Claudia Leitte é hostilizada por citar a Bíblia na TV

claudiaNo mês de março, no programa Encontro com Fátima Bernardes, a cantora Claudia Leitte disse que a mulher veio da costela de Adão, conforme a narrativa bíblica. O assunto em debate era “gênero e profissões” e os convidados defendiam o ponto de vista do feminismo contemporâneo. A cantora levou a discussão para outro rumo ao perguntar: “Geneticamente, a gente não é, como mulher, relacionada ao trabalho braçal, força bruta. A gente não é mais sensível?” E prosseguiu: “Historicamente, a gente veio da costela de Adão. Mas a costela de Adão protege os órgãos, a costela sustenta. Então é uma função que não desmerece a gente, muito pelo contrário, coloca a gente na condição de quem suporta e apoia. A gente não é mais sensível, os hormônios não fazem a gente ficar mais sensível?”

A pergunta claramente gerou desconforto na apresentadora e nos convidados. E a menção à Bíblia foi suficiente para produzir uma enxurrada de comentários jocosos nas redes sociais. “Burra” e “retardada” foram alguns adjetivos usados contra Claudia, sempre acompanhados de palavrões usados por internautas cuja mente foi dominada pelo marxismo cultural e pela militância feminista.

Claudia percebeu mesmo sem querer algo que vai se intensificar cada vez mais: a oposição ao criacionismo e à visão bíblica quanto à origem da humanidade e dos sexos, que, no caso, genética e biblicamente são apenas dois. Assuntos ligados ao espiritualismo, à bruxaria, ao evolucionismo e à ideologia de gênero são tratados numa boa nas TVs públicas e nos canais por assinatura, bem como nos filmes e nas séries e novelas, mas, quando se trata de Bíblia e especificamente da visão criacionista, os críticos e opositores de plantão se levantam raivosamente para combater o que eles não compreendem mas se apressam a classificar como fundamentalismo e estreiteza mental.

Depois desse incidente, Claudia gravou um vídeo para denunciar o que ela chama de patrulha ideológica e falta de liberdade de expressão. Ela diz que esse comportamento intolerante “beira a opressão.” É isso mesmo, Cláudia, a liberdade existe, desde que você pense como a maioria e não ouse desafiar o pensamento majoritariamente defendido pela grande mídia anticristã. E fique sabendo que dias piores virão.

Michelson Borges

Anúncios