O dragão tem raiva da mulher. Que bom!

mulher-e-dragãoApocalipse 12:17 afirma que o dragão está irado contra a mulher e faz guerra aos remanescentes, ou seja, o que sobrou da linhagem dela. Você sabe quem é essa mulher? Sabe quem é o dragão? São símbolos muito familiares para os que estudam a Bíblia Sagrada. Em linguagem profética, mulher representa igreja (Ef 5:25) e dragão, como o próprio Apocalipse deixa claro, é o anjo caído, Satanás (Ap 12:7-9). Essa mulher está vestida de Sol (Jesus: Ap 12:1; Jo 8:12; Ml 4:2) e tem a Lua debaixo dos pés (possível representação do sistema sacrifical do Antigo Testamento, que apenas refletia a missão redentora de Cristo, ou mesmo o ministério dos profetas, que igualmente apontava para a Luz). Além disso, ela tem uma coroa de doze estrelas (as doze tribos e os doze apóstolos: Gn 37:9; Dn 12:3; Ef 2:20). Resumindo: Satanás tem estado irado e está perseguindo a igreja de Deus ao longo da história da humanidade, desde o Antigo Testamento até hoje. E atualmente a ira dele se volta especialmente contra o remanescente dessa igreja perseguida (Ap 12:17); um povo que preserva as doutrinas, os princípios e a esperança defendidos pela igreja verdadeira desde sempre. Basta ler Apocalipse 12:17 para identificar facilmente esse povo remanescente da igreja de Cristo: eles guardam os mandamentos de Deus expressos em Êxodo 20 e têm o testemunho de Jesus, que é o verdadeiro dom de profecia (Ap 19:10). Ficou fácil identificar, né? Estude com oração esse capítulo importante do Apocalipse (o 20) e tome sua decisão em relação a isso.

O ódio do dragão se deve ao fato de que as “portas do inferno” não têm prevalecido contra o povo de Deus (Mt 16:18) e ele tem feito todos os esforços possíveis para impedir a obra final dessa igreja. Usou de perseguição e matança especialmente no tempo do Império Romano e na época da Inquisição, e continua fazendo sua obra nefasta de criticar, difamar e mentir, usando instrumentos de fora e, pior, de dentro.

Vídeos contra a igreja há aos montes por aí, com as mais diversas mentiras a respeito de um povo que crê na justificação pela fé, afinal, segundo Ellen White, essa doutrina está no âmago das três mensagens angélicas de Apocalipse 14 proclamadas desde o século 19 pelos adventistas do sétimo dia. Um povo que crê na salvação unicamente pela graça e pela fé nos méritos de Cristo. Um povo cuja fé é protestante (sola gratia, sola fide, sola scriptura, solus Christus e soli Deo gloria) e evangélica, mas que, pelo fato de fazer algo mais (por exemplo, levar em conta as regras dietéticas bíblicas e guardar o santo sábado de Deus, o memorial da criação) é tido equivocadamente como uma seita. Bem, sempre foi assim. Os cristãos da igreja primitiva também foram chamados de “seita” (At 24:14). Portanto, não faz mal não ser considerado “evangélico”, “protestante” ou seja lá o que for, desde que sejamos bíblicos e pertençamos à igreja de Apocalipse 12.

Além da crítica e da perseguição dos “de fora”, há também o ódio dos que já foram de dentro (se é que um dia realmente foram). Grupos dissidentes que se consideram mais iluminados teológica e moralmente levantam todo tipo de calúnia, como uma recente em que estamparam em um jornal fotos de líderes adventistas com líderes de outras denominações e disseram que aquilo era um encontro ecumêmico. Obviamente que não era. Tratava-se de uma reunião sobre liberdade religiosa no mundo. A Igreja Adventista colabora com outras igrejas nesse sentido e apoia projetos que visam ao bem comum, embora continue convicta de que não deve participar de movimentos ecumênicos com finalidade teológica/doutrinária, afinal, esse tipo de união acabará por reforçar decisões restritivas da liberdade, como o descanso dominical. Somamos esforços em projetos conjuntos que não violem nossos princípios e nossas crenças bíblicas. Aquelas fotos publicadas no tal jornal e espalhadas nas redes sociais não representam a verdade dos fatos, o que faz dos tais dissidentes pessoas equivocadas em sua interpretação da realidade ou simplesmente mentirosos. E todo leitor da Bíblia sabe quem é o pai da mentira (Jo 8:44). Cabe às pessoas prudentes e de bom senso não se unir aos espalhadores de boatos e não contribuir para essa obra de engano maliciosa e mal-intencionada. Antes de dar um clique no “compartilhar”, sempre devemos nos perguntar se a informação é verdadeira e se vai contribuir para a edificação das pessoas. Caso contrário, isso terá grande peso de responsabilidade espiritual sobre quem compartilhou a mentira.

Pertenço à Igreja Adventista do Sétimo Dia desde os meus 19 anos. Não foi fácil abandonar minhas convicções anteriores (romanistas, marxistas e evolucionistas) e abraçar as doutrinas bíblicas defendidas e pregadas pelos adventistas. Foi um processo doloroso (saiba mais sobre isso aqui), mas valeu a pena. À medida que me aprofundava nos estudos das doutrinas e na história desse movimento (algo que venho fazendo há mais de duas décadas), mais impressionado eu ficava com o papel profético da igreja e com sua missão. Os adventistas sabem que não é “placa de igreja” que salva e que nem todo adventista herdará a vida eterna. Sabem também que há muitas pessoas sinceras em todas as religiões e que elas ouvirão a voz do verdadeiro Pastor as convidando para fazer parte do aprisco verdadeiro (Jo 10:16; Ap 18:4). Sabem que no meio do povo de Deus há joio e trigo, e que a igreja é “débil e defeituosa”, como escreveu Ellen White. Muitas vezes tenho escrito sobre aspectos que considero podem e devem ser melhorados na igreja, mas faço isso porque amo essa igreja e tenho consciência de que o inimigo quer minar a fé dela, seu poder que vem da conexão com o Alto e sua identidade. Já que perseguição aberta não tem funcionado, Satanás usa outro tipo de perseguição: o “mundanismo”, a introdução de elementos pagãos no dia a dia da igreja, as distrações midiáticas e de diversões vazias e a mornidão. Esse método de anulação tem sido ainda mais eficaz do que a perseguição, afinal, faz com que o povo remanescente se esqueça de sua missão urgente de ajudar a preparar um povo para a volta de Jesus. Uma denominação religiosa que traz em seu nome a esperança do advento de Cristo deveria fazer da proclamação dessa verdade sua prioridade número 1.

De minha parte, continuarei fazendo tudo o que me for possível para ajudar a igreja remanescente a cumprir a missão para a qual ela foi estabelecida; a missão que, na verdade, sempre foi do Deus que estabeleceu a igreja para ser um de Seus instrumentos de salvação. Pretendo nunca abandonar este “barco”. A dissidência leva a uma vida de amargura e morte espiritual. Outras igrejas, por mais que nelas haja pessoas de Deus, não possuem a mensagem completa – e digo isso com toda a humildade e consciente de que os que muito receberam muito serão cobrados (Lc 12:48).

Sim, a igreja de Deus tem muitos defeitos (sempre foi assim ao longo do tempo, basta ler a história do povo de Israel, por exemplo), mas também tem suas virtudes. E toda vez que mais um projeto Impacto Esperança se aproxima, fico pensando nisso maravilhado e feliz. Observe as fotos abaixo e veja no rosto a expressão de alegria de um povo preparado para espalhar esperança por meio da literatura. Mais uma vez os adventistas estão se mobilizando para distribuir milhões de livros no Brasil e no exterior. E por que fazem isso? Querem marcar pontos no Céu? Querem garantir uma recompensa após a morte? Querem ficar “bem na foto” com Deus? Nada disso! Afinal, como eu já disse, eles sabem que a salvação é gratuita. Sabem que já são amados do Pai e que não precisam fazer nada para conquistar o favor dEle. O que fazem é por amor ao Deus que lhes ordenou “ide” e pelas pessoas que precisam de salvação e talvez ainda nem saibam disso. Os adventistas compram a preço de custo os livros que distribuem gratuitamente. Se submetem a críticas, escárnio e desprezo, mas fazem isso de cabeça erguida e coração contrito, afinal, seu Mestre também foi maltratado e incompreendido. Fazem isso porque percebem que o mundo está confuso, sofrendo e precisando desesperadamente de esperança, de Jesus. Os adventistas fazem o que fazem simplesmente porque amam a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmos; porque amam a Palavra de Deus e procuram ser fieis a ela. E isso desperta ódio em Satanás.

Quando vejo fotos como essas abaixo entendo por que o dragão odeia tanto essa igreja que é a menina dos olhos de Deus e que tem avançado cada vez mais contra as portas do inferno. Amém!

Michelson Borges

Anúncios