A igreja e a “cultura do estupro”

qsUm dos marcos da minha trajetória profissional foi apresentar o “Sem Tabus” durante sete anos. Tudo sobre sexo. E sabe quantas vezes a direção da igreja ou da Novo Tempo me disse o que falar ou deixar de falar? Zero vezes. Sabe quantas vezes nos meus quinze anos apresentando o “Consultório de Família” me deram a pauta ou sugeriram eu dizer que mulheres são obrigadas a fazer sexo com o marido contra a própria vontade? NUNCA!

Assistam às participações do pastor Alacy Barbosa, líder do Ministério da Família da Igreja Adventista na América do Sul, inclusive uma bem recente, nos meus programas, e suas palestras no YouTube. Procurem uma vírgula de opressão contra a mulher nas falas dele.

Tenho 27 anos de casada, sou mãe, sou profissional, sou livre e muito feliz em todos os meus papéis. Sou uma adventista do sétimo dia, mas jamais estaria numa igreja que incentivasse violência, estupro, machismo ou feminismo.

Só para registrar: as mesmas pessoas que se escandalizam com um texto que sugere que o marido deve dizer sempre que ama a esposa, e que ela faça um jantar romântico, são a mesma patrulha que “cancela” os apóstolos Paulo e Pedro por terem dito “mulheres, sejam submissas”. Pronto! Queimem esse livro!

Amados, a redação do Manual de Noivos da igreja está ruim mesmo. [E a igreja já informou que vai melhorar isso.] Mas já estão pedindo para reescrever a Bíblia!

Tem machista na igreja? Tem. Tem até feminista. Mas daí dizer que a igreja incentiva o estupro?! Pelo amor de Deus!

Quem está escrevendo aqui é uma mulher que não se intimida de falar com chefes, pastores, diretores, presidentes… pessoalmente ou por telefone, por e-mail. Falar o que não concorda; pode e deve! Mas vamos fazer da forma correta.

Há muita gente errada na igreja. Sempre teve. Mesmo entre os discípulos de Jesus tinha Judas. Há muitos Judas hoje também. Mas acusar a igreja de um crime dessa magnitude é um crime contra a honra.

“A Igreja de Cristo, por mais débil e defeituosa que seja, é o único objeto sobre a Terra a quem Ele confere Sua suprema atenção”, escreveu Ellen White, a mulher de maior destaque profético na IASD.

(Darleide Alves é apresentadora da TV Novo Tempo; via Instagram)

Nota: Desde 2002 a Igreja Adventista realiza o projeto “Quebrando o Silêncio”, uma iniciativa educativa e de prevenção contra o abuso e a violência doméstica na América do Sul. Neste ano, o tema é a violência doméstica contra a mulher, no contexto do casamento (capa acima). Baixe a revista e dê uma olhada (clique aqui).

Recordação de quando estive no “Sem Tabus”, seis anos atrás: