Legalismo e antinomismo: dois males com a mesma origem

sugelA mitologia grega nos fala de dois grandes monstros marinhos chamados Cila e Caríbdis, que se encontravam em margens opostas de um canal estreito. Quando os marinheiros tratavam de evitar Cila, era bem provável que se aproximassem demais de Caríbdis e vice-versa. Nenhum dos destinos era melhor que o outro, então era necessário ter muito cuidado para evitar o perigo que havia de ambos os lados. O mesmo acontece na vida cristã com o legalismo e o antinomismo, com a diferença de que não se trata de dois monstros mitológicos, mas de dois inimigos reais que devemos manter distantes se quisermos guardar a pureza do evangelho para a salvação dos perdidos e a edificação da Igreja.

De uma forma mais simples, podemos dizer que o legalismo consiste em tentar ganhar o favor de Deus através de nossa obediência a um conjunto de leis e normas. O legalismo coloca Deus na condição de um devedor que tem de nos abençoar se fizermos o que devemos fazer. Enquanto o evangelho nos move à obediência pelo fato de já termos sido aceitos por Deus sobre a base da obra redentora de Cristo, o legalismo diz que devemos obedecer para que sejamos aceitos. Tudo depende de nós: de nossa obediência, de nosso esforço pessoal, de nosso compromisso e de nossos méritos.

Quando partimos dessa premissa, cedo ou tarde começaremos a acrescentar algumas regras que não estão na Bíblia, porque queremos ter certeza de que estamos fazendo exatamente o que devemos fazer, e de que estamos apertamos os botões corretos. Quase certamente o que vai acontecer é que vamos voltar mais atenção ao aspecto externo do mandamento do que ao coração da Lei. Esse é um aspecto essencial do legalismo. O legalista está mais preocupado com a forma do que com aquilo que está no fundo, porque, no final das contas, é muito mais fácil conformar-se a uma regra externa do que tratar o coração. Essa é uma das razões pelas quais o legalista costuma acrescentar regras à lei de Deus: não para amplificá-la, mas para torná-la manuseável, porque é muito mais fácil apegar-se a um conjunto de regras externas do que obedecer à intenção da Lei.

Obviamente, tudo isso produz orgulho. Por isso o legalismo parece tão atraente, embora seja tão opressivo. O legalismo produz soberba e desprezo; os legalistas se orgulham de seu padrão e desprezam todos os que vivem segundo um padrão diferente. Transformam suas regras em uma lei universal, que querem impor a todo mundo, em qualquer situação ou circunstância. Suas regras, na prática, transformam-se na tábua de avaliação que determina a condição espiritual dos demais.

O antinomismo é o monstro que se encontra na outra margem do estreito canal da vida cristã. Esse é um vocábulo composto de anti, que significa “contra”, e nomos, que significa “lei”. O antinomismo assume que podemos relacionar-nos com Deus sem obedecer à sua Palavra, e desprezando sua Lei moral. Certamente, muitos antinomistas não veem a si mesmos desse modo, porque, com frequência, é muito mais uma atitude do que uma crença formal. É o pensamento: “Deus me aceita tal como sou, porque seu amor é incondicional.” […]

Apesar das diferentes manifestações externas, tanto o legalismo quanti o antinomismo surgem da mesma raiz, ou, como disse o teólogo Sinclair Ferguson, ambos são gêmeos não idênticos nascidos do mesmo ventre. Se não entendermos isso, de maneira instintiva trataremos de nos esquivar de um desses males, movendo-nos em direção ao outro.

(Sugel Michelén, Da Parte de Deus e na Presença de Deus: Um guia para a pregação expositiva)

Nota: Temos que nos manter longe dessas duas margens extremas, e como rios não têm uma terceira margem, precisamos ficar no meio, navegando seguros sob a proteção e orientação de Deus e de Sua Palavra. [MB]