Empurraram o padre!

padre-marcelo-rossi-1162235Empurraram o padre. E não teve graça. A cena foi inesperada. Mãos espalmadas no rosto traduziam o espanto da multidão. Gritos, preces. Tudo muito rápido. Instantes depois, ele assegurou estar bem e não prestaria queixa. Foi vítima da desorientação mental de uma agressora perdoada. Além dos meus sinceros sentimentos pelo constrangimento que ele passou, confesso que um alerta disparou minha consciência. Por eu não ser católico, importou menos? Por não ir a missas, deveria ser empático? Olha só, de batina ou terno, o respeito à religiosidade está acima da obrigação do Estado Laico – é GRANDEZA HUMANA. E a figura serena projetada em nossa mente de quem recebeu uma vocação espiritual, ultrapassa fachadas e liturgias. Demanda consideração, deferência e cortesia.

Vivemos tempos cuja fragmentação ideológica, apimentada por partidarismos de extremos, deslustra a sacralidade do que importa. Explico: se me escandalizei na adolescência vendo um bispo evangélico chutando uma [imagem], não reduzirei meu incômodo ao presenciar qualquer tipo de ataque à fé do meu próximo. Inclusive, com credos bem diferentes dos meus. Se foi um padre arremessado do palco, ou se fosse o meu pastor preferido, o que caiu lá de cima é parte de todos nós – adoradores e devotos ao que cremos. ⠀

Militemos pelo que a Bíblia agrega, e não desintegra: suportando uns aos outros (Cl 3:13) com intenso amor por todos (1Pd 4:8) sem se comportar indecentemente (1Co 13:5). Respeito é atitude antes do conceito. É colocar-se no lugar de quem procura seu lugar. Isso jamais me faz displicente, ou omisso, com o que acredito na Revelação dos princípios bíblicos. Apenas eu me disponho a fazer a alguém o que gostaria que fizessem a mim (Mt 7:12).

⠀Enfim, aceitar não é concordar. Nem tolerar um ecumenismo doutrinário. Mas a liberdade religiosa ultrapassa o mero arquipélago de indiferença alcançando a solidariedade humana na prática. Pois importar-se vai além de só aturar – é fruto do Espírito.

Que minha fé seja palpável ao ponto de, no aconchego do meu abraço, o próximo querer ouvir o “Assim diz o Senhor”. Só então minhas palavras ecoarão a Palavra.

E você? Pode melhorar?

(Odailson Fonseca; Instagram)