Falta de sono, excesso de açúcar e doenças emocionais

couplesA falta de sono não vai deixar você apenas irritado e mais suscetível a entrar em discussões – também irá deixar seu corpo com maior risco de uma inflamação relacionada ao estresse. A surpresa é que esse tipo de inflamação, que está associado a um maior risco de doenças cardiovasculares, diabetes, artrite e outras doenças, também pode atrapalhar seu casamento. “Sabemos que os problemas do sono também estão associados à inflamação e muitas das mesmas doenças crônicas. Então, estávamos interessados em ver como o sono se relaciona à inflamação entre casais, e se o sono de um parceiro afetaria a inflamação do outro”, explicou a Dra. Stephanie Wilson, da Universidade Estadual de Ohio (EUA).

Ela então recrutou 43 casais que, em duas ocasiões, forneceram amostras de sangue e relataram quantas horas haviam dormido nas duas noites anteriores. Depois disso, os casais tinham que resolver juntos um tópico pensado para gerar um conflito entre os dois. Amostras de sangue foram retiradas novamente após a discussão. “Descobrimos que as pessoas que dormiram menos nas últimas noites não acordam com uma inflamação mais elevada, mas tiveram uma maior resposta inflamatória ao conflito. Então, isso nos diz que menos sono aumenta a vulnerabilidade a um elemento estressor”, interpretou Wilson.

Quando os dois parceiros tinham dormido menos de sete horas nas duas noites anteriores, o casal era mais propenso a discutir ou tornar-se hostil durante a solução do conflito hipotético. Para cada hora de sono perdida, os níveis de dois marcadores inflamatórios aumentaram 6% na segunda coleta de sangue, feita após a discussão.

Casais que usaram táticas pouco saudáveis em seu desacordo tiveram uma resposta inflamatória ainda maior – um aumento de cerca de 10% com cada hora a menos de sono. “Qualquer aumento [na inflamação] não é bom, mas um aumento prolongado que não está sendo tratado é que pode se tornar um problema”, disse Wilson. “O que é preocupante é que tanto a falta de sono quanto o conflito conjugal são comuns na vida cotidiana. Cerca de metade dos casais do nosso estudo dormiram menos que as sete horas recomendadas.” (Diário da Saúde)

Um novo estudo mostrou que as dietas com alto teor de açúcar, ligadas ao consumo de refrigerantes e doces, podem estar associadas a um maior risco de problemas mentais comuns, como ansiedade e depressão leve. A pesquisa foi feita com homens. O trabalho, liderado por Anika Knüppel, do University College London (Reino Unido), foi publicada na revista Scientific Reports. “Os resultados mostram efeito adverso de longo prazo na saúde mental dos homens, ligado ao excessivo consumo de açúcar proveniente de alimentos e bebidas doces”, disse Anika ao Estado.

Altos níveis de consumo de açúcar já haviam sido relacionados a uma prevalência mais alta de depressão em diversos estudos anteriores. No entanto, até agora, cientistas não sabiam se a ocorrência do problema mental desencadeava um consumo maior de açúcar, ou se os doces é que levavam à depressão.

Para descobrir se a voracidade por açúcar é causa ou consequência dos problemas mentais, os cientistas analisaram os dados de 8.087 britânicos com idades entre 39 e 83 anos, coletados por 22 anos para um estudo de larga escala. As descobertas foram feitas com base em questionários sobre a dieta e a saúde mental de participantes. Para um terço dos homens – aqueles com maior consumo de açúcar -, houve alta de 23% da ocorrência de problemas mentais após cinco anos, independentemente de obesidade, comportamentos relacionados à saúde, do restante da dieta e de fatores sociodemográficos.

O consumo de açúcar foi medido por 15 itens que incluem refrigerantes, sucos industrializados, doces, bolos, biscoitos e açúcar adicionado ao café. Para homens, foi considerado alto consumo uma quantidade maior que 67 gramas por dia e, para mulheres, acima de 50. A Organização Mundial da Saúde recomenda uso máximo de 50 gramas por dia e aponta que o ideal é não passar dos 25.

Embora o estudo seja com homens e mulheres, a associação entre açúcar e doenças mentais apareceu apenas no grupo masculino. “Esse resultado foi bastante inesperado e não conseguimos encontrar boa explicação para isso. Mas não é impossível que os resultados também se apliquem a mulheres. Estudo americano em 2015, exclusivamente com mulheres, também encontrou associação entre alto consumo de açúcar e depressão”, disse Anika.

Segundo ela, há várias explicações biológicas plausíveis para a associação. A principal delas é que o açúcar reduz os níveis do chamado fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF, na sigla em inglês), que ajuda no desenvolvimento de tecidos cerebrais. “O BDNF tem sido discutido como um facilitador da atrofia do hipocampo em casos de depressão”, disse Anika.

Para Paulo Mattos, neurocientista do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, é preciso pesquisar mais para uma conclusão definitiva. “O estudo se refere a quadros de ansiedade e depressão bastante leves e gradativos. Mesmo em um estudo que abrange mais de 20 anos, é difícil dizer se antes desse recorte as pessoas já tinham sintomas.” (Estadão)

Capa6peqNota: A Igreja Adventista do Sétimo Dia está promovendo na América do Sul e em vários outros países uma campanha de distribuição gratuita em massa do livro O Poder da Esperança: Segredos do bem-estar emocional. Escrito pelo psicólogo espanhol Julián Melgosa e pelo jornalista Michelson Borges, o livro traz recursos úteis e comprovados para enfrentar o estresse, a depressão, a ansiedade, os vícios e vários outros problemas que têm relação com a saúde emocional. Um dos capítulos trata também do drama do suicídio e apresenta dicas importantes de como lidar com essa triste realidade. Saiba mais sobre esse livro no site www.opoderdaesperanca.com.br ou peça o seu na igreja adventista mais próxima.

Anúncios