Unasp cria pós-graduação em Arqueologia Bíblica

arquePara complementar as áreas de História, Arqueologia e Teologia para ensino e práticas pastorais, o Centro Universitário Adventista, campus Engenheiro Coelho, criou a pós-graduação História e Arqueologia do Antigo Oriente Próximo. O corpo docente do curso é formado por doutores, mestres e especialistas na área, com experiência profissional e acadêmica. O curso se destina a profissionais graduados de diferentes áreas interessados em estudar o passado do Oriente Médio por meio da arqueologia e de outras fontes históricas escritas. As aulas são projetadas para atender àqueles que estão perto e longe, sendo presencias, mas transmitidas online para os alunos que estão mais distantes, com algumas aulas inteiramente EAD.

Inscrições: 25 de outubro de 2018 até 3 de fevereiro de 2019

Início das aulas: 4 de março de 2019

Para mais informações clique aqui.

Disciplinas Créditos CH
Pesquisa Arqueológica 2 30h
Arqueologia e a Bíblia 2 30h
Teoria e Métodos Arqueológicos 2 30h
História e Historiografia de Israel 2 30h
Patrimônio Arqueológico 2 30h
Arqueologia do Antigo Testamento 2 30h
Arqueologia de Novo Testamento 2 30h
Egito e Mesopotamia 2 30h
Grecia e Roma 2 30h
Disciplinas Optativas
(mínimo 60h para número necessário de créditos)
Créditos CH
Hebraico 2 30h
Grego 2 30h
Egípcio 2 30h
Epigrafia 2 30h
Numismática 2 30h
Antropologia 2 30h
Anúncios

Jesus voltará quando o mundo for organizado em dez blocos?

terraAndam circulando pela internet vídeos segundo os quais líderes da chamada Nova Ordem Mundial estariam organizando o mundo em dez grandes blocos econômicos, conforme o mapa abaixo. Alguns estudiosos das profecias mais afoitos estão defendendo a ideia de que esses dez blocos (muitos quais sequer existem) seriam o equivalente aos dez reinos mencionados nas profecias bíblicas de Daniel e Apocalipse. Ao propagar essa crença esses pregadores e palestrantes criam confusão e vão contra as melhores e mais coerentes interpretações relacionadas com esse assunto. Assisti a um desses vídeos postado no YouTube e escrevi os dez pontos a seguir:

1. Por que devemos considerar blocos econômicos reinos, em alguns casos, e países independentes, em outros? Em que lugar da Bíblia podemos encontrar base para isso? Segundo o vídeo que analisei, Estados Unidos, Canadá e México, por exemplo, formarão um grupo, enquanto Japão e China formam um grupo cada um.

2. Por que esperar pela suposta formação de um bloco econômico árabe se já existe o Mercosul? Seria por que, se contarmos o Mercosul, teremos 11 blocos e a “profecia” estará errada?

3. Daniel 2 tem vínculo direto com Daniel 7, mas não está “preocupado” com os três dedos que serão tirados. Esses pregadores se esquecem do princípio “repete e amplia”. O capítulo 7 amplia o 2, e o 8 amplia o 7. No capítulo 8, em que aparece apenas um chifre (não tem o animal com dez, nem um chifre que nasce e derruba três), quem seria esse chifre e qual o correspondente dele na profecia? Onde ele se encaixa? Em que capítulo do Apocalipse?

10 reis

4. No vídeo é defendida veementemente a unidade da União Europeia (mesmo com o Brexit e outros problemas), portanto, aparentemente não se crê que a Europa permanecerá fragmentada. A profecia de Daniel 2 diz que a Europa nunca mais se unificará sob uma mesma bandeira, a ponto de ser considerada um “reino”.

5. Aliás, a profecia de Daniel 2:44 não diz que a pedra (Jesus) virá destruir reis/reinos mundiais, como se afirma no vídeo; ela diz que “no dia desses reis”, ou seja, quando os reinos que formaram a Europa ainda estiverem existindo, Jesus virá.

6. Então a volta de Jesus está condicionada à formação desses dez possíveis blocos? Não mais à pregação do evangelho?

7. Parece-me que a tal interpretação toma como base uma ilustração (mapa) retirada da internet, relacionada com a ideia da Nova Ordem Mundial (confira este vídeo). Isso é bem frágil. E se um bloco desses desaparecer? E se surgir outro? Temerário… Arriscado…

8. No vídeo que analisei, os 3,5 anos (42 meses) são relacionados com o ministério de Jesus. Essa comparação não é lógica. É como se disséssemos que os 70 anos de cativeiro babilônico correspondessem às 70 semanas de Daniel 9. Não faz sentido esse paralelismo forçado. Devemos ser mais criteriosos. Além disso, Ellen White não escreveu absolutamente nada que tenha que ver com essa ideia de 3,5 anos literais, muito pelo contrário, como se pode ver nos textos citados logo abaixo.

9. Em um vídeo de 2014, é dito que o presidente Obama iria legalizar 11 milhões de imigrantes que provavelmente seriam os primeiros a receber um ID da União Norte-Americana, aquela que incluiria EUA, México e Canadá. Cinco anos depois, essa União não existe, o tal ID não foi concedido e Trump está construindo um muro entre o país dele e o México. Aliás, a maior parte dos blocos anunciados na tal “profecia de internet” simplesmente ainda não existem – e chego a pensar que alguns nunca existirão.

10. Apocalipse 17 também é mencionado no vídeo, com uma interpretação igualmente problemática (sobre isso sugiro este vídeo).

O vídeo a que me refiro e que analisei me fez lembrar de algumas interpretações proféticas absurdas, como a de que os dois chifres do carneiro de Daniel capítulo 8 seriam as torres gêmeas do World Trade Center, derrubadas em 2001; ou o falso cumprimento de Apocalipse 12, no ano passado (confira); ou ainda aquela ideia de que é pecado ir à praia porque a besta sobe do mar (Apocalipse 13)! Interpretações apocalípticas literalistas que desprezam os paralelismos proféticos bíblicos e regras elementares de hermenêutica criam sensacionalismo e desencaminham os leitores superficiais da Bíblia. Tomemos cuidado com isso!

Michelson Borges

Nota: Textos de Ellen White nos quais ela afirma o simbolismo (não literalidade) dos 3,5 anos (42 meses) mencionados em Daniel e Apocalipse:

egw1

egw2

egw3

Apocalipse: A Mensagem de Jesus às Sete Igrejas

jesus igrejasAs mensagens para as sete igrejas têm objetivos em três níveis: (1) fortalecer e estimular as igrejas literais da época de João; (2) representar três períodos da história da igreja cristã até a volta de Jesus; e (3) trazer direção, reflexão e esperança para todas as igrejas. Os objetivos do terceiro nível são os que queremos alcançar com as perguntas desta semana.

Perguntas para discussão e aplicação

Sobre a igreja de ESMIRNA

a. Conforme Apocalipse 2:9, quais eram as maiores dificuldades da igreja de Esmirna?

b. Em sua opinião, o que motivava os cristãos daquele período a permanecer fiéis a Jesus apesar dessas dificuldades?

Sobre a igreja de PÉRGAMO

a. Compare Apocalipse 2:13 com João 12:31 e 1 João 5:19. O que significa “habitar onde está o trono de satanás” e ainda assim “não negar a fé” de Jesus? (ver Apocalipse 14:12)

b. Leia Apocalipse 2:6, 15. Por que as doutrinas dos nicolaítas (que se infiltraram nas igrejas de Éfeso e de Pérgamo) eram “detestadas” por Deus? Que tipos de “nicolaítas” modernos, com doutrinas “detestáveis”, tentam se infiltrar em nossas igrejas hoje? Como devemos proceder com as pessoas que promovem tais doutrinas na igreja?

Sobre a igreja de TIATIRA

a. Note que a igreja de Tiatira apresenta pontos muito positivos em 2:19, mas um ponto muito negativo no verso 20. Que lições isso pode nos ensinar?

b. Tiatira foi o período mais negro da história do cristianismo. O que significa para você o fato de que Deus Se dirige aos “restantes” (ou “remanescentes”) de Tiatira (2:24)?

Sobre a igreja de SARDES

a. O que significa dizer que a igreja de Sardes “tem nome de que vive mas está morta”? Por que esse problema é muito grave, e como pode ser resolvido?

b. Como a promessa em 3:5 pode ajudar a melhorar esse quadro?

Sobre a igreja de FILADÉLFIA

a. Compare a “porta aberta” em Apocalipse 3:8 com 2 Coríntios 2:12 e Colossenses 4:3. Por que devemos orar para que o Senhor nos abra a porta para a pregação do Evangelho?

b. Leia o conselho em 3:11. Como alguém pode “tomar” a coroa de outra pessoa que já a tinha reservada no Céu?

Sobre a igreja de LAODICEIA

a. Leia Apocalipse 3:15, 16. Por que, para Jesus, seria melhor sermos “frios” ou “quentes” a continuarmos “mornos”?

b. De acordo com 3:17, a igreja de Laodiceia “nem sabe” de sua horrível realidade. Por que isso torna a situação dela ainda pior? Espiritualmente falando, o que significa ser “infeliz, miserável, pobre, cego e nu”?

c. Conforme 3:18, o que significam o “ouro”, as “vestes” e o “colírio” que Jesus nos recomenda comprar? (ver 1 Pedro 1:7; Isaías 61:10; Efésios 1:17, 18) Por que não devemos nos preocupar com o preço desses três ítens?

d. De que forma a promessa de Jesus em 3:21 nos motiva a permanecer fieis até o fim?

Natal Gardino é doutor em Ministério pela Andrews University e pastor distrital em Jardim Iguaçu, Maringá, PR

Vídeo mentiroso sobre o decreto dominical

trump papa[Está circulando novamente pelas redes sociais um vídeo em que aparentemente eu afirmo que o decreto dominical teria sido assinado. O vídeo foi maldosamente editado e tem causado confusão. Por isso, por favor, leia atentamente a explicação abaixo e compartilhe com seus contatos. Muito obrigado. – MB]

É impressionante como há pessoas que se divertem com a mentira, promovendo um verdadeiro “ministério das fake news”. Neste texto (confira) eu falo um pouco sobre essas notícias mentirosas e relembro aos esquecidos quem é o pai da mentira. Esses imitadores do inimigo já fizeram o Dr. Rodrigo Silva parecer terraplanista, já espalharam mentiras sobre pastores e líderes, e em tempos de crise se deleitam em criar alarde.

Anda circulando pelo WhatsApp uma versão editada de um vídeo que postei no dia 26/10/2017, no qual uso de humor para ironizar um boato espalhado na época (assista ao vídeo original abaixo para saber do que se trata). Ocorre que um “ministro” da inverdade cortou meu vídeo e o está espalhando por aí, dando a impressão de que eu disse exatamente aquilo que tentei desmentir. Simplesmente lamentável.

Se você se deparar com essa versão editada/cortada do meu vídeo, por favor, não a encaminhe e avise a pessoa que lhe enviou que se trata de uma brincadeira de muito mau gosto. Seja um defensor da verdade. Antes de compartilhar qualquer conteúdo, seja foto, áudio ou vídeo, tenha certeza de que se trata de algo verdadeiro.

Michelson Borges

Terraplanistas fretam cruzeiro para ir até a beirada da Terra

cruzeiroA Conferência Internacional da Terra Plana (FEIC, na sigla em inglês) decidiu fretar um navio de cruzeiro no ano que vem com o absurdo propósito de chegar aos limites da Terra. Segundo uma parte dos seguidores dessa corrente, que defende que a Terra não é esférica, o planeta acaba num muro de gelo que nos separa do espaço exterior, aonde pretendem chegar nesse cruzeiro. Será “a maior, mais audaz e melhor aventura já feita”, alardeia o site da organização. A FEIC anunciou o projeto em sua conferência anual, conforme noticiou o jornal britânico The Guardian. O ex-capitão naval Henk Keijer lembrou a esse jornal que todas as cartas náuticas e os sistemas de navegação foram desenvolvidos sob a premissa de que a Terra é esférica, a que navegação desse cruzeiro deverá ser “muito complicada” se a tripulação discordar disso.

[Continue lendo.]

Rubens Lessa: meu amigo descansa no Senhor

Rubens Lessa: ao meu professor, com carinho

rubens_lessa[Em 2017 publiquei no blog Criacionismo o texto a seguir, prestando minha homenagem ao pastor e jornalista Rubens Lessa, quando ele completou 80 anos. Hoje republico aqui o mesmo texto, mas com o coração apertado, pois o meu amigo, professor e ex-chefe descansou no Senhor.]

Quando cheguei à Casa Publicadora Brasileira (CPB), em 1998, era um jovem de 26 anos, recém-graduado em Jornalismo, recém-casado, cheio de sonhos e planos, mas precisava ser moldado e “comer muito feijão com arroz” para que pudesse me tornar digno de ocupar a função para a qual havia sido chamado: editor na maior entre as sessenta editoras da Igreja Adventista do Sétimo Dia espalhadas pelo mundo. Trata-se de um púlpito muito elevado e, na verdade, por mais que os anos passem, nunca estamos devidamente prontos para tamanha responsabilidade. Fazemos o que fazemos somente pela misericórdia de Deus.

Lembro-me, como se fosse hoje, do dia em que desembarquei do ônibus em frente à editora, a fim de realizar a entrevista e o teste que revelariam se eu iria trabalhar ali ou não. Dentro do Viação Cometa, vindo de São Paulo a Tatuí, reconheci um dos editores da CPB, o pastor e jornalista Zinaldo Santos. Confesso que meu coração acelerou. Eu conhecia todos os editores que trabalhavam na CPB. Na verdade, conhecia o rosto deles pelas fotos e lia tudo o que escreviam. Posso dizer que sempre fui “fã” dos “escribas” da igreja. Observei aquele senhor de bigode descer do ônibus e pensei: “Será que algum dia serei um editor como ele?” Mas procurei afastar esse pensamento, afinal, poderia não passar no teste. Era melhor não alimentar a ideia.

Quando desci do veículo, logo depois do pastor Zinaldo, pude ver o logotipo metálico da CPB majestosamente colocado em frente ao gramado da portaria externa. Lágrimas encheram meus olhos. Somente aqueles que amam a Deus, Seus servos e Sua igreja podem entender a emoção que naquele momento tomou conta de mim. Pela primeira vez eu estava ali, em frente à editora da igreja responsável por livros e revistas que haviam feito tanta diferença em minha vida e contribuído para minha conversão.

Identifiquei-me na portaria, fui até a recepção e aguardei alguns instantes, enquanto a recepcionista ligava para alguém. Tudo na instituição era (e é) muito bonito e bem cuidado, desde os jardins até as instalações internas. “O melhor para Deus”, pensei. Pouco tempo depois, ali estava ele: um senhor magro, de sorriso gentil e de um olhar que revelava sabedoria – o pastor Rubens da Silva Lessa, então redator-chefe da Casa Publicadora Brasileira. Ele apertou minha mão e me conduziu até sua sala, no setor de Redação. Cumprimentamos a secretária, a simpática Andréa, e entramos no escritório repleto de livros. Sentei-me na cadeira diante da grande mesa de madeira. Não, na verdade me senti afundar na cadeira, considerando-me pequeno na presença daquele homem tão culto, de português impecável e com tantos anos de experiência ministerial e editorial. Enquanto conversava com ele, pensava que meu futuro e da minha família dependiam daquele momento. Orei a Deus em pensamento e coloquei tudo mais uma vez nas mãos dEle.

Antes de deixarmos a Redação, no fim daquele dia memorável, o pastor Lessa me levou para conhecer a editora, mostrou-me uma sala vazia e disse, como que profetizando ou me dando um lampejo de esperança: “Esse escritório ainda pode ser o seu.”

Resumindo: um longo mês depois dessa entrevista, estava me mudando para Tatuí com minha esposa e os pouquíssimos móveis que possuíamos. Por indicação da esposa do meu chefe, a amável irmã Charlotte, alugamos uma casa em frente à casa deles. O casal Lessa nos adotou como filhos e nos ajudou a suportar a saudade dos nossos familiares e da nossa Santa Catarina, tão distante. Fazíamos o culto do pôr do sol juntos e frequentemente almoçávamos com eles. Levei algum tempo para conseguir comprar um carro, e não foram poucas as vezes em que meu vizinho foi à nossa casa para entregar a chave do Monza dele. “Pegue, vá dar uma volta com sua esposa.”

O pastor Lessa me convidou para ajudá-lo a cuidar de uma pequena igreja na cidade de Boituva, distante cerca de 25 km de Tatuí. Trabalhamos juntos ali, como anciãos, por mais de dois anos. Aprendi muito com ele. Com tato, ele ajudou a refinar meu modo de falar e de pregar. No trabalho, foi muito paciente, ensinando-me a escrever para a igreja, corrigindo meus erros e me mostrando que, acima de tudo, um bom texto se escreve com os joelhos mais do que com as mãos. E posso dizer que ter convivido de perto com esse homem de Deus valeu mais do que muitas faculdades.

redação1

Acima de tudo, aprendi com ele que devemos ser íntegros, fiéis a Deus, à Sua Palavra e à Sua igreja. E isso Rubens Lessa ensinava por preceito e exemplo. Um verdadeiro professor. Um verdadeiro pastor. Um verdadeiro editor. Mas, sobretudo, um verdadeiro amigo. [Na foto acima está o grupo de editores da CPB em 2000.]

Hoje [2017] meu amigo completa 80 anos. Uma vida longa e abençoada, ainda gozando de ótima saúde, lucidez e ânimo para continuar pregando e escrevendo sobre o amor de Deus. Eu não poderia ter tido melhor professor!

Feliz aniversário, pastor Lessa!

Michelson

Nota (12/1/2019): Descanse em paz, meu amigo. Suas palavras sábias ajudaram incontáveis pessoas a encontrar a verdade que liberta. Tenho certeza de que na manhã da ressurreição você receberá muitos abraços de gratidão. Um desses será o meu.