De que lado da revolução você quer ficar?

revolucaoNa introdução da sua brilhante obra, o historiador D’aubigné afirmou com precisão: “O cristianismo e a Reforma [Protestante] são as duas maiores revoluções da história” (História da Reforma do XVI Século, v. 1, p. 6). A Reforma foi uma revolução inspirada pela fé, tendo como colunas a defesa da verdade bíblica, da soberania do Senhor Jesus e da santidade da vida cristã. Onde quer que os princípios da Reforma eram aceitos floresciam liberdade e prosperidade. Para cada ação de Deus na História satanás suscita uma contrafação para desviar a mente das pessoas e até, se possível, direcioná-las para o lado contrário. Não foi diferente com a Reforma Protestante. O impacto dessa revolução da fé foi sentido com toda a sua intensidade no reino das trevas. E Satanás usou toda a astúcia do inferno para elaborar também sua revolução – a da incredulidade.

Depois de décadas e até séculos de gestação, essa revolução da incredulidade emergiu com força total durante a Revolução Francesa, em grande parte por causa da colaboração de Roma: “Foi o papado que começara a obra que o ateísmo estava a completar. A política de Roma produzira aquelas condições sociais, políticas e religiosas que estavam precipitando a França na ruína” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 276). “Em vez de manter as massas populares em submissão cega aos seus dogmas, sua obra [de Roma] teve como resultado torná-las incrédulas e revolucionárias” (ibidem, p. 281).

O espírito da revolução da incredulidade foi acolhido e propagado por diversos intelectuais no século 19. Seu expoente mais conhecido foi Karl Marx, o qual sistematizou seus princípios e modus operandi. De lá para cá a revolução da incredulidade conquistou o coração de milhões de adeptos ao redor do mundo e tornou-se protagonista em diversos eventos da História, como, por exemplo, a Revolução Bolchevique de 1917. E entre seus frutos é possível observar a degradação moral, a opressão e a ruína.

A revolução da incredulidade ganhou mais tarde uma nova roupagem – conhecida como marxismo cultural. E hoje sua força é sentida principalmente no mundo Ocidental. Cultura, educação, política, economia, tudo foi contaminado por esse espírito revolucionário. O filósofo Olavo de Carvalho estudou a fundo a estrutura de pensamento desse tipo de mente revolucionária e concluiu que sua principal característica é a maneira invertida de ver o mundo.

Essa visão invertida ocorre pelo menos de três formas:

  1. Inversão da percepção do tempo: quem não possui essa mente revolucionária vê o passado como algo imutável, e o futuro como algo ainda a ser definido. Os revolucionários da incredulidade por sua vez têm um projeto de futuro utópico na mente e acham que o passado pode ser reescrito ou reinterpretado para acomodar tal projeto. Esse futuro utópico é tão real para eles que até se vangloriam no presente, rejeitando qualquer fato que possa comprovar o contrário.
  2. Inversão da moral: revolucionários da incredulidade consideram que trabalham para um projeto de futuro perfeito e, portanto, suas ações de hoje são perfeitamente justificadas por esse projeto. Nesse raciocínio, nada do que o revolucionário da incredulidade faça (mentir, roubar, destruir, matar) é considerado por ele imoral.
  3. Inversão de sujeito e objeto: revolucionários seguem um comportamento padrão de se enxergarem sempre como vítimas nas diversas circunstâncias da vida. Então se o revolucionário mata alguém que se opõe a ele, a culpa é do opositor que não seguiu o caminho certo, ou seja, o da revolução. Dentro dessa visão invertida é muito comum fazerem do bandido o mocinho e do mocinho o bandido. E também projetarem em seus adversários seus próprios defeitos.

Existe uma surpreendente similaridade na estrutura de pensamento desse tipo de mente revolucionária com o modo de pensar do seu originador: Satanás:

  1. Inversão do tempo – reinterpretar o passado e gloriar-se pelo futuro utópico:

“Os empenhos de Satanás, de representar mal [reinterpretar?] o caráter de Deus, de levar os homens a acalentar um falso conceito do Criador, e assim considerá-Lo com temor e ódio, em vez de amor […] foram perseverantemente seguidos em todas as épocas” (O Grande Conflito, p. 12).

“Ele [Satanás] prometeu-lhes [aos anjos no Céu] um novo governo, melhor do que aquele que até então haviam conhecido, no qual tudo seria liberdade… Ao perceber ele que suas propostas alcançavam sucesso, gabou-se de que chegaria a ter a seu lado todos os anjos” (A Verdade Sobre os Anjos, p. 39).

“Satanás… gabou-se orgulhosamente de que o mundo criado por Deus era seu domínio. Havendo conquistado Adão, o soberano do mundo, ganhara toda a raça humana como seus súditos. Possuiria o jardim do Éden e o transformaria em seu quartel-general. Ali estabeleceria seu trono para ser o soberano do mundo” (A Verdade Sobre os Anjos, p. 58).

  1. Inversão da moral – os fins justificam os meios:

“Satanás foi astuto em apresentar seu ponto de vista da questão. Tão logo percebia [no Céu] que determinada posição era vista em seu verdadeiro caráter, trocava-a por outra. Tal não ocorreu com Deus. Ele podia operar com apenas uma classe de armas – a verdade e a justiça. Satanás podia usar o que Deus não usaria: o engano e a fraude” (A Verdade Sobre os Anjos, p. 39).

“Satanás disse-lhes [aos anjos rebeldes] que tanto ele quanto os outros haviam ido longe demais para agora voltar, e que […] agora teriam de assegurar a liberdade deles e obter pela força a posição e autoridade que não se lhes havia sido concedida voluntariamente” (A Verdade Sobre os Anjos, p. 43).

  1. Inversão do sujeito – objeto:

“Concordemente, Satanás e sua hoste lançaram a culpa de sua rebelião inteiramente sobre Cristo, declarando que se eles não houvessem sido acusados, não se teriam rebelado” (O Grande Conflito, p. 499).

“O objetivo do grande rebelde foi sempre justificar-se, e provar ser o governo divino responsável pela rebelião” (O Grande Conflito, p. 670).

“Embora incapaz de expulsar a Deus de Seu trono, Satanás O tem acusado com atributos satânicos e reivindicado como seus os atributos de Deus” (Cristo Triunfante, p. 10).

Portanto, vivemos em uma época de intensa batalha espiritual: “Todo o mundo cristão estará envolvido no grande conflito entre a fé e a incredulidade” (Ellen G. White, Eventos Finais, p. 137). A boa notícia nessa história é que a revolução da fé continua viva e atuante: “A Reforma não terminou com Lutero, como muitos supõem. Continuará até o fim da história deste mundo” (O Grande Conflito, p. 148). A defesa da verdade bíblica, da soberania do Senhor Jesus e da santidade da vida cristã continuará sendo a arma dessa revolução. “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé” (1 João 5:4).

Então só podemos dizer uma coisa: “Viva a revolução – da fé!”

(Sérgio Santeli é pastor da Igreja Adventista de São Bernardo do Campo, SP)

Anúncios