Aborto e apodrecimento moral

A polêmica do momento gira em torno da aprovação da nova lei de bioética da França. O jornal Gazeta do Povo (versão online de 11/8/20) diz que a nova lei de bioética trata, dentre outros pontos, de permitir “o aborto até nove meses, mediante diagnóstico de equipe médica que ateste ‘sofrimento psicossocial da gestante’”; “a possibilidade de reprodução assistida para mulheres solteiras ou casais de lésbicas” (deixei a expressão “casais de lésbicas” por respeito à citação, mas é claro, científico e bíblico que casais são formados por homem e mulher).

A moralidade atual na França é um fruto direto de um movimento acontecido no final do século 18. A Revolução Francesa (1789) se colocou em total oposição aos valores cristãos, inclusive queimando Bíblias. Aquele movimento que se arrogava estritamente político mexeu com as estruturas morais francesas, exaltando os valores humanistas e tentando enterrar os valores bíblicos.

Os resultados estão sendo colhidos ao longo da História. Na prática, a nova lei de bioética está autorizando o assassinato de crianças que estão prestes a nascer. “Sofrimento psicossocial da gestante” é uma expressão tão vaga que dará possibilidade de qualquer mulher matar seu filho “com autorização legal”. A reprodução assistida para pares lésbicas é apenas mais uma consequência da decadência moral na França, plantada há mais de 200 anos.

Negar os valores bíblicos é uma atitude exaltada por alguns intelectuais e movimentos sociais, mas a França nos mostra que o resultado dessa atitude é a desvalorização do ser humano e a banalização da vida. Que pena. Que crueldade!

Jesus falou que deveríamos ser o sal da Terra (Mt 5), e uma das funções do sal é evitar ou retardar o apodrecimento. Como cristãos, devemos nos opor ao apodrecimento moral do mundo. Sejamos sal.

Sigamos pregando o Evangelho, sendo sal da Terra (tentando ralentar o apodrecimento moral do planeta) e apressando a volta de Cristo, única solução definitiva para isso tudo.

(Pastor Felipe Amorim é apresentador da TV Novo Tempo)

Leia mais sobre aborto aqui e aqui.