Vacina contra a febre amarela: tomar ou não tomar?

vacinaAlguns casos de reações e até de mortes por causa da vacina contra a febre amarela trouxeram de novo à tona questionamentos sobre se é preciso ou não tomar a vacina. Alguns defensores extremistas do estilo de vida saudável chegam ao ponto de pregar contra a vacinação, atraindo a animosidade das autoridades e colocando em risco vidas humanas. Sim, porque a taxa de mortalidade entre os infectados pela febre amarela pode chegar a 50%, ao passo que as reações à vacina em pessoas saudáveis são bem raras – alguns casos entre milhões de vacinados. Por mais que cuidemos da saúde e fortaleçamos o sistema de defesa do organismo, estamos em um mundo perigoso, um verdadeiro laboratório de Satanás. Deus concedeu inteligência ao ser humano para que fossem desenvolvidos procedimentos e medicamentos a fim de minimizar os males deste planeta que agoniza. Dar as costas para esses recursos é ir contra o que a Igreja Adventista ensina e mesmo contra a prática de Ellen White, uma das pioneiras da denominação à qual legou vários escritos sobre saúde

Já falei sobre o assunto da vacinação (contra a H1N1) neste post. Mas gostaria de recomendar mais alguns materiais para ajudar você a tomar sua decisão.

No livro Mensagens Escolhidas, volume 2, página 303, há uma nota de rodapé redigida pelo pastor D. E. Robinson, um dos secretários da Sra. White, com data de 12 de junho de 1931. Ele escreveu o seguinte acerca da atitude dela para com a vacinação: “Pedis informação definida concisa acerca do que a irmã White escreveu sobre vacinação e soro. Esta pergunta pode ser respondida muito concisamente, pois quanto a todos os relatórios que temos, ela não se referiu a isso em nenhum de seus escritos. Haveis de ingressar-vos em saber, porém, que numa ocasião em que houve uma epidemia de varíola na vizinhança, ela mesma foi vacinada e insistiu com seus auxiliares, que tinham ligação com ela, e vacinarem-se. Dando esse passo a irmã White reconheceu que fora demonstrado que a vacinação, ou imuniza contra a varíola, ou atenua grandemente os seus efeitos, se a pessoa a contrai. Também reconheceu o perigo de se exporem ao contágio, caso deixassem de tomar essa precaução.”

Neste texto do Centro White, fala-se sobre raio-x e vacinas. E nestes dois textos (aqui e aqui) você pode conferir a resolução da Igreja Adventista sobre vacinação.

No livro Mensagens Escolhidas, volume 3, página 329, Ellen White escreveu algo interessante: “A Terra foi amaldiçoada devido ao pecado, e nestes últimos dias multiplicar-se-ão insetos de toda espécie. Essas pragas precisam ser mortas, senão elas irão incomodar-nos e afligir-nos, e até matar-nos, e destruir a obra de nossas mãos e o fruto de nossa terra. Nalguns lugares há cupins que destroem inteiramente o madeiramento das casas. Não devem ser destruídos? As árvores frutíferas precisam ser pulverizadas, para que sejam mortos os insetos que estragariam as frutas. Deus nos deu uma parte para desempenhar, e devemos desempenhá-la com fidelidade. Então podemos deixar o resto com o Senhor.”

Note que há a recomendação para o uso de defensivos contra pragas (para horror dos veganos). Vírus e bactérias também são pragas e devem ser combatidos com os recursos que Deus nos permitiu criar contra eles.

Bom senso, equilíbrio e sabedoria nunca são demais. Portanto, ainda que você, por algum motivo, decida não ser vacinado nem tomar remédios, não divulgue isso como se fosse uma atitude que todos devam tomar. A escolha é somente sua. E não espalhe vídeos e áudios contra a vacinação. Isso só atrapalha a missão da igreja e lança dúvidas sobre nossos esforços em favor da saúde do semelhante, uma bandeira que tem caracterizado o adventismo há anos. [MB]

Anúncios