Os 500 anos da primeira globonavegação

circunavegação.jpg

No dia 6 de setembro de 1522, dezoito marinheiros magros, exaustos e cabeludos, da expedição espanhola liderada inicialmente pelo português Fernão de Magalhães, chegaram com a nau Victoria quase destruída ao porto espanhol de Sanlúcar de Barrameda. Era o que havia sobrado das cinco embarcações e dos 243 navegadores que haviam deixado o mesmo porto três anos antes, com o objetivo de estabelecer uma rota comercial até as ilhas Molucas (hoje Filipinas), mas que acabaram por circunavegar o globo terrestre. Magalhães não completou o périplo mundial, pois acabou morto em 27 de abril de 1521, durante uma batalha.

No ano passado, visitei Portugal e lá conheci alguns pontos turísticos históricos, como o local de onde as embarcações portuguesas saíram para singrar os mares e a igreja onde estão os restos mortais de outro navegador famoso: Vasco da Gama. Esses exploradores corajosos merecem realmente todo o respeito, afinal, graças a eles a visão da humanidade a respeito do mundo foi grandemente ampliada. E foi graças a eles, também, que cálculos feitos pelos antigos matemáticos gregos puderam ser comprovados na prática, mostrando sem sombra de dúvida que a Terra de fato é um globo.

amyrEm matéria publicada na Folha de S. Paulo, o famoso navegador brasileiro Amyr Klink disse: “Naquela época a Terra era redonda. E eles comprovaram isso. Eu lamento desapontar os crentes dessa teoria [da Terra plana], mas eu fui lá e vi. Adoraria sentar na beira da Terra, balançar as perninhas e dar tchau para o Universo. Mas não dá, a Terra é redonda.” Klink acumula os feitos de ter em 1984 atravessado em cem dias o Atlântico em um barco a remo, circunavegado a Antártida com um veleiro em 1998, feito que repetiu com tripulação em 2003, entre outras aventuras. Tudo registrado em fotos e textos em seus livros.

Infelizmente, os chamados terraplanistas desrespeitam o navegador brasileiro e dizem que tudo o que ele escreveu não passa de mentira, assim como dizem que o astronauta e agora ministro da Ciência e Tecnologia do Brasil Marcos Pontes também mente quando afirma que foi ao espaço e viu a curvatura da Terra. Sem levantar os glúteos da cadeira, desprezam o testemunho de pessoas idôneas que navegaram e voaram muito além do que sequer poderiam imaginar ou estariam dispostos a fazer.

Em 2017, conversei pelo WhatsApp com a esposa de Klink, Marina, e ela me disse achar um absurdo a atitude desses negacionistas do óbvio. “A Terra será plana enquanto ele [ela se referia a um terraplanista] continuar abrindo o mapa-múndi na mesa da cozinha.” Sim, de fato, aqueles que não apenas conhecem o mapa planificado, mas viajam pelo mundo real (como navegadores, pilotos de avião e astronautas), sabem o que há muito tempo já é conhecido, mas que estranhamente vem sendo negado no século 21: que a Terra é um globo, não uma pizza com uma borda de gelo em volta do disco.

carlos magnoPara citar apenas mais três exemplos históricos, basta saber que A Divina Comédia, livro escrito em 1320, apresenta a Terra globo (confira); o mais antigo globo terrestre data de 1492 (confira); e ver as pinturas do primeiro imperador do Sacro Império Romano Carlos Magno, que lá pelos anos 800 segurava um globo terrestre com uma cruz em cima, indicando poder e posse, e concluiremos que a ideia da Terra plana foi disseminada posteriormente no Ocidente com objetivos espúrios (assista a este vídeo para saber que objetivos foram esses).

No último domingo, o programa dominical de TV “Fantástico” exibiu uma reportagem alusiva aos 500 anos da primeira viagem de circunavegação, e tratou também da teoria conspiratória da Terra plana (veja aqui a matéria original do “Fantástico” e aqui um pequeno texto que escrevi sobre essa matéria, com vários materiais de referência sobre o assunto). Graças a Deus, desta vez os repórteres não relacionaram essa ideia mirabolante com o criacionismo nem com a Bíblia. Sim, porque, infelizmente, os chamados terraplanistas (que, por sinal, estão organizando um encontro no Brasil para o mês que vem) frequentemente se identificam como defensores das Escrituras Sagradas, do criacionismo e até do design inteligente, como um rapaz que tem um canal no YouTube aparentemente criado para defender a TDI, mas que ultimamente mais se ocupa de tentar mostrar que o homem não pisou na Lua e que a Terra seria um disco plano! O que esse pessoal mais consegue, na verdade, é atrair o escárnio e denegrir o cristianismo/criacionismo diante do público em geral. Por isso a Sociedade Criacionista Brasileira teve que emitir em 2017 uma nota de esclarecimento em que deixa claro não ser de forma alguma terraplanista.

Depois dessa reportagem no “Fantástico”, pipocaram no YouTube vídeos de terraplanistas indignados, o que já era previsível. Comentando um desses vídeos, meu amigo doutor em Física e especialista em satélites, que colabora em projeto da Nasa e agora trabalha para o Instituto de Tecnologia de Israel (Technion), Josué Cardoso, disse que frequentemente os terraplanistas “se apegam a detalhes irrelevantes (como a definição de ‘redondo’, por exemplo), desviando o foco das pessoas para coisas que nada significam em relação ao assunto. Nada de provas e argumentos técnicos. É muito triste ver assuntos importantes e verdadeiros sendo ‘queimados’ por essa gente”.

Josué analisa que, no início de seu vídeo, certa youtuber reclama de analfabetismo funcional na reportagem do “Fantástico”, sendo que ela mesma demonstra isso na “resposta” que não é resposta. “Outra coisa triste é quando ela apela para o argumento de autoridade: fulano é geofísico, o rapaz do outro canal é físico, ela é formada nisso e naquilo. Eles praticam os erros grosseiros que acusam os outros de cometer. Além disso, atacar Galileu e Newton é atacar os pais criacionistas da ciência. Assim eles ‘queimam’ duas vezes não somente o legado de cientistas cristãos, mas também da verdadeira mensagem que o bom cristianismo, que está em harmonia com a boa ciência, pode oferecer ao mundo. A mensagem de fé racional e esperança proferida por Cristo se torna associada ao obscurantismo e misticismo. Assim eles nos ‘queimam’ duas vezes! Que serviço para o inimigo de Deus estão fazendo!”

Na avaliação do matemático, esses negacionistas do globo “estão com aquela atitude de suspeitar/duvidar de tudo que os circunda. Quando uma pessoa perde o fio da meada, perde muitas vezes a capacidade de separar as coisas, pois a mente está fervendo. Fica fanática e vacina a si própria contra qualquer argumento contrário. Fecha-se para a possibilidade de estar errada em um assunto, só por ter descoberto verdades em outro. A mente fica polarizada e cega, tornando-se ‘do contra’ em tudo, até contra a verdade. Quando verdades são proferidas pela boca de ‘ímpios’, isso faz com que essas pessoas as rejeitem. Satanás joga com psicologia inversa, e sempre há muita gente que morde a isca”.

Exemplo disso foi o comentário de uma pessoa em minha página no Facebook: “Se veio da Globo é tudo mentira.” Aí eu perguntei: “Se a Globo disser que Deus existe Ele não existe?” Até o diabo fala verdades de vez em quando. Infelizmente, esta é a lógica de muita gente hoje em dia: se o diabo me falou para beber água, eu vou beber veneno; se o diabo falou para eu ser fiel à minha esposa, eu vou traí-la; se o diabo falou, só pode ser errado. No contexto social e político que estamos vivendo no Brasil, com polarização em tudo, a mente dos terraplanistas foi preparada e condicionada para receber esse engano.

Se eles guardassem o engano para si mesmos, seria menos pior. O grande problema é que se identificam como defensores da Bíblia e do criacionismo. Como exemplo disso, vou comentar um vídeo postado no canal Spotniks, em que três terraplanistas visitam o planetário do Parque do Ibirapuera, em São Paulo, e são recebidos lá pelo físico que dirige o planetário. As falas que se seguem são um festival de ignorância científica (assista ao vídeo aqui). Além de, como sempre, negarem a gravidade, desprezarem os conhecimentos em espectrometria que permitem analisar a composição de estrelas, ignorarem ferramentas matemáticas, eles disseram bobagens como estas: “O suposto lançamento de foguetes” (impossível para eles, pois esses artefatos não seriam capazes de cruzar o tal domo sólido), “A datação por carbono 14, todas essas coisas, já caíram por terra”; apontando o dedo para o físico, o rapaz com uma camiseta com a estampa de uma Terra pizza disparou: “Você acredita piamente que o homem evoluiu do macaco? Se o homem vem evoluindo, evoluindo do macaco, por que que hoje em dia ainda existe macaco?” “Você acha que é muito mais fácil explodir alguma coisa e gerar vida?” E um dos terraplanistas conclui o vídeo afirmando: “Nós facilmente chegamos à conclusão de que a Terra é plana, estacionária e não gira.”

Não vou nem dizer que senti vergonha alheia, porque esse pessoal definitivamente não representa o criacionismo, não sabe utilizar a verdadeira ciência e usa a Bíblia de uma forma totalmente distorcida. Quero é concluir repetindo o desafio que apresentei em outro vídeo: meu amigo astrofísico Eduardo Lütz escreveu um texto de mais de cem páginas sobre terraplanismo. Vou deixar de novo aqui o link e esperar que algum terraplanista se disponha a ler o conteúdo e escrever ou gravar uma refutação. Por enquanto, nada…

Enquanto aguarda a reação dos “planilsons” ao desafio do Lütz, sugiro que assista aos dois vídeos abaixo.

Michelson Borges