“Relógio do Apocalipse” se move para 2 minutos antes do fim do mundo

relogio-apocalipseA tensão política entre Estados Unidos e Coreia do Norte tem tornado a vida bastante estressante nesses países. Apenas alguns dias atrás, no último 13 de janeiro, um alerta equivocado de míssil direcionado ao Havaí levou a 38 minutos de puro terror no território americano. Não se sabe como esse erro foi cometido, mas o medo de quem vive no Havaí não foi injustificado. O estado é o mais vulnerável a um eventual ataque da Coreia do Norte, uma vez que especialistas dizem que um míssil norte-coreano poderia atingi-lo em 15 minutos. Com o governo de Donald Trump, um presidente que parece reconhecer o apelo das armas nucleares, a ameaça de uma guerra explosiva parece mais próxima e mais real do que nunca em nossa geração.

E essa ameaça acaba de ser confirmada pelo Boletim dos Cientistas Atômicos, uma organização de cientistas nucleares que existe justamente para nos manter conscientes desse perigo. Eles decidiram mover seu Relógio do Fim do Mundo para apenas dois minutos antes da meia-noite, o mais próximo que já estivemos do apocalipse [sic] nos últimos 71 anos.

O Relógio do Fim do Mundo ou Relógio do Apocalipse (no original, “Doomsday Clock”) é um relógio imaginário criado pelo Boletim que representa a proximidade da aniquilação da humanidade através de mecanismos que nós próprios projetamos.

O relógio remonta a 1947, quando os cientistas que participaram do Projeto Manhattan – o projeto que fabricou a primeira bomba nuclear – decidiram criar tal mecanismo de aviso para o risco de um apocalipse. O icônico relógio é movido todo ano, para a frente ou para trás, para mostrar se o futuro da civilização está mais ou menos seguro. Iniciado a sete minutos para a meia-noite, atingiu o pico da paz em 1991, programado para 17 minutos antes da meia-noite, quando a União Soviética se separou. Desde então, tem apenas se aproximado do fim do mundo, conforme mais países desenvolvem armas nucleares, bem como outras ameaças globais surgem, como a mudança climática.

O último movimento do relógio é mais um sinal de que o mundo está à beira de um abismo incomparável na era moderna. Ele não ficou tão próximo da meia-noite desde 1953, alguns meses depois que os Estados Unidos e a Rússia testaram suas primeiras bombas termonucleares.

A constatação mais triste, no entanto, é que são comunicações erradas, mal-entendidos e erros de cálculo que nos levam cada vez mais próximos do apocalipse [sic]. Conforme nos alertou o papa Francisco sobre o conflito atual entre Estados Unidos e Coreia do Norte, “um acidente é suficiente para precipitar as coisas”.

Desde a invenção de armas nucleares, políticos temem uma rápida escalada de eventos que levem a uma guerra não pretendida. Se houve uma lição geopolítica crítica da Guerra Fria é que a guerra nuclear é algo muito difícil de se evitar: por diversos momentos, alarmes falsos quase levaram a “retaliações” de ambos os lados, causando destruições catastróficas.

Dwight D. Eisenhower, presidente dos EUA na época, declarou que sua realização mais orgulhosa era ter mantido a paz, quando começar uma guerra teria sido mais fácil politicamente do que acalmar tensões crescentes. Embora tenha recebido críticas por sua “moleza”, até seus opositores mais tarde descobriram que jogar uma bomba para abafar seus problemas é realmente a coisa mais simples a se fazer, enquanto a paz é muito mais trabalhosa.

No contexto de sete décadas de “quase ataques”, o alerta acidental de míssil havaiano é notável. Ao longo dos anos, os sistemas de alerta de diversos países têm falhado. Ao mesmo tempo, esses países possuem programas nucleares prontos para serem lançados, sem nenhum mecanismo capaz de detê-los quando isso acontecer.

Logo, a atualização mais recente do Relógio do Fim do Mundo é uma lembrança sombria de que “manter a paz” exige a continuação de uma liderança ativa e estável em todo o mundo.

(WiredG1, via Hypescience)

Nota: O livro do Apocalipse afirma que anjos poderosos estão segurando os “ventos” dos “quatro cantos” da Terra (Ap 7:1). Ventos, em linguagem profética, simbolizam conflitos, guerras. Assim, esses anjos estão contendo guerras com potencial destrutivo incalculável, pois envolveriam todo o planeta. É interessante notar como várias vezes o mundo esteve na iminência da destruição por um terrível confronto bélico e pelo uso de armas nucleares de destruição em massa. “Misteriosamente”, nada aconteceu. Por enquanto… [MB]

Anúncios