Ellen White, os capitalistas e os revolucionários

White-EllenEllen White viveu no século 19, cursou apenas os primeiros anos do ensino fundamental, e mesmo assim escreveu pérolas como esta: “Ao mesmo tempo a anarquia procura varrer todas as leis, não somente as divinas, mas também as humanas. A centralização da riqueza e do poder; vastas coligações para enriquecerem os poucos que nelas tomam parte, a expensas de muitos; as combinações entre as classes pobres para a defesa de seus interesses e reclamos, o espírito de desassossego, tumulto e matança; a disseminação mundial dos mesmos ensinos que ocasionaram a Revolução Francesa tudo propende a envolver o mundo inteiro em uma luta semelhante àquela que convulsionou a França. Tais são as influências a serem enfrentadas pelos jovens hoje. Para ficar em pé em meio de tais convulsões, devem hoje lançar os fundamentos do caráter” (Educação, p. 228).

Esse texto escrito não muito tempo depois dos estragos ocasionados pela Revolução Francesa é simplesmente impressionante! Da leitura atenta dele podemos formular pelo menos nove perguntas e extrair algumas reflexões:

1. Que tipo de problemas traz o acúmulo de riquezas por parte de poucos, além da óbvia e consequente distribuição muito desigual de recursos e da ampliação da pobreza? Regimes socialistas não concentram riquezas?

2. Que tipo de reação o capitalismo desenfreado promoveu e quais as consequências dessa reação? Leia Tiago 5:4.

3. Quando que a defesa de interesses de uma classe pode se tornar um problema igual ou até maior do que a situação injusta que a motivou? O que dizer da “tirania das minorias”?

4. Quais foram os aspectos positivos e os negativos da Revolução Francesa?

5. Você percebe um poder movendo o pêndulo da História para lá e para cá, trazendo consequências negativas tanto em um extremo quanto em outro?

6. Os jovens de hoje terão que enfrentar os males do capitalismo e as heranças da Revolução Francesa, uma das quais é o socialismo. Um destroi a sensibilidade espiritual (viver para ter) e afasta o desejo pela volta de Jesus, o outro abre as portas para males como a ideologia de gênero, o feminismo, o relativismo e mesmo o ateísmo.

7. Para ficar em pé e suportar as pressões sociais e políticas, bem como resistir às ideologias anticristãs, os jovens precisam “lançar os fundamentos do caráter”.

8. Como podemos formar um caráter cujos fundamentos sejam sólidos?

9. Você percebe que a solução para ambos os problemas consiste em formar uma adequada cosmovisão bíblica? Assim desaparece a ilusão de que a solução para os problemas do mundo estaria na esquerda ou na direita. Não está. Está no Alto.

Para responder à pergunta 1, dois textos bíblicos podem ajudar. Provérbios 30:7, 8: “Duas coisas te pedi; não mas negues, antes que morra. Afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; mantém-me do pão da minha porção de costume.” Lucas 12:18-21: “E disse: Farei isto: Derrubarei os meus celeiros, e edificarei outros maiores, e ali recolherei todas as minhas novidades e os meus bens; e direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga. Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus.”

É importante esclarecer que a visão positiva do trabalho e do lucro é oriunda do protestantismo (Calvino sistematizou esse tema). Portanto, o capitalismo fundamentado sobre a ética protestante é uma benção para a sociedade; o problema é quando se torna instrumento de ideologias desprovidas de Deus. Por outro lado, vivemos na época do protestantismo apostatado, que caminha rapidamente para a formação da besta escarlate de Apocalipse 17. E não podemos nos esquecer de que o que fundamentou o capitalismo da atualidade não foi exatamente o protestantismo, e sim o evolucionismo social do século 19, e que a única coisa em comum que ele tem com o protestantismo é o fato de ter surgido em países protestantes, muito provavelmente relacionado ao processo de apostasia.

Quando lemos com atenção sobre a estrutura social do Israel teocrático, o qual White diz ser um modelo de justiça para a organização humana, vemos elementos presentes no capitalismo moderno, mas muitos outros diametralmente opostos.

Com relação à pergunta 8, a continuação da leitura nas páginas 228 e 229 fornece a resposta. Porém, também é necessário o jovem saber quais são as forças motrizes que estão por trás dos ataques que a cristandade sofre, pois conhecendo-as ele saberá se defender e se posicionar. Uma vez que o jovem se posicione a favor de Deus, ele precisa saber identificar as contrafações apresentadas ao mundo e discernir uma por uma, para, então, estar firme e não ser enganado.

Um elemento-chave do texto de Ellen White acima é a Revolução Francesa. Por isso esse assunto merece um estudo mais detalhado. Por hora, cito outro texto dela: “O mesmo espírito mestre que incitou o Massacre de São Bartolomeu também dirigiu as cenas da Revolução Francesa. Satanás parecia triunfar. Não obstante o trabalho dos reformadores, ele tinha conseguido manter vastas multidões na ignorância a respeito de Deus e da Sua palavra. Agora, ele apareceu com uma nova roupagem. Na França, surgiu um poder ateu que declarou abertamente guerra contra a autoridade do Céu. […] A fornicação foi sancionada por lei. Profanação e corrupção pareciam inundar a Terra. […] O trabalho que o papado havia começado, o ateísmo concluiu. Um retinha do povo as verdades da Bíblia; o outro ensinou-o a rejeitar tanto a Bíblia quanto seu Autor” (Spirit of Prophecy, v. 4, p. 192).

O que fica evidente de tudo isso? Precisamos como nunca antes estudar a Bíblia Sagrada e formar um caráter para a eternidade, não nos deixando desviar nem para a direita nem para a esquerda.

Michelson Borges

Anúncios