Animais estão recebendo a marca da besta?

chip2O chip possui um número único que, quando analisado por um leitor, fornece dados como nome e endereço do proprietário, raça e idade do animal, entre outros

A Federação Brasileira de Animais Domésticos e de Cativeiro está convidando os donos de animais domésticos para providenciar a identificação de seus bichinhos por meio de um chip que deverá ser aplicado nas costas deles. O procedimento é simples e feito com uma seringa. Assim, o animal ficará cadastrado em um banco de dados, o que facilitará a identificação dele, inclusive em viagens ou quando estiver perdido ou for roubado. A Federação explica que o chip é como um CPF eletrônico, não possui opção de rastreamento nem precisa ser carregado na eletricidade. O componente eletrônico é encapsulado em biovidro, mesmo material utilizado na fabricação de marcapassos, e que não causa rejeição.

No município de Lençois Paulista, por exemplo, o projeto já está em andamento. Pelo programa desenvolvido lá, todos os cães e gatos recolhidos nos abrigos municipais, além dos animais que passarem pelo programa de castração, receberão um chip de identificação com os dados do animal e do proprietário. Se esse bichinho for encontrado na rua depois de chipado, a prefeitura terá condições de identificar o proprietário e aplicar as medidas legais que estão previstas na Lei de Maus Tratos e Abandono.

Essa tecnologia será utilizada em seres humanos? Já existem propostas nesse sentido e, talvez, essa aplicação do chip em animais seja uma espécie de “ensaio” para um próximo passo. Pessoas chipadas serão mais facilmente identificadas (se bem que, em tempos de internet, Google e celular, dificilmente alguém consegue se esconder neste mundo interconectado). Quando e se esse momento da chipagem humana chegar, será preciso tomar uma decisão: aceitar a tecnologia que ajudará a eliminar todos os tipos de documentos arcaicos e facilitar a identificação pessoal e o controle, ou não aceitar. Que cada um esteja bem informado a respeito do assunto e em conexão com Deus para saber exatamente o que fazer.

Mas quero chamar atenção para outro detalhe ligado a esse assunto: muitos evangélicos e até católicos consideram o chip a marca da besta de Apocalipse 13 (assim como já consideraram também o código de barras, por exemplo). Isso revela falta de conhecimento bíblico e uso de textos fora de seu contexto. Se o chip fosse a marca da besta, esses animaizinhos – coitados – já estariam recebendo a tal marca. Agora pense em pessoas ímpias, egoístas, adúlteras, idólatras e que se recusem a receber o biochip. Sem o chip esses impenitentes estariam salvos? E pessoas sinceras, convertidas, mas que não estejam convencidas de que o chip seja (como não é) a marca da besta? Só por recebê-lo já estariam perdidas? Além disso, o Apocalipse diz que a marca da besta será aplicada na fronte ou na mão direita. Não vi em lugar nenhum a informação de que o chip será aplicado na testa, até porque ali ficaria aparente.

Convido você a assistir ao vídeo abaixo a fim de conhecer melhor esse assunto. [MB]