Incêndio no Museu Nacional destruiu parte da nossa “alma”

museuNo fim do ano de 2015, fomos visitar uma família amiga no Rio de Janeiro e aproveitamos para conhecer alguns pontos turísticos, com destaque para o Museu Nacional de História Natural, localizado Quinta da Boa Vista, no bairro de São Cristóvão. Ficamos impressionados com tudo o que vimos ali naquele prédio criado por D. João VI, e minha filha Giovanna até escreveu na época um texto sobre nosso passeio e sobre essa visita (confira aqui). Deu orgulho ver tantas e relevantes peças preservadas nessa primeira instituição científica do País e um dos maiores museus do mundo. Por isso, quando tomei conhecimento do incêndio que destruiu duzentos anos da história do Brasil, transformando em cinzas milhões de peças e documentos de valor incalculável, senti um aperto no coração. É como se parte da “alma” do nosso país tenha sido transformada em fumaça em questão de horas.

De tudo o que li por aí a respeito dessa tragédia que repercutiu mundialmente, creio que o texto da jornalista Cláudia Geigher, publicado em sua página no Facebook, é um dos que melhor expressam o sentimento de revolta que arde no peito de muitas pessoas que conheciam o real valor do Museu Nacional:

“Vinte e um milhões de reais! Apenas isso! Era o que o Instituto de Patrimônio Historio e Artístico Nacional pedia ao governo federal, ao BNDS para reformar a Quinta da Boa Vista e conservar digna e responsavelmente o prédio e o acervo do Museu Nacional. No mesmo Brasil onde roubaram bilhões de reais com a corrupção política e empresarial, essa tragédia arde diante dos nossos olhos. O quinto maior museu do mundo em volume de peças catalogadas não tinha sistema de combate à incêndio efetivo! Tivemos duzentos anos para cuidar de tudo isso e agora o choque de ver tudo pegando fogo. Combater incêndio em museu com água apenas? Meu Deus! Isso destroi ainda mais o que poderia ser salvo! Perdemos dez mil anos [sic] de itens arqueológicos… Perdemos uma referência. Fruto de pesquisas, de coleções particulares, de documentos, acervos e presentes recebidos ou trazidos pela Família Real Brasileira… Ali estava uma das maiores coleções de ciências naturais, com quase 500 mil volumes, mais de 2.500 obras raras dessas coleções… Foram tantas expedições ao longo de mais de duzentos anos, e tudo registrado e disponível para a posteridade… Tudo se perdeu pro fogo.

“A maior coleção paleontológica de fósseis e registros de pesquisas iniciadas no século 18 na América Latina. Os fósseis dos gigantes pré-históricos que ocupavam o nosso território estavam ali. Maior coleção de meteoritos do Brasil. Ali estava também o crânio de Luzia, o mais antigo fóssil de um ser humano das Américas. Na Arqueologia: milhares e peças arqueológicas das Américas, do Egito e de diversas regiões do mundo. Coleção egípcia que começou ainda com D. Pedro I e ampliada pelo filho D. Pedro II. Teresa Cristina, quando veio se casar com D. Pedro II, trouxe sua coleção pessoal de peças arqueológicas egípcias, romanas, etruscas e as colocou em exposição no Museu Nacional; até afrescos da antiga Pompeia, devastada pelas cinzas do vulcão Vesúvio, estavam aqui no Brasil, no nosso Museu.

“Da pré-história e da época pré-colonial das Américas, o museu guardava mais de noventa mil itens dos povos nativos do Brasil, e também dos nossos vizinhos maias, astecas, incas… Tanta coisa… Cerâmica, escultura, artefatos…

IMG_8282a“O que D. João diria? O que nossos imperadores, as famílias que apoiavam a cultura e a pesquisa, diriam? D. João, que ao vir com a Corte para o Brasil colônia, trouxe coleções e artefatos justamente para que aquele então Brasil ignorante começasse a escrever uma nova história ao ter acesso às coleções… D. João, que criou o Museu e trouxe com ele da Europa a necessidade de investir em educação, cultura, história, memória, patrimônio. Uma visão europeia de desenvolvimento que infelizmente não vingou por aqui..

“Os naturalistas, cientistas, antropólogos, paleontólogos, arqueólogos, etnólogos, linguistas, historiadores, todos os pesquisadores deixaram ali suas preciosidades… Ali tínhamos um resumo do mundo. Algumas das coleções mais raras e importantes do planeta.

“Eu sinto um vazio… Mais de vinte milhões de itens viraram cinzas. Que dor no coração! Ali trabalham e trabalhavam pessoas apaixonadas por aprender, por conservar, por ajudar a entender nossa história… uns guerreiros que dedicavam a vida sem receber recurso direito, sem ter condições técnicas, e ainda assim não desistiam..

“Como nosso país permitiu que a nossa história chegasse a esse estado de abandono? Sem manutenção, sem dinheiro para conservar nosso acervo, o Museu Nacional foi a primeira instituição de ensino e pesquisa do Brasil. A História do Brasil em chamas… devastador!

“Não consigo aceitar… Visitei esse museu algumas vezes e me encantei com o que vi, e sempre saía com vontade de ficar, descobrir mais, ver mais, aprender mais… Desde 1892 o Museu Nacional estava na Quinta da Boa Vista. Era para ser um lugar onde os brasileiros conseguiriam redescobrir e aprender mais sobre a nossa história, a formação do nosso país e sobre a história do mundo. Ao ver esse incêndio ao vivo pela TV meu sentimento, além de tristeza, passa pela indignação, pelo inconformismo e pela desesperança.

museu fogo.jpg

“O que o fogo destruiu não será jamais recuperado. O que o povo deixou de conhecer jamais será resgatado. É o retrato do que a nossa nação se transformou: um país destruído. Um país que não valoriza sua história; um país que não investe de verdade e sistematicamente em conservação, restauração dos nossos museus; não investe de verdade na educação e muito menos no enriquecimento cultural do Brasil.

“Só posso pensar: QUE VERGONHA! Só posso sentir: QUE RAIVA! Só posso dizer: CANSEI DE DEFENDER ESTE PAÍS!”