“Domingo do Clima”: igrejas tomam a dianteira e ECOmenismo avança rapidamente

clima“Sunday Climate” é o nome da iniciativa de que as Igrejas da Grã-Bretanha e da Irlanda foram convidadas a participar por um ano, dando origem ao “Domingo do Clima”. O início está previsto para 6 de setembro de 2020, o primeiro domingo do período litúrgico conhecido como “Tempo da Criação”, e como parte da iniciativa cada igreja terá que cuidar de três aspectos. O projeto foi lançado pela Environmental Issues Network (EIN), que atua sob a tutela da Churches Together e oferece um serviço que visa explorar os fundamentos teológicos e científicos do cuidado com a criação e a ação climática; a oração e o engajamento ativo.

Toda igreja que participar, na condição de comunidade eclesial local, deverá se adaptar a longo prazo para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa. Por fim, unindo-se a outras igrejas e à sociedade na área à qual pertence, deverá tomar medidas para ajudar a combater os efeitos das mudanças climáticas antes da próxima Conferência das Nações Unidas sobre o Clima (COP26). Portanto, uma contribuição concreta, que ajudaria a comunidade internacional a fazer uma mudança de estratégias sobre essa questão.

“Temos que reconhecer os danos que estamos fazendo ao meio ambiente e nossa incapacidade de cuidar dos nossos irmãos e irmãs na nossa casa comum.” Assim explicou Dom John Arnold, bispo de Salford e responsável pelo setor do Meio Ambiente na Conferência Episcopal da Inglaterra e País de Gales. Em um mundo pós-pandêmico, o projeto “Domingo do Clima” é uma excelente oportunidade para as paróquias católicas na Inglaterra e Gales – destacou –, assim como para nossos irmãos e irmãs de outras igrejas cristãs, para compreendermos a responsabilidade de cuidar do nosso planeta e de rezar e agir em resposta à emergência climática.

A campanha terá seu ápice no domingo, 5 de setembro de 2021, quando, durante um evento nacional, a igreja compartilhará seus compromissos e rezará para que, após as negociações que serão realizadas em Glasgow no decorrer da COP26 – novembro de 2021 – os líderes do mundo inteiro mostrem maior determinação e coragem para enfrentar a questão da mudança climática.

(Vatican News)

Nota 1: Sob o guarda-chuva do Vaticano e do movimento ecumênico, o ECOmenismo avança ainda mais rapidamente, acelerado pela pandemia. Note como a proposta é que as igrejas se unam, deem o exemplo e, assim, ajudem os líderes mundiais a terem “maior determinação e coragem para enfrentar a questão da mudança climática”. Em sua encíclica Laudato Si, o papa Francisco defende o descanso dominical como uma das estratégias para “salvar a Terra”. No recente Sínodo da Amazônia, essa foi a tônica. Com a quarentena, ficou claro que o papa tem razão em defender um dia de baixo carbono e de estreitamento das relações em família e com o meio ambiente. Essa proposta ganhou muita força, e agora “vem com tudo” com o nome de “Domingo do Clima”. De “Sunday Climate” para “Sunday Law” falta pouco… [MB]

Nota 2: Desde 2008 (confira aqui) venho chamando atenção para esse tema do ECOmenismo (expressão cunhada pelo pastor Sérgio Santeli). De lá para cá, o assunto foi ganhando força em todo o mundo e chamando atenção até de pensadores e escritores não adventistas, como Pascal Bernardin e Roger Scruton, entre outros. Com o papa Francisco, Greta Thunberg e agora com a pandemia, o cenário para a futura aprovação de uma lei dominical com argumentos difíceis de ser refutados se mostra mais do que nunca claro e favorável. Em algum momento os Estados Unidos comprarão essa causa e assinarão a lei dominical, em reconhecimento da autoridade papal, como prevê Apocalipse 13. Aguardemos o desdobramento dos fatos e preguemos o evangelho eterno como nunca antes! [MB]