A “síndrome conservadora” que afeta pessoas e países e as implicações proféticas disso

trumpUma pesquisa publicada na revista Journal of Cross-Cultural Psychology defende a existência de algo chamado “síndrome conservadora”, que pode acontecer tanto em indivíduos quanto em países de forma geral. Há três fatores importantes que são base para essa síndrome: religiosidade, dominância social e moralidade social. O pesquisador da Universidade de Sidney (Austrália) Lazar Stankov conta que começou a estudar o assunto há dez anos, mas com a intenção de focar nas diferenças interculturais. “Muito do meu trabalho anterior foi sobre inteligência e eu queria expandir para o campo não cognitivo. Estudar diferenças na personalidade, atitudes sociais, valores e doutrinas me pareceu interessante”, relembra ele. “Aconteceu que o resultado dos meus estudos pode ser mais bem interpretado a partir do conservadorismo social. Isso é a mistura de várias características psicológicas focadas em preservar o status quo. Eu escolhi o termo ‘síndrome’ para enfatizar que pelo menos alguns componentes desse tipo de conservadorismo não têm alta correlação entre eles.” A palavra “síndrome” significa um conjunto de sinais que caracterizam determinada situação.

Essa síndrome descreve pessoas que querem preservar os valores sociais atuais, e que têm personalidade com baixa abertura para novidades, que valorizam a autoridade, obediência, família, autodisciplina e crenças religiosas convencionais. Essas pessoas também mostram maior hostilidade contra pessoas de outros grupos. A diferença entre a síndrome conservadora e outras definições de conservadorismo é que ela inclui fatores psicológicos, e não apenas crenças políticas. “Pessoas com essa síndrome tendem a ser mais religiosas e duras contra aqueles que não são aceitos como membros de seu próprio grupo. A religião e a moralidade parecem ser uma forma de manter o atual modo de vida, e a dureza contra pessoas de fora é uma defesa contra a ameaça da mudança”, explica o autor do estudo. […]

Este estudo utilizou dados de dois bancos, que incluíam informações sobre 11.208 pessoas em mais de 30 países. Stankov concluiu que a síndrome existe em todos os países estudados. “Uma questão importante é a ligação entre a síndrome conservadora e o conservadorismo político. A motivação das pessoas que votam em partidos conservadores nos países do ocidente pode ser mais por motivos fiscais do que por motivos sociais. A preocupação deles é a preservação do livre mercado e menos com os aspectos sociais e psicológicos da vida”, explica ele. […]

(PsyPostJournal os Criss-Cultural Psychology, via Hypescience)

Nota: O fenômeno é real e perceptível em vários países. Os movimentos e governos de esquerda levaram o pêndulo da moralidade para tal extremo que agora estamos observando uma reação contrária com a mesma intensidade. A maior parte da população está farta de ver tanta baixaria sendo promovida como arte e educação. A maioria da população (que no Brasil ainda é cristã) não aguenta mais ver os direitos de uma minoria barulhenta se sobrepondo aos direitos dos demais. Para os que se pautam pela Bíblia é uma situação de fogo ou frigideira. Apoiar candidatos de esquerda é ajudar a promover antivalores que vão totalmente de encontro aos valores judaico-cristãos. Apoiar candidatos de direita é ajudar a montar um possível cenário profético favorável a uma maior aproximação entre Estado e igreja e a aprovação de leis que terão como justificativa a proteção da família e dos valores cristãos, mas que levarão em conta a vontade da maioria cristã e/ou a vontade do segmento mais forte entre os cristãos. E nós que estudamos as profecias sabemos no que isso vai dar…

O amigo pastor Sérgio Santeli acredita que “essa onda conservadora é uma oportunidade tremenda para pregar as três mensagens angélicas, que são impopulares, assim como tantos temas levantados nessa onda também o são. É necessário não perder a crista dessa onda”. Quanto ao texto acima, ele chama atenção para o fato de que, quando o autor diz que as pessoas com essa síndrome conservadora são mais propensas à hostilidade com quem pensa diferente, ele está equivocado. “Ele deveria fazer uma pesquisa honesta sobre a síndrome do pensamento revolucionário moderno, e iria se surpreender com os resultados”, diz Santeli.

Que venha logo o fim, para que finalmente se perceba que a solução não vem da direita nem da esquerda. Vem do Alto. [MB]

Anúncios