Justiça social não é o evangelho

macarthurO pastor John MacArthur, líder da Grace Community Church e autor de dezenas de livros campeões de venda, tem posturas teológicas conservadoras bem conhecidas. Ao analisar o movimento relativamente novo dentro do segmento evangélico que defende “justiça social” como prioridade, ele declarou que, na verdade, é uma tentativa de mudar o foco do Evangelho. “Essa obsessão recente de segmentos evangélicos com a defesa da ‘justiça social’ é uma mudança significativa. Estou convencido de que é uma ideia que afasta muitas pessoas da mensagem principal, inclusive alguns líderes evangélicos. Trata-se de uma trajetória que muitos outros movimentos e denominações já trilharam, sempre com resultados espiritualmente desastrosos”, avalia.

“Eu abomino o racismo e toda a crueldade e conflitos que ele gera. Mas estou convencido de que a única solução a longo prazo para todos os tipos de embates sociais é o evangelho de Jesus Cristo. Somente em Cristo essas barreira e divisão entre grupos de pessoas são quebrados, fazendo membros de culturas e grupos étnicos diferentes se unirem em um novo povo (Efésios 2:14, 15)”, assevera.

Ele argumentou que não se opõe à ideia de evangélicos lutarem por uma sociedade melhor, mas o discurso adotado em nome da ‘justiça social’ não trata do cerne do problema. “Exigir reparações históricas pelas ações de seus antepassados ​​é a linguagem da lei, não do evangelho. Pior ainda, reflete os argumentos da política mundana, não da mensagem de Cristo. É uma ironia surpreendente que crentes ignorem a verdadeira unidade espiritual que temos em Cristo e desprezem princípios bíblicos em favor de opiniões carnais.”

A argumentação de MacArthur vem na esteira de um movimento iniciado recentemente dentro das igrejas batistas dos EUA pelo pastor Grady Arnold, líder da Igreja Batista do Calvário, da cidade de Cuero, Texas. Em maio, ele encaminhou um documento à liderança dos batistas denunciando a justiça social como um “mal”. O centro do argumento é que esse tipo de pregação – justiça social, justiça racial, justiça econômica, justiça sexual, ecojustiça – baseia-se em uma “teologia liberal”, que tem inspiração na “ideologia marxista”, focada numa “vitimização” de alguns grupos.

O documento gerou controvérsia no meio evangélico ao afirmar que “o ativismo pela justiça social deve ser considerado maligno, na medida em que é um caminho para promover o aborto, a homossexualidade, a confusão de gênero e uma série de outras ideias antagônicas ao evangelho, à cosmovisão cristã e ao nosso chamado à santidade (1 Pedro 1:16)”.

Diz também que “os ideais dessa justiça social estão sendo promovidos e aplicados pelos governos em todo o mundo. A justiça social política é enganosa, sendo que cristãos bem-intencionados podem ser atraídos para tal ideologia sob a falsa suposição de que isso equivale a defender a compaixão pelas pessoas”.

Já existem movimentos de líderes evangélicos liberais no Brasil advogando esse tipo de engajamento político da igreja que acabam, ao mesmo tempo, adotando pautas como a defesa da agenda LGBT e a legalização do aborto.

(Gospel Prime)

Nota: De fato, supervalorizar causas sociais é correr o risco de minimizar a solução definitiva para todos os males humanos: Jesus e Sua segunda vinda. Distribuir sopa e abraços, organizar feiras de saúde, recuperar patrimônio público e outras ações trata-se de parte da missão, mas, se não houver a pregação da Palavra, a distribuição de um livro missionário, etc., a obra ficou pela metade, ou melhor, apenas começou. Quem comeu a sopa voltará a ter fome. Quem recebeu o abraço voltará a sentir carência. Mas quem encontrou Jesus e as verdades de Seu reino, e foi acolhido por uma comunidade de amor com foco na missão, terá a vida completamente mudada e redirecionada. Outro aspecto perigoso dessas causas sociais é que a pessoa que defende essas bandeiras pode se envolver tanto com esse tipo de militância que acaba por abandonar a igreja e a missão mais importante de um cristão. Infelizmente, já vi isso acontecer. [MB]

Anúncios