Papa usa a pandemia para apelar a um “descanso para o meio ambiente”

A pandemia Covid-19 mostrou como a Terra pode se recuperar “se permitirmos que ela descanse”, e deve estimular as pessoas a adotarem estilos de vida mais simples para ajudar um planeta “gemendo” sob a constante demanda por crescimento econômico, disse o papa Francisco na terça-feira. […] “De certa forma, a atual pandemia nos levou a redescobrir estilos de vida mais simples e sustentáveis”, disse Francisco em uma mensagem por escrito. “Já podemos ver como a Terra pode se recuperar se permitirmos que ela descanse: o ar fica mais limpo, as águas mais claras e os animais voltaram para muitos lugares de onde antes haviam desaparecido”, escreveu ele. “A pandemia nos trouxe a uma encruzilhada.”

O pontífice exortou as pessoas a aproveitarem a oportunidade para refletir sobre seus hábitos de uso, consumo, transporte e alimentação de energia. Até agora, “a demanda constante por crescimento e um ciclo interminável de produção e consumo estão exaurindo o mundo natural”, disse o papa, acrescentando: “A criação está gemendo.” […]

A desintegração da biodiversidade, os desastres climáticos e o “impacto injusto da atual pandemia sobre os pobres e vulneráveis” equivalem a um “alerta diante de nossa ganância e consumo desenfreados”, escreveu o papa. […]

Citando as crises médicas, sociais e econômicas desencadeadas pela pandemia, Francisco disse que era “hora de justiça restaurativa”. […]

Chamar a atenção para a fragilidade da Terra é uma marca registrada do papado de Francisco. Ele enfatizou de forma pungente as responsabilidades urgentes das pessoas de curar e cuidar do meio ambiente em uma encíclica de 2015.

O pontífice fez seu apelo na terça-feira para marcar o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, uma ocasião anual que foi instituída para os cristãos após a encíclica Laudato Si.

Francisco convidou todas as nações a “adotar metas nacionais mais ambiciosas para reduzir as emissões” que prejudicam o meio ambiente.

(The New York Times)

Nota: Para bons entendedores que acompanham o que tenho escrito e dito desde 2008, meia matéria no The New York Times basta. Se não está entendendo o que estou dizendo, convido-o a assistir aos dois vídeos abaixo. [MB]