Daniel 6: da cova dos leões à cova do anjo

daniel 6Os invejosos presidentes e governadores do império não puderam encontrar nenhuma acusação contra Daniel “a respeito do reino” (Dn 6:4), ou seja, em relação aos seus serviços como alto oficial. Mas como sabiam que ele jamais cederia em nenhum ponto de sua religião, transformaram um desses pontos (a oração) em um crime de morte. Sabiam que sua fidelidade era tão grande que dessa forma ele certamente seria destruído.

Perguntas para discussão em grupo

Quebra-gelo: De que forma um cristão que ingresse na vida política pode ser um “Daniel” contra o qual não se encontre nenhuma acusação?

Leia Daniel 6:6-9. Hoje em dia esse tipo de decreto seria impraticável. Mas que tipos de situações modernas têm proposto “substitutos” para Deus e nos impedido de orar? (R.: Grande tempo dedicado às redes sociais, “maratonas” de filmes e séries, teorias evolucionistas, tradições, vãs filosofias [Cl 2:8], etc.). Como podemos permanecer fiéis?

Compare Daniel 6:10 com Mateus 6:6. Por que Daniel simplesmente não orou com as janelas fechadas? Assim não teria tido problemas! (R.: Essa era uma situação crítica em que o nome de Deus estava sendo afrontado. E se Daniel morresse como um mártir por ter sido fiel, isso também teria impressionado o coração do rei Dario, e talvez até lhe conquistado para o Deus verdadeiro, para Quem vale a pena ser fiel mesmo diante da morte.)

 Daniel cometeu um suposto “crime” ao desobedecer a uma lei civil. Veja estes versos sobre como Deus espera que os cristãos sejam bons cidadãos: Romanos 13:1-4; 1 Timóteo 2:1-3; 1 Pedro 2:17. No entanto, até que ponto devemos ser obedientes às autoridades e leis governamentais? (Veja Atos 5:27-29.) Por quê?

Se alguma lei civil tornasse sua religião “fora-da-lei”, e você fosse levado às autoridades civis por causa de sua fidelidade, o que você diria? Por que você permaneceria fiel? (Veja Mateus 10:18-20; Marcos 13:11.)

Depois que o rei Dario viu que foi ludibriado, e contra sua vontade teve que obedecer ao seu próprio decreto, veja o que ele disse a Daniel em 6:16. O que essas palavras revelam? (R.: Certamente a fidelidade e a influência positiva de Daniel já estavam impressionando o rei a respeito do Deus verdadeiro.)

 Leia Daniel 6:24. Por que esse texto é tão perturbador? Que verdades importantes temos que lembrar ao ler essas palavras? (R.: A Bíblia não aprova tudo o que ela relata; há situações que são apenas descritivas, mas não prescritivas; esse texto, por exemplo, apenas relata fielmente qual foi a decisão do rei, não a de Deus. Conforme Deuteronômio 24:16, na justiça de Deus jamais um parente deve ser punido pelo pecado de alguém. Deus não pode cometer injustiça.)

No capítulo 11 de Hebreus, chamado de “galeria da fé”, há uma menção ao livramento de Daniel (verso 33). Mas também encontramos referências a outros heróis que acabaram morrendo por sua fé (versos 36-38). Em sua opinião, por que Deus chama alguns para testemunhar por meio de sua vida, e outros por meio de sua morte?

Responda esta questão apenas para si mesmo, em um momento de reflexão: imagine uma situação em que você é levado ao tribunal sob a acusação de “ser um cristão”. Haveria provas suficientes para lhe condenar? O que o peso das testemunhas e do “advogado promotor (acusador)” diriam contra você?

Pense bem nisto: as pessoas que lhe conhecem bem acreditam que você defenderia sua fé, mesmo que isso lhe custasse o emprego ou até mesmo a vida? Por quê?

Com a ajuda do Senhor, como você pode desenvolver mais as mesmas características de Daniel?

(Natal Gardino é doutor em Ministério pela Andrews University e pastor distrital em Londrina, PR)