Humanidade sem raças?

racasHumanidades Sem Raças? é novo título da “Série 21”, da Publifolha. A obra trata da questão racial por meio de um recorte biológico. Aborda temas como a diversidade humana, a evolução do conceito de raça através dos tempos, entre outros. Apresenta ainda um glossário, com os termos mais relevantes da área. Não existem “raças” humanas. Elas são produto da nossa imaginação cultural, um conceito empregado não só para estudar populações, mas também para criar esquemas classificatórios que parecem justificar a dominação de alguns grupos por outros. O autor, Sérgio Pena, é professor titular do Departamento de Bioquímica e Imunologia da UFMG.

Li certa vez que pode haver maior diferença genética entre um branco e um branco do que entre um branco e um negro, jogando por terra o conceito artificial de “raça”. Por isso mesmo, faz muito tempo que não escrevo “raça” para me referir a grupos humanos. Uso “etnia” ou coisa equivalente.

Detalhe: Darwin era racista e isso ele deixou bem claro em seu livro menos lido e menos pesquisado em História da Ciência: The Descent of Man. Nele, Darwin “predisse” a eliminação das “raças inferiores” (povos primitivos) pelas “raças superiores” (os europeus, é claro).

A ciência moderna não reconhece mais o recorte racial que Darwin e muitos cientistas do seu tempo e até recentemente aceitaram. O cientista brasileiro e evolucionista Sérgio D. J. Pena mostra a inconsistência dessas ideias racistas em seu livro. [MB]