bíblico “secreto” na Casa Branca

ben_carsonO estudo bíblico semanal frequentado por membros do ministério do presidente Donald Trump está mais uma vez sob ataque, desta vez de uma organização ateísta. A Fundação Libertando-se da Religião (FLR) e a Cidadãos Pela Responsabilidade e Ética em Washington (CREW) estão processando o Ministério de Moradia e Desenvolvimento Urbano (MMDU), conduzido pelo ministro Ben Carson (membro ativo da Igreja Adventista do Sétimo Dia). A organização fez solicitações sob a Lei de Liberdade de Informação (LLI) para órgãos conduzidos por ministros que frequentam estudos bíblicos para ver se recursos governamentais estão sendo usados ou se funcionários dos órgãos se sentem “coagidos para organizar ou até participar no evento religioso”, de acordo com um comunicado à imprensa. Funcionários não frequentam os estudos bíblicos, que são apenas para os ministros de governo. A FLR e CREW processaram o MMDU quando deixou de não cobrar taxas por seus pedidos de LLI.

Em julho, a Rede de Televisão Cristã deu a notícia de que vários ministros de Trump estão se reunindo semanalmente para estudar a Bíblia e orar juntos. Desde então, o líder do estudo bíblico, Ralph Drollinger, fundador dos Capitol Ministries, vem enfrentando uma tempestade de ataques pessoais – apesar do fato de que ele vem conduzindo estudos da Bíblia para membros da Câmara dos Deputados e Senado dos EUA há anos.

A FLR afirma que está tentando chegar ao fundo do estudo bíblico “secreto”, junto com qualquer correspondência entre ministros de governo e Drollinger. Drollinger respondeu no Facebook, dizendo: “Em vez de processar, a FLR pode simplesmente ir ao site www.capmin.org e examinar exemplares de estudos da Bíblia que escrevo e ensino a membros de ministério, Senado e Câmara dos Deputados todas as semanas. Não há nada de segredo nisso – e todas as despesas relacionadas a estudos da Bíblia são pagas pelo Capitol Ministries, uma organização sem fins lucrativos.”

(Traduzido por Julio Severo do original em inglês da Rede de Televisão Cristã: Atheist Group Targets Ben Carson over ‘Secretive’ White House Cabinet Bible Study)