Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias dos EUA

unplannedCom receita de 6,1 milhões de dólares no seu primeiro fim de semana, o filme “Unplanned” (“Não Planejado”) conquistou o notável sucesso de ficar em quinto lugar entre as maiores bilheterias dos Estados Unidos na sua primeira semana de exibição nos cinemas do país, apesar da forte campanha de boicote realizada por grupos abortistas contra esta produção pró-vida. O filme é baseado na história real de Abby Johnson, que foi uma das mais jovens diretoras do gigantesco conglomerado de clínicas abortistas Planned Parenthood. Depois de ter participado de mais de 22 mil abortos, ela mudou radicalmente de postura, uniu-se à iniciativa “40 Dias pela Vida” e se tornou uma das maiores referências pró-vida em território americano.

Abby Johnson tinha chegado a ser uma das mais aguerridas porta-vozes da Planned Parenthood nos Estados Unidos, lutando para promulgar leis em prol da “causa” em que acreditava profundamente: ajudar mulheres a abortar. Até que um dia ela parou para enxergar de verdade a brutal crueza de um aborto.

Primeiro veio o livro e depois o filme, ambos com incontáveis barreiras pelo caminho. No caso do filme, o site Catholic Vote listou alguns dos obstáculos que “Unplanned” enfrentou só na primeira semana de exibição nos cinemas dos EUA:

  • Quase todos os principais grupos de mídia do país ignoraram solenemente o lançamento da produção.
  • Alguns, como o canal Hallmark, até se recusaram a veicular anúncios pagos de divulgação do filme.
  • A conta oficial do filme no Twitter chegou a ser suspensa, sem qualquer motivo, durante várias horas, em pleno fim de semana da estreia (29 a 31 de março).
  • Por fim, a chamada “censura indicativa” feita por Hollywood atribuiu ao filme a letra “R” de “restrito”, ou seja, “não apropriado para menores de 17 anos sem a companhia de um adulto”.

Esta censura hollywoodiana foi definida em uma palavra pelo ex-governador republicano do Arkansas e ex-candidato às eleições primárias para a presidência dos Estados Unidos, Mike Huckabee: “ironia”. Ele questiona: “Quer dizer então que uma menina de 13 anos pode por lei fazer aborto sem que sequer os pais dela estejam sabendo, mas não pode ver um filme que mostra a realidade do aborto se não estiver acompanhada por um adulto até completar 17 anos?”

Achamos que a palavra “ironia” é bastante suave para definir a hipocrisia em questão.

(Aleteia)

Leia mais sobre aborto aqui.