Repúdio a Marx?

marxNem tanto! Eu não diria repúdio ao escritor prussiano, mas ao culto idolátrico às suas ideias, essas que permeiam a mentalidade brasileira e sua intelectualidade há décadas, ora explicitamente por meio dos radicais revolucionários, ora através de novos significados de modo que eles não digam o que Marx dizia, mas surgem revigorados pelas adaptações convenientes do momento. O questionamento de Marx a respeito da situação dos trabalhadores, em plena evolução da Revolução Industrial com o surgimento de novas fontes de energia, foi válido e pertinente, porém o trabalho dele não se resume apenas a isso, uma vez que ele usa a questão do trabalho – e a dependência humana dele para a sobrevivência – para expandir os horizontes do pensamento.

Num país de maioria cristã e conservadora, por que será que figuras como Marx são homenageadas, em lugar de, por exemplo, relembrar os ensinamentos de Cristo levados adiante pelos apóstolos? Por que lembrar de um homem revolucionário que também fez reflexões a respeito da religião, a ponto de considerá-la “ópio do povo”, ao invés de exaltar a religião? (Entenda-se religião como “re-ligare” ou reconectar a criatura ao Criador.)

O pensamento marxista, a princípio materialista dialético, tomou outras proporções ao ser direcionado ao campo cultural (vide a primeira parte do primeiro parágrafo) no século 20, e parece que a cristandade não acompanhou esse processo histórico e se esqueceu também do que o apóstolo Paulo escreveu em Efésios 6:12: “A nossa luta não é contra o sangue e a carne e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.”

A luta no mundo físico pode ser difícil e uma derrota, porém, se fica somente no campo físico, a virtudes espirituais não são derrotadas e permanecem com aqueles que sobrevivem. Já a luta no campo espiritual é complicada, pois se a pessoa não está preparada para os ataques invisíveis, ela é derrotada e devastada ainda em vida; vida essa que fica à mercê da guerra espiritual e de seus males, sem o agente principal, o indivíduo, ter condições de tomar a dianteira na batalha e vencer.

No mesmo capítulo do livro de Efésios, além do alerta contra quem estamos lutando, há a receita para se preparar para essa luta espiritual, e vencer. Nos versos 11 e 13-17 é dito o seguinte: “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis. Estai, pois, firmes, cingindo-vos com a verdade e vestindo-vos da couraça da justiça. Calçai os pés com a preparação do evangelho da paz; embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dados inflamados do Maligno. Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus.”

Como foram levantadas questões acerca das homenagens a Marx prestadas em nosso país em sua maioria cristão conservador, vem à mente outra pergunta: A quem realmente se deveria homenagear? A resposta está no capítulo 53 de Isaías.

(Thiago F. da Silva é professor de Geografia)

Anúncios