Os jovens e a crise de identidade cristã

baladaDiversos motivos podem justificar a evasão de jovens das igrejas. Algumas situações evidentes seriam o desinteresse que pode surgir com o tempo, a falta de amigos na comunidade religiosa que frequentam, conflitos pessoais, estilos diversos de vida que confrontam valores cristãos, a desconexão da fé com a ciência, a falta de preparo dos líderes para tirar suas dúvidas e, em especial, a superficialidade cognitiva da fé bíblica. Em se tratando de superficialidade da fé, refiro-me ao conhecimento que faz transbordar confiança, entrega e encanto pela verdade de Deus. Aquele entendimento cognitivo que promove fé genuína, ao invés de fideísmo; poder moral, ao invés de religião sentimental; inteligência e saber racionais, ao invés de mera informação frívola; compromisso e fidelidade espirituais, ao invés de sincretismo místico; e, também, amor como princípio, ao invés de impulsos emotivos de momentos.

Por causa da secularização nos grandes centros do saber, alguns têm-se inclinado a acreditar que o conhecimento é inimigo da fé (Bíblia). Na verdade, o conhecimento pode ser tanto amigo da fé quanto inimigo dela. Explico: o conhecimento convencional se torna inimigo da fé quando a fé se torna fraca em conhecimento de si mesma. Em outras palavras, quando o jovem conhece pouco da verdade, como poderia ele sobreviver em meio ao tsunami de informações que contrapõem sua fé?

Uma pesquisa realizada pelo American Culture & Faith Institute[1] (ACFI, na sigla em inglês) com seis mil pessoas nos Estados Unidos descobriu que apenas 14% dos cristãos conhecem questões básicas ligadas à fé que professam. A pesquisa apenas veio ao encontro do que temos presenciado todos os anos: apostasia quase generalizada, especialmente entre jovens que ingressam nas universidades.

Nancy Pearcey, cristã, mestre em Ciências Sociais e Filosofia, pontua que “a religião perdeu sua reivindicação à universalidade e seu poder de interpretação”[2], e oferece como resposta ou razão a perda do espaço como verdade absoluta. Ou seja, o conhecimento que constrói a identidade cristã tem sido minguado, escasso e superficial. À medida que o conhecimento profundo, que tem por pressuposto as reivindicações da Reforma Protestante do Sola e Tota Scriptura, foi se evaporando dos pequenos ou grandes programas espirituais, especialmente os que são direcionados aos jovens cristãos. No lugar deles foi sendo acrescentado o entretenimento vazio, o show e os contos cômicos.

A Bíblia, de um livro sério que apela para conversão, arrependimento, contrição de consciência, renúncias, sacrifícios e lutas, passou lentamente a ser, nas variadas igrejas cristãs, o livro dos gracejos, das anedotas humorizadas e o livro dos pastores bacanas e descolados. Por exemplo, basta ler uma narrativa da Bíblia de forma superficial e enchê-la exaustivamente de gestos, historinhas e, claro, não podem faltar anedotas engraçadas, estimulantes e excitantes com muita música ruidosa e dançante. Isso tem transformado tais programações em grandes shows de excitamento e exaltação emocional, e os pastores em heróis do gracejo, ídolos ou fetiches do espiritualismo cristão.

Até mesmo o falecido filósofo Allan Bloom, que alguns acreditam ter sido ateu, pontuou que “a falta de cultura leva simplesmente os estudantes [jovens] a procurar informações onde elas estejam disponíveis, sem capacidade para distinguir entre o sublime e o reles, o conhecimento profundo e a propaganda”.[3] Ou melhor, no contexto do tema aqui tratado, a falta de conhecimento profundo, infelizmente promovido por muitas igrejas cristãs, leva os jovens a se aprofundarem no que simplesmente está disponível. Agora, o que está disponível? O que as igrejas têm oferecido para os jovens cristãos da atualidade? Alimento que mexe com os estímulos da carne ou com os estímulos da consciência?

Uma vez que todo e qualquer desafio para a fé está diretamente ligado ao conhecimento do “bem e do mal” (Gn 2:17), é por esse motivo que a igreja também precisa ter um ministério voltado para o cognitivo. Do que essa juventude mais precisa? Conhecimento bíblico embasado, profundo e comovente. Aquele conhecimento que unifica a ciência e a revelação – que faz a ciência ser aliada da verdade revelada de forma racionalmente absoluta e inquestionável. Mas, infelizmente, o que muitos líderes religiosos mais têm se preocupado em dar para a juventude é entretenimento vazio. Resultado: apostasia generalizada quando se deparam com o antagonismo filosófico/científico e provações diversas.

Ellen White afirma que não “devemos perder a oportunidade de nos preparar intelectualmente”.[4] Também esclarece que o conhecimento da ciência verdadeira abre a mente para vastos campos de pensamento e informação,[5] abre o espírito para a ampliação das ideias, habilitando-nos a ver Deus em Sua criação, com provas de Seu poder,[6] e que, além de enobrecer, estabelece perfeita harmonia entre a ciência e Sua Palavra.[7] Ela também escreveu que foi Deus quem inundou o mundo com descobertas científicas e artísticas, mas que esse dilúvio de informação precisa ser guiado pela sabedoria da Sua Palavra.[8] Portanto, é aqui que começa o ministério da igreja, especialmente para a juventude universitária de nossa geração.

É exatamente o que procuro fazer no meu ministério para os jovens em suas reuniões de pequenos grupos, em pregações nas igrejas, reuniões de jovens e em simpósios criacionistas/científicos/filosóficos, ou qualquer outro encontro que me possibilite expor a Palavra diante deles. Acredite, quando isso é oferecido, eles se apaixonam mais ainda pela verdade. Mas, ao contrário disso, alguns, equivocadamente, acreditam que para segurar os jovens cristãos na igreja é necessário ser um líder espalhafatoso, ser #PastorShow, criar programas bíblicos humorísticos e oferecer coisas baseadas em filmes hollywoodianos e culturalmente populares.

A justificativa que alguns apresentam é que os jovens não lidam muito bem com as coisas difíceis e profundas da Bíblia. Também argumentam que eles serão mais facilmente alcançados e fortalecidos se usarmos uma linguagem mais simples e dinâmica. O problema é que, para alguns líderes, tornar a linguagem da Bíblia mais simples e apetitosa aos jovens significa associá-la com o que é mais comum na cultura e no entretenimento populares. A exemplo do mito do cavalo de Tróia, tais práticas não têm fortalecido os jovens para serem oposição ao mundo, mas, sim, simpatizantes dele. Ellen White advertiu: “A conformidade aos costumes mundanos converte a igreja ao mundo; jamais converte o mundo a Cristo.”[9]

Uma pergunta: Por que esses mesmos jovens que estudam equações de 1º e 2º grau, trigonometria, línguas, física quântica, termofísica, química, álgebra, engenharias diversas seriam incapazes de aprender coisas profundas e sérias da Bíblia? Alguma coisa me parece estranha nisso. Prova? Como no dito popular, o tiro tem saído pela culatra – evasão de jovens pela tangente.

A verdade bíblica e o verdadeiro conhecimento científico/filosófico devem fazer parte da vida da igreja deste século. A igreja moderna ou atualizada, na verdade, não é aquela que se torna relevante meramente nos costumes ou em práticas secularizadas, mas a igreja que tem respostas para as indagações que mais desafiam a verdade bíblica. A igreja verdadeiramente relevante é a que torna o conhecimento e o saber verdadeiramente mais relevantes do que o pseudoconhecimento que contrapõe a verdade. Foi assim que Jesus definiu o conhecimento consistente, minucioso e profundo da verdade como sendo o agente libertador (Jo 8:32), e este é o principal ministério da igreja: encher a mente e o coração das pessoas do conhecimento libertador e que possibilita claro discernimento da linha que separa o “conhecimento do bem” do que se define como “conhecimento do mal” (Gn 2:17) tão bem amalgamados hoje em dia. Quanto mais o “conhecimento do mal” se tornar robusto e convincente, maior será o desafio da igreja, pois é seu dever manter o “conhecimento do bem” sempre mais elevado, persuasivo e apaixonante.

Quando os nossos jovens, com a ajuda da própria igreja, mergulharem nos conhecimentos bíblicos/científicos/filosóficos verdadeiros, os feitiços, especialmente do marxismo e do darwinismo, perderão forças na consciência e no coração da nossa juventude. Quando o “conhecimento do bem” for mais vigoroso na mente dos membros da igreja, o “conhecimento do mal” será mais facilmente desmascarado e, consequentemente, teremos jovens cristãos mais perseverantes e comprometidos com a verdade.

Em síntese, precisamos humildemente buscar uma reforma em nossas ações ministeriais em prol da juventude cristã. Como bem proclamou o teólogo James Boice: “Convocamos a Igreja, em meio à nossa cultura agonizante, para se arrepender de seu mundanismo e confessar a verdade da Palavra de Deus como fizeram os reformadores, e para ver essa verdade em sua doutrina, sua adoração e sua vida.”[10] Acredito que o apelo de Boice, para uma reforma urgente deve começar pelos que ministram como sacerdotes, guias espirituais, líderes religiosos ou pastores. Uma vez que o campo de guerra é a mente humana, essa reforma exige, especialmente de nós pastores, preparação intelectual/cognitiva capaz de confrontar a “ciência do mal” para alimentar e proteger as ovelhas que o Senhor colocou em nossas mãos – a igreja.

Pensando nisso é que Ellen White, por exemplo, escreveu aos ministros: “Nossos pastores terão de prestar contas a Deus por enferrujarem os talentos que Ele lhes entregou para melhorar pelo exercício. Podiam ter feito, inteligentemente, trabalho dez vezes maior, se se tivessem preocupado em tornar-se gigantes intelectuais. Toda a experiência deles em sua elevada vocação é diminuída porque se contentam em permanecer onde estão. Seus esforços para adquirir conhecimentos não embaraçarão no mínimo seu crescimento espiritual se estudarem com motivos corretos e objetivos apropriados.”[11]

Eu, como pastor adventista do sétimo dia, farei a minha parte, e você? Por fim, lembre-se sempre de que esse Deus que foi expulso por Karl Marx do Céu, retirado do inconsciente por Freud, banido da ciência por Darwin, assassinado por Nietzsche, transformado em um delírio por Richard Dawkins, secularizado e relativizado por cristãos pós-modernos em breve virá gloriosamente nas nuvens do céu, para espanto, terror e decepção dos incrédulos (Ap 1:7; At 17:31).

Gilberto Theiss é graduado em Filosofia e Teologia, pós-graduado (especialização) em Ensino de Filosofia, Ciência da Religião, História e Antropologia e mestrando em Interpretação Bíblica; atualmente atua como pastor adventista no Estado do Ceará.

 

  1. Disponível em https://www.gospelprime.com.br/maioria-cristaos-nao-conhece-biblia-pesquisa/ Acesso em 30/1/2019.
  2. PEARCEY, Nancy. Verdade Absoluta, p. 78.
  3. BLOOM, Allan. O Declínio da Cultura Ocidental, p. 80.
  4. WHITE, Ellen G. Serviço Cristão, p. 47.
  5. Idem. Mensagens Escolhidas, v. 3, p. 308.
  6. Idem. Special Testimonies on Education, p. 52-57.
  7. Idem. Signs of the Times, 13/2/1884.
  8. Idem. O Grande Conflito, p. 522.
  9. Idem. O Grande Conflito, p. 509.
  10. BOICE, James (cf. Capitulo “Lutar pela verdade numa era de antiverdade”).
  11. WHITE, Ellen G. Testemunhos para Ministros, p. 194.