Perguntas interativas da Lição: Capacitação do Espírito para testemunhar

“Se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dEle” (Rm 8:9). Essa é uma afirmação muito séria! Mais do que isso, “todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus” (v. 14). Sem o Espírito Santo nos tornamos apenas uma imitação barata do que seria o cristianismo. Sem Ele, não teríamos condições de reconhecer nosso pecado nem de nos arrependermos. Sem Ele, jamais seríamos santificados dia a dia na vida cristã, como se espera tanto de nós (1Ts 4:3, 4, 7; Hb 12:14). E sem Ele não teríamos capacitação para pregar o Evangelho com poder (Lc 24:49; At 1:8; 4:31). Esse último aspecto foi o tema especial da lição dessa semana.

Perguntas interativas para discussão em grupo:

Atos 1:8. Por que é necessário receber “poder” do Espírito Santo para ser testemunhas de Jesus?

Atos 17:6 e Colossenses 1:23. Mesmo sem a tecnologia de que dispomos hoje, como os primeiros cristãos conseguiram pregar para “toda criatura que há debaixo do céu” e “alvoroçar o mundo” com sua influência? Quais são os impedimentos para que isso possa ocorrer novamente em nossos dias, e como podemos superá-los?

João 15:26-27; 16:7. Por que primeiro Jesus tinha que “subir” para só então enviar o Espírito Santo para Sua igreja?

João 16:8. Por que o Espírito Santo precisa “nos convencer” do pecado? O que significa isso?

Como seria se, como cristãos, não recebêssemos o Espírito Santo ou não fôssemos guiados por Ele? (Veja Romanos 8:9, 14 e discuta sobre a profundidade dessas afirmações.)

Ao darmos estudos bíblicos ou testemunharmos, por que é importante sempre nos lembrarmos de que é o Espírito Santo que converte as pessoas e não nós mesmos?

Leia Atos 2:41; 4:4; 5:14; 6:7; 16:5. Por que há uma relação direta entre o poder do Espírito Santo e o crescimento numérico da igreja? O que os líderes de uma igreja que não cresce devem fazer nesse sentido?

Atos 4:31; 8:4; 17:2. A lição de quarta-feira lembra que “os discípulos proclamaram a Palavra de Deus, não a palavra deles”. Apesar de ser importante falar às pessoas sobre nossa própria experiência com Deus, por que a Bíblia deve ser o fundamento do nosso testemunho?

No livro de Atos encontramos diversas experiências de conversão. Por que nunca devemos supor que alguém tenha ultrapassado a esperança de salvação? Como esse pensamento muda nossa atitude para com todas as pessoas?

Como podemos nos tornar mais abertos e receptivos ao poder do Espírito Santo? Em outras palavras, quais escolhas nossas O habilitarão a atuar em nós e por meio de nós? Por outro lado, que atitudes do estilo de vida atual nos tornam insensíveis à atuação do Espírito Santo?

(Natal Gardino é doutor em Ministério pela Andrews University e pastor distrital em Londrina, PR)