Trabalho aos domingos está fazendo mal às famílias

oitTrabalhar aos domingos está a fazendo mal às famílias. Essa foi uma das ideias debatidas durante a homenagem à Organização Internacional do Trabalho (OIT), [na semana passada], em Fafe, no âmbito do “Terra Justa – Encontro Internacional de Causas e Valores da Humanidade”. Um tema lançado por Domingos Barbosa, dirigente da Confederação de Comércio de Portugal, que acusou o governo de ser conivente com os patrões das grandes superfícies comerciais. “A política ainda tem muito a fazer para melhorar a qualidade do posto de trabalho. As grandes superfícies não abdicam de abrir ao domingo e isso prejudica a qualidade de vida familiar. Foi uma luta que perdemos”, disse ele. “Os governos vergam-se ao poder das grandes cadeias de distribuição e estamos falando de família, de seres humanos, e o domingo faz falta ao bem-estar”, acrescentou Domingos Barbosa.

Essa ideia foi secundada por Arménio Carlos, líder da CGTP. “Trabalhar no domingo é anormal e não faz sentido nos tempos que correm. Patrões e trabalhadores deviam encetar um processo para acabar com o trabalho aos domingos”, propôs, diante de um painel com patrões e sindicatos. O líder da CGTP alertou, ainda, para o fato de em 2019 “o mundo produzir mais, haver mais riqueza, e haver ainda na Europa e em alguns casos em Portugal, trabalho escravo. É um problema da sociedade”. […]

Carlos Silva, secretário-geral da UGT, apontou para a necessidade de “as pessoas precisarem ter salários justos e condições dignas. Encontrar um denominador comum entre empresas, trabalhadores e o país para um desenvolvimento harmonioso”.

Helena André, em representação da OIT, quis destacar o novo trabalho nas plataformas digitais e os “efeitos negativos nos salários, contratos precários e na falta de proteção social porque “é difícil identificar quem é o empregador, não se sabe com quem negociar”.

(JN Portugal)

Nota: A proteção à família (bem como ao meio ambiente) tem sido uma bandeira defendida por entidades civis e pelo Vaticano, e se trata de um dos argumentos em defesa do descanso dominical garantido por lei. Quem não concorda que a família precisa de proteção e que as pessoas precisam ter garantido seu direito ao descanso? E já que quase todo mundo já “meio que” “descansa” no domingo, uma lei dominical seria aceita sem grandes discussões. Outra notícia que poderá ter relação com essa é a formação de um novo bloco de extrema-direita no Parlamento da União Europeia (confira). Com uma guinada europeia à direita, leis conservadoras serão mais facilmente aprovadas. Vamos aguardar para ver (não se vai acontecer, mas quando vai). [MB]

Anúncios