Público aceitará muito bem existência de ETs

disco_voadorÀ medida que a tecnologia nos torna mais capazes de aferir se existem outras formas de vida no Universo, uma questão importante precisa ser respondida: Quando fizermos contato, como vamos lidar com isso? Será que nos sentiremos ameaçados e reagiremos com horror? Será que nos daremos bem com a notícia? Ou será que vamos simplesmente encolher os ombros como qualquer outra coisa com que temos de lidar em nosso mundo cada vez mais acelerado? “Se estivéssemos cara a cara com uma vida de fora da Terra, nós na verdade ficaríamos bastante animados com isso”, garante o professor Michael Varnum, da Universidade Estadual do Arizona, nos EUA. “Tem havido muita especulação sobre como podemos responder a esse tipo de notícia, mas até agora quase nenhuma pesquisa empírica sistemática [havia sido feita].”

Em um estudo piloto, Varnum e seus colegas analisaram a linguagem em artigos de jornais, revistas e sites sobre possíveis descobertas de vidas extraterrestres, analisando a natureza das reações à vida alienígena. Para isso, eles utilizaram um programa de computador que quantifica emoções, sentimentos, impulsos e outros estados psicológicos em textos escritos. Os artigos no estudo piloto centraram-se no anúncio de micróbios marcianos extraterrestres possivelmente fossilizados em um meteorito (1996); o descobrimento em 2015 do escurecimento periódico em torno da Estrela de Tabby, que durante algum tempo se pensou indicar a presença de uma “esfera Dyson” construída artificialmente; e a descoberta, em 2017, de exoplanetas terrestres na zona habitável de uma estrela. O levantamento constatou que a linguagem usada na cobertura desses eventos apresenta significativamente mais emoções positivas do que negativas.

A equipe então partiu para entrevistar diretamente mais de 500 voluntários, pedindo-lhes para escrever sobre suas próprias reações hipotéticas e qual seria em sua opinião a reação da humanidade ao anúncio da descoberta de vida microbiana extraterrestre. As respostas dos participantes também mostraram emoções significativamente mais positivas do que negativas, tanto ao contemplar suas próprias reações como as da humanidade como um todo. “Eu ficaria entusiasmado com as novidades. Seria emocionante, mesmo que fosse uma forma primitiva de vida”, escreveu um participante típico.

A equipe também analisou as notícias mais recentes sobre as especulações de que o asteroide interestelar ‘Oumuamua poderia ser uma nave espacial. Também nesse caso houve significativamente mais emoções positivas do que negativas, sugerindo que também podemos reagir positivamente à notícia da descoberta de evidências de vida inteligente – e não apenas micróbios – em outros lugares do Universo.

Varnum concluiu que seus estudos, “tomados em conjunto, sugerem que, se descobrirmos que não estamos sozinhos, vamos receber as notícias bastante bem”.

(Inovação Tecnológica)

Nota: Agora imagine se de dentro de uma nave dessas sai um ser parecido com um anjo ou mesmo “Jesus”… O caminho para esse engano final vem sendo preparado há um bom tempo. Assista ao vídeo abaixo. [MB]]

Leia também: A Chegada: os aliens chegam e levam o ecumenismo ao ápice