Querem acabar com o homem masculino

007A atriz Lashana Lynch, 31 anos, é a nova 007. No próximo filme do agente, “Bond 25”, Daniel Craig continua sendo James Bond. No entanto, o agente estará aposentado na Jamaica e seu codinome será repassado para a colega Nomi. A novidade foi descrita em um relatório exclusivo publicado pelo jornal Daily Mail. “Existe uma cena no começo do filme em que M (Ralph Fiennes) diz: ‘Pode entrar, 007.’ E então Lashana aparece. Sendo bem claro: Bond continua sendo Bond, mas foi substituído como 007 por essa agente.” A atriz britânica interpretou Maria Rambeau em “Capitã Marvel” e, como nos outros filmes, vai ser alvo da sedução de Bond. No entanto, ela não dará bola para o agente aposentado. A ideia é abandonar as bond girls e apostar em figuras femininas mais fortes. “Bond deixou o serviço ativo e está desfrutando de uma vida tranquila na Jamaica. Sua paz dura pouco, pois seu velho amigo Felix Leiter, da CIA, aparece pedindo ajuda. A missão de resgatar um cientista raptado acaba sendo muito mais traiçoeira do que o esperado, levando Bond para o rastro de um misterioso vilão armado com uma perigosa nova tecnologia.”, diz a descrição.

Cary Fukunaga vai dirigir o longa-metragem de ação. A estreia está prevista para abril de 2020.

Era questão de tempo. Todos sabíamos que essa conquista estava no alvo da patrulha politicamente correta. Ter um 007 que não fosse o ícone do cavalheiro mulherengo é um sonho feminista. Meter uma mulher negra ainda por cima é lacre duplo, para feministas e racistas vibrarem como se não houvesse amanhã.

O deputado Paulo Eduardo Martins desabafou: “Mataram o 007. Substituído por uma mulher negra ou por uma loira, não importa. O que importa é que o mundo está insuportável e nem o 007 resistiu.” De fato, o grau de chatice dessa turma mimizenta chegou ao extremo.

Na marcha das “minorias oprimidas” não há mais lugar para tradição, pois toda ela é tida como fruto de uma era de abusos patriarcais por parte do homem branco ocidental, o grande algoz da humanidade, segundo essa narrativa tosca.

Esses “machistas obscurantistas” criaram “só” a civilização mais avançada e livre do mundo, mas vai ver a África ou o Oriente Médio é que tem mais a nos ensinar. Cuspir no legado ocidental é o hobby predileto dessa gente, de forma um tanto ingrata. Onde mais as minorias tiveram tantas conquistas?

Por fim, só discordo do caro deputado na afirmação de que uma loira seria indiferente. O patamar de loucura dessa coisa de “interseccionalidade” é tão bizarro que a escolha de uma loira poderia satisfazer as feministas, mas geraria muita revolta no movimento racial, que certamente acusaria o estereótipo como prova de racismo. Em Esquerda Caviar, termino o capítulo sobre minorias prevendo algo assim:

Encerro este capítulo com uma reflexão politicamente incorreta, claro. Imagine uma pessoa que representasse tantas minorias, mas tantas minorias na marcha dos “oprimidos” pelo homem branco, heterossexual, malvado do Ocidente, que não houvesse privilégios suficientes a lhe conceder. Como ela seria?

Cafuza (mistura de índio com negro), nordestina, lésbica (mas serve transexual também), muçulmana, analfabeta, viciada em drogas, ex-presidiária, anã, aleijada, pobre, gorda, feia (também, né?) e sem-teto. Esqueçam cotas raciais, reforma agrária, Bolsa Família ou qualquer outro tipo de benesse estatal. Essa figura seria, por decreto, considerada merecedora de poderes absolutos. Teria de ser alçada imediatamente ao cargo de rainha absoluta da nação! Poderia, naturalmente, dar cem chibatadas por dia em qualquer homem branco heterossexual malvado de sua escolha. E, se quisesse, poderia até ser chamada de “presidenta”.

Não basta ser mulher. Tem de ser mulher e negra. E de preferência lésbica ou transexual. Cada vez será preciso atender a mais critérios de minoria, caso contrário algum grupo vai chiar e apontar o “preconceito”. Quando se abriu a porteira, todos os loucos correram juntos.

(Rodrigo Constantino, Gazeta do Povo)

Nota 1: Ao mesmo tempo em que mulheres não são valorizadas por ser mulheres, mas por ocupar funções e posições antes ocupadas pelo homem, homens em funções fortes, como um chefe de polícia, por exemplo, são substituídos por homossexuais, como acontece em uma série de TV americana atual. Parece mesmo que o discurso feminista da “masculinidade tóxica” está surtindo efeito. Estão matando o homem masculino e colocando em seu lugar homens andróginos, fracos e confusos. [MB]

Nota 2: Fique claro que não aprovo também o personagem clássico desses filmes. James Bond é mulherengo e, obviamente, vive muito longe dos valores e princípios que valorizo. Não é um homem de verdade e não deveria ser imitado por nenhuma mulher. Que homens e mulheres sejam valorizados pelo que são e da forma como foram criados.[MB]

Leia também: Camille Paglia: nós sufocamos os homens