O esquisito dia que virou noite

dia-escuroDezenove de agosto de 2019. Nesse dia, cidades do estado de São Paulo vivenciaram um dia, no mínimo, esquisito. Perto das 14 horas, parecia estarmos vivendo momentos finais de um pôr do sol e início de mais uma noite, sendo que o relógio entrava em um choque evidente com a cena percebida. Sem dúvida, muitos olharam com um certo espanto e admiração a coloração do céu, com sua tonalidade alaranjada, dirigindo-se para o preto da noite. Ele estava recheado de nuvens densas e carregadas, embaladas por ventos que só complementavam a estranheza do momento – parecendo avisar que algo estava prestes a acontecer.

E não é que um dia com características semelhantes, só que ainda mais esquisito, aconteceu em 19 de maio de 1780? Esse momento ficou conhecido como “O Dia Escuro” ou “Day Dark” (saiba mais aqui). O “Dia Escuro” entrou para a história por sua total estranheza e aparente falta de explicação. O dia virou noite, e a noite se tornou a mais escura de todas. Animais noturnos tiveram que antecipar seus hábitos e velas foram acesas em pleno meio-dia. O fenômeno pôde ser visto nos céus da Nova Inglaterra, parte do Canadá e Estados Unidos. Teria chegado o dia do juízo?

Estudiosos da Bíblia associam esse evento ao conteúdo apresentado no livro do Apocalipse. A abertura do 6º selo, em Apocalipse 6:12-17, apresenta sinais no céu e na Terra que anunciam o tempo do fim. Tais eventos, descritos no texto referenciado, apresentam o que deve acontecer nos momentos finais da história do nosso mundo como conhecemos, e tem seu cumprimento temporal antes do retorno de Jesus – como predito por milhares de textos na Bíblia.

A Bíblia é clara ao dizer que Jesus voltará para buscar os que professaram fé nEle e viveram de acordo com a luz (conhecimento) que receberam. Sobre esse assunto a Bíblia nos ensina que foi Ele mesmo que prometeu voltar, e essa promessa pode ser lida em João 14:1-3: “Não se turbe o vosso coração; credes em Deus, crede também em Mim. Na casa de Meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, Eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. E, quando Eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para Mim mesmo, para que, onde Eu estou, estejais vós também.”

Ao longo das eras, muitos marcaram e marcam o dia exato para o retorno de Jesus, no entanto, a Bíblia nos alerta para que não o façamos, já que esse não é um assunto revelado ao ser humano, como está escrito em Marcos 13:32: “Mas a respeito daquele dia ou da hora ninguém sabe; nem os anjos no céu, nem o Filho, senão o Pai.” Embora não saibamos o dia da volta de Jesus, a Bíblia relata acontecimentos na natureza, na sociedade, etc., que apontam para o fim deste mundo e, consequentemente, para a volta de Jesus.

Veja o que está escrito em Mateus 24:29: “Logo em seguida à tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, a lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do firmamento, e os poderes dos céus serão abalados.” O escurecimento do Sol e da Lua, como também a queda das estrelas (hoje sabemos terem sido meteoritos) foram citados por Jesus como tendo seu cumprimento no tempo do fim, antes do Seu retorno a este mundo. Além do “Dia Escuro”, que já mencionei, ocorrido em 1780, a chuva de meteoritos anunciada por Jesus teve seu cumprimento na noite que se seguiu ao dia 12 de novembro de 1833. Acredita-se que mais de 200 mil meteoros por hora, durante cerca de cinco a seis horas, riscaram, de forma surpreendente, o céu escuro.

Mateus 24:4-14 está repleto de outros sinais que antecedem o retorno de Jesus, tais como: surgimento de falsos profetas, guerras, fome, terremotos, entre outros. De todos os sinais apresentados no texto citado, apenas um falta se cumprir, e é o que está relatado no verso 14: “E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim.” Não há dúvidas de que o que foi predito está se cumprindo fielmente, e nos aproximamos a passos largos para o fim deste mundo. Tão certo como você e eu podemos respirar, será o cumprimento da promessa de Jesus, quando Ele diz que voltará para nos buscar.

Que o esquisito dia vivenciado no céu de muitas cidades do estado de São Paulo não seja tratado de forma dispensacionalista, nem seja passado despercebido, como apenas mais um dia. Mas que aproveitemos a estranheza que pairou no olhar dos que observavam impressionados a alteração do cenário no céu denso de São Paulo, e nos voltemos ao estudo das Sagradas Escrituras, a fim de conhecer os tempos e a época em que vivemos, para que não sejamos apanhados despreparados no “grande e terrível dia do Senhor”, como anunciado em Joel 2:30, 31: “Mostrarei prodígios no céu e na terra: sangue, fogo e colunas de fumaça. O sol se converterá em trevas, e a lua, em sangue, antes que venha o grande e terrível Dia do Senhor.”

Nenhum dia será tão “esquisito” quanto o dia em que veremos Jesus nas nuvens do céu voltando para nos buscar (Mateus 24:30; Apocalipse 1:7). Para alguns, conforme Mateus 25:41, esse dia será negativamente esquisito, pois eles não estarão preparados para se encontrar com Jesus. Já para os que permanecerem fiéis, esse dia será esquisitamente extraordinário, e trará profunda alegria aos que esperaram e se preparam para esse grande encontro.

Deseja conhecer mais sobre esse grandioso dia da volta de Jesus? É seu desejo se preparar para encontrar seu Criador e Salvador Jesus Cristo? Então, comprometa-se em estudar a Bíblia e você conhecerá a verdade. Lembre-se do que está escrito em João 8:32: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.”

(Péricles Barbosa é pastor e líder de Jovens e Comunicação da Igreja Adventista no Sudoeste Paulista)

Leia também: “Por que o céu escureceu em São Paulo?” e “A fumaça não apagou o sol de São Paulo”