A vida sexual das garotas nos EUA: violência e banalização

pie2Matéria publicada no blog Página Cinco, de Rodrigo Casarin (hospedado no Portal UOL), pinta o triste panorama da vida sexual das garotas norte-americanas numa época pós-liberação sexual e de luta pelos direitos femininos (leia aqui). O autor faz uma resenha do livro Garotas e Sexo, da jornalista e escritora Peggy Orenstein, e começa citando uma reportagem do New York Times segundo a qual estudantes do sexto ano estão, basicamente, tratando o sexo oral como um aperto de mão feito com a boca. De acordo com um psicólogo infantil de Long Island citado na matéria, garotas daquela idade lhe disseram que tinham a expectativa de esperar até o casamento para ter relações sexuais, embora já tivessem feito sexo oral cinquenta ou sessenta vezes. “Para elas, é como um beijo de boa noite”, disse ele.

No livro, Orenstein fala, por exemplo, da chamada “festa do arco-íris”, em que garotas que mal saíram da fase das Barbies passam diferentes tonalidades de batom e depois fazem sexo oral em grupos de garotos por vez, deixando para trás um “arco-íris” de maquiagem em cada pênis.

A autora apresenta outro dado alarmante: “Todas as garotas com quem eu conversei, todas as garotas – independentemente de classe social, etnia ou orientação sexual, independentemente do que veste e de sua aparência ­– foram assediadas no ensino fundamental ou médio, na universidade ou, muitas vezes, nos três.”

Para as meninas, a situação sempre é pior, porque, além de serem expostas à violência sexual, o prazer parece não lhes pertencer em nenhum momento, como evidencia uma entrevistada de Orenstein: “É sempre a mesma sequência implícita. Vocês se beijam longamente, ele passa a mão em você, você faz sexo oral nele e pronto. Acho que as garotas não são ensinadas a expressar suas vontades. Somos essas doces criaturas que aprendem apenas a agradar.”

Segundo a autora, a origem do problema está na exposição constante e permanente das garotas à hipersexualização. De tão presente em tudo o que as cerca, o erotismo explícito acaba por parecer algo normal, natural. “Sejam elas atletas, artistas, cientistas, musicistas, apresentadoras de TV ou políticas, elas aprendem que devem, como mulheres, projetar sex appeal antes de mais nada.”

garotasPara ela, as musas do pop contribuem muito para reforçar essa cultura de objetificação da mulher, por mais que muitas vezes vendam – a cifras exorbitantes – um discurso de bem resolvidas sexualmente, empoderadas e libertas de qualquer pressão social. “Mulheres jovens crescem em uma cultura mercantilizada saturada de pornografia e centrada na imagem, na qual o ‘empoderamento’ é apenas um sentimento, o consumo prevalece sobre a conexão, ser ‘gostosa’ é um imperativo, a fama é a principal conquista e a maneira mais rápida de uma mulher ter sucesso é servir-se de seu corpo antes que alguém o faça.”

Nota: Obviamente que nos anos anteriores à dita “revolução sexual” ocorriam abusos e a mulher sofria com a pouca compreensão de sua sexualidade. Mas, pelo menos, o casamento era valorizado e a virgindade ainda era algo a ser preservado. De certa forma, o matrimônio era uma proteção para as mulheres – e, quando elas tinham a “sorte” de casar com um bom homem, que as protegia e honrava, tudo era bênção. Os tempos mudaram e o que trouxeram de bom para homens e mulheres? Doenças sexualmente transmissíveis em números alarmantes (25% dos jovens têm algum tipo de DST), número igualmente crescente de casos de gravidez na adolescência, depressão causada pelo sexo sem compromisso e meninas se sentindo usadas, ainda que projetem a imagem de “liberadas” e “desencanadas”. Muitos se esquecem de que contatos íntimos como a felação, sexo anal e carícias íntimas caracterizam ato sexual e causam o mesmo efeito no cérebro no sentido de liberar ocitocina e vasopressina e promover intimidade, que será depois quebrada com sofrimento, ainda que não admitido (o livro Hooked explica bem esse mecanismo pouco conhecido). É bom ver uma autora secular falando de sexo a partir de uma perspectiva antes abordada quase que exclusivamente por autores e educadores cristãos. A Bíblia apresenta o sexo como uma bênção de Deus, criado por Ele para ser desfrutado no momento certo (maturidade), no contexto certo (casamento) e com a pessoa certa (cônjuge). Fora disso é só tristeza, frustração e doença. Os números e a realidade estão mostrando isso. Mas quem terá coragem de ir contra a indústria cultural que glamouriza funkeiras rebolativas, músicas de caráter sexual, comédias “românticas” que fazem apologia do sexo casual e a nudez escancarada em momentos como o carnaval e outros? Bem, quem for inteligente e quiser desfrutar de prazer e felicidade verdadeiros, terá coragem de nadar contra a correnteza, e perceberá que vale a pena. [MB]

Leia também: “Sexo fora de contexto” e “Sexo: a verdade nua e crua”

Anúncios