Daniel: de Jerusalém a Babilônia

BabylonTentações e dificuldades fazem parte da vida de todos os que escolhem ser fiéis aos princípios bíblicos. O capítulo 1 de Daniel mostra como Deus honrou a firme resolução de quatro jovens de se manterem fiéis a toda prova.

Em que sentido Deus é o personagem central do livro de Daniel, e não os quatro jovens?

Leia 2 Reis 21:14, 15. Por que Deus entregou a nação de Israel ao domínio de Babilônia, e com que propósitos? Pensando nisso, até que ponto a história do mundo é determinada pelas paixões e pelos poderes humanos? Em sua opinião, como Deus “conduz” a História sem impedir o livre-arbítrio de cada ator?

Conforme Daniel 1:4, os cativos hebreus pertenciam a uma classe privilegiada de jovens nobres e já instruídos academicamente. Por que o rei de Babilônia tinha interesse neles? De que forma Daniel e seus amigos tiveram mais “vantagens” do que José no Egito? E quais foram as desvantagens? (Entre outras desvantagens, é bem possível que Daniel e seus amigos tenham se tornado eunucos contra a vontade deles.)

Veja o segredo de Daniel em 1:8 e compare com Filipenses 2:15. Como podemos permanecer incontaminados dos elementos corruptores da nossa sociedade sem nos isolarmos dela? Por que não devemos nos isolar? (R.: Para podermos ser “estrelas”, ou pontos de luz, no mundo!)

De todos os jovens cativos, apenas quatro decidiram não comer da comida oferecida no refeitório da faculdade babilônica. De que forma Daniel e seus amigos poderiam ter racionalizado essa situação? Por que a maioria prefere transgredir os princípios bíblicos? Qual seria o fim dessa história se Daniel e seus amigos também tivessem transgredido? (Pense no fim da história de cada indivíduo que cede princípios bíblicos para estar de bem com a maioria.)

Leia Daniel 1:9. Como a decisão de Daniel abriu o caminho para que Deus pudesse agir? Dê exemplos de como isso ainda pode acontecer nos dias de hoje.

O processo de educação babilônica tinha o objetivo de doutrinar os jovens com ideologias tais que pudessem mudar sua própria cosmovisão (a maneira de entender o mundo). De que forma nossa sociedade está fazendo o mesmo? O que fez com que Daniel e seus amigos mantivessem firme sua cosmovisão bíblica?

Leia Gálatas 2:19, 20; Mateus 16:24; 2 Coríntios 4:17. Como podemos permanecer fiéis em meio às tentações e provações que enfrentamos?

Leia Daniel 1:18-21. Durante os três anos de estudos na “Universidade de Babilônia”, além de matemática, administração e línguas, os jovens cativos certamente aprenderam também astrologia, misticismo, mitologia e religião pagã. Assim como eles, como é possível você estudar matérias com as quais não concorda sem se corromper e ainda tirar nota máxima com louvor? Como esses ensinos podem ser usados para engrandecer o nome de Deus mais tarde?

Como as dificuldades enfrentadas hoje na faculdade e na sociedade podem servir como “provas de caráter”? Como o princípio de Daniel 1:8 pode ajudar os jovens que assim desejarem? Em sua opinião, o que falta para que isso aconteça?

(Natal Gardino é doutor em Ministério pela Andrews University e pastor distrital em Londrina, PR)