Descansa um pioneiro da comunicação adventista

Anísio-Chagas-001Conheci o pastor Anísio Chagas quando eu ainda estudava jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis. Na época, ele era líder do Departamento de Comunicação e da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (Adra) para Santa Catarina. De vez em quando eu ia até a Associação Catarinense para comprar algum livro e para conseguir alguns folhetos missionários que sempre gostei de distribuir. Quando o pastor Anísio me via por lá, ele sempre me chamava à sua sala para conversar e orar comigo. Comunicador nato, escritor e apresentador de TV, ele vibrava quando o assunto era jornalismo e comunicação. Lembro-me bem dos bons conselhos que ele me dava, com sorriso no rosto e voz de locutor.

Quando estava prestes a me formar, ele passou a se preocupar com minha colocação profissional. Certo dia, de novo na sala dele, ele me perguntou: “Michelson, você já tem emprego?” Eu disse que não e então ele pegou uma pastinha repleta de cartões de visitas e passou a fazer ligações e me indicar para assessorias, jornais e até para um possível cargo no governo do estado! Ele sempre se preocupava com as pessoas.

Homem humilde, criado na roça em Santa Maria do Salto, MG, Anísio foi analfabeto até os 12 anos de idade. Sua conversão e despertamento para a importância da cultura e das letras se deram graças à leitura de livros e revistas da Casa Publicadora Brasileira (CPB) distribuídos em sua região por colportores adventistas. Dali em diante, Anísio se tornou leitor voraz, hábito que manteve até poucos dias antes de falecer (além de literatura religiosa, lia todos os dias o Diário Catarinense e outros jornais, por exemplo). Dedicado à obra de Deus e às relações públicas, ele mantinha contato com pessoas importantes do meio jornalístico e político, e sempre usou sua influência para ajudar quem precisava, como quando prestou grande auxílio às vítimas da enchente de 1983, no Vale do Itajaí.

Em janeiro de 1999, o então governador de Santa Catarina, Esperidião Amin, convidou o pastor Anísio para fazer uma oração em seu escritório. Na ocasião, o pastor apresentou um breve estudo da Bíblia sobre administração e a atitude adequada dos governantes. Os dois se tornaram grandes amigos.

Anísio foi pastor da Igreja Central de Recife e de Brasília, entre outras. Foi professor de religião no Instituto Adventista Cruzeiro do Sul (IACS) e trabalhou nas áreas de publicações, comunicação, família e assistência social em sedes administrativas de Pernambuco, Rio de Janeiro e Santa Catarina. Depois de aposentado, dedicou-se intensamente ao ministério voltado para os idosos e chegou a fazer parte da Associação Nacional de Gerontologia.

Em 1998, fui chamado para trabalhar como editor na Casa Publicadora Brasileira. Eu havia enviado meu currículo e ocasionalmente escrevia artigos e enviava ao então chefe de Redação, pastor Rubens Lessa. Depois de algum tempo já trabalhando na CPB, fiquei sabendo por meio do então diretor geral, pastor Wilson Sarli, que o pastor Anísio havia ligado para ele e me recomendado. Sempre preocupado com o bem-estar das pessoas!

Anísio Chagas descansou em Cristo nesta manhã. No dia 17 deste mês completaria 91 anos. Em breve ele se levantará da sepultura para presenciar a maior de todas as notícias, sobre a qual ele tantas vezes falou, escreveu e pregou: a volta de Jesus.

Michelson Borges

“O pastor Anísio Chagas foi um homem de visão e ação. A Associação Catarinense se sente honrada por ter o nome dele na galeria de pastores que ministraram neste campo por onde a mensagem adventista entrou no Brasil. Ele sempre foi acessível, inteligente, dinâmico, bem humorado, motivador. Seu amor às pessoas simples e seus relacionamentos com autoridades de todas os níveis abriu portas para o crescimento da igreja, especialmente na área de comunicação. Santa Catarina foi privilegiada por receber diversos anos de seu ministério, nos quais suas pregações alimentaram as igrejas, seus artigos foram impressos em jornais, sua voz ecoou pelas rádios e sua pessoa se apresentou em TVs importantes em todo o estado. Pioneiros deixam marcas profundas. Temos certeza de que sua influência continuará sendo sentida e seu legado permanecerá evangelizando até Jesus voltar.” Pastor Apolo Abrascio, presidente da Associação Catarinense

“Descansou um homem de Deus, fiel conselheiro, amoroso pai e colega dos pastores mais novos como eu (novo quando o conheci…). Fui discipulado por ele de diversos modos. Sua visão de cidadania, de comunicação dentro e fora da igreja, de saúde e respeito pelo próprio corpo, de ministério junto aos idosos, de ajuda aos necessitados, de respeito à igreja, sua integridade, fizeram dele quem foi. Convivi com o pastor Anísio bem de perto por pelo menos seis anos, em Santa Catarina, viajando com ele inúmeras vezes, e nunca o vi pronunciar, nem por uma vez, palavras de crítica a líderes ou à organização da igreja. Foi um homem completamente dedicado a ajudar os outros, dando a eles o que ele mesmo recebia de Cima. Se Deus quiser, vamos encontrar muito logo esse mineiro que descansou sendo mais que catarinense – um cidadão do Céu. Pastor Marcos Bomfim, diretor de Mordomia da Associação Geral da IASD

Anúncios