Mulheres morrem mais de infarto e a causa é o machismo?

infartoSegundo matéria publicada no portal UOL, o infarto é a primeira causa de morte entre mulheres no mundo, e o número de vítimas abaixo dos 50 anos representa 25% do total. Para se ter uma ideia, o infarto mata mais mulheres que o câncer de mama. Depois de falar de prevenção, etc., a matéria cita uma cardiologista francesa (na verdade, a única citada no texto) que atribui ao machismo grande parte dessas mortes. Segundo a ativista profissional, os homens costumam minimizar as queixas das mulheres. Se elas relatam dor no peito, por exemplo, eles dizem: “Não é nada, vai deitar um pouco, você está estressada.” A médica também atribui o estresse à carga de trabalho da mulher, que tem que lidar com profissão, filhos e os cuidados do lar. Ou seja, o maior culpado é o homem!

Leia o comentário do professor de Geografia Thiago F. da Silva: “Essa matéria do UOL mostra como distorcem os dados e aproveitam para fazer ativismo ideológico. Diz a matéria que, mesmo diante do aumento do número de infarto entre as mulheres – inclusive as com menos de 50 anos –, a porcentagem ainda é de 25 %, portanto, é um quarto apenas, número muito menor que os 75% de outras causas. Já a questão do machismo é patética. Na maioria dos lugares do mundo, as mulheres vivem mais que os homens, sem contar que hoje elas são maioria. Que machismo é esse que faz o homem morrer mais cedo e ser menor em número? Esse é mais um caso de ativismo ideológico contra um princípio cristão: a função do homem na relação com a mulher. Creio que a mulher que se preze (até algumas esquerdinhas doentes) e deseje ter uma relação com um homem para constituir família certamente quererá o homem que Deus orienta na Bíblia, não o homem ‘moderno’ cheio de fricotes, que não mais exerce seu papel de liderança e é ‘castrado psicologicamente’. As funções endócrinas estão sendo suplantadas pelas psicológicas. No caso do homem, ter mais testosterona não surtirá mais efeito, uma vez que a psicologia o tem condicionado a se adequar aos padrões atuais da sociedade, sem os gêneros/sexos naturais estabelecidos por Deus: homem e mulher, que são distintos, mas que se complementam numa união natural e mantenedora da espécie. Se desconstruída essa natureza, logo fica perceptível o intuito de aniquilação dela.”

Anúncios