Perguntas interativas da Lição: crise de liderança

Por volta do ano 740 a.C., quando a nação de Israel parecia estar sem liderança, Deus mostrou a Isaías Quem realmente estava no comando. Mas era preciso uma entrega individual para que então Deus pudesse dirigir a vida de cada um nos princípios de Seu reino. Os que endurecessem o coração não entenderiam a mensagem do profeta e não receberiam a salvação. Princípios muito parecidos ainda se aplicam aos dias de hoje. Esse foi o tema da Lição da Escola Sabatina desta semana.

Perguntas interativas para discussão em grupo:

Isaías diz (em 6:1) que teve uma visão deslumbrante de Deus no mesmo ano em que morreu o rei Uzias (também chamado de Azarias). Que lições podem ser extraídas ao contrastarmos essa visão com a situação final do rei (2Cr 26:16-21)?

O rei Uzias cometeu o pecado da presunção (arrogância religiosa que leva a pessoa a acreditar que é tão favorecida por Deus a ponto de nem precisar obedecer-Lhe). Por que esse pecado é tão perigoso?

Leia Isaías 6:5 (compare com Êxodo 33:20 e Mateus 5:8). Por que Isaías teve esse sentimento após ter visto a Deus? Que contrastes podemos pontuar entre o rei Uzias e o profeta Isaías?

Leia Isaías 6:6, 7. Qual o significado de o anjo tocar os lábios do profeta com “brasas vivas do altar”? Conforme Mateus 12:34, de que forma “os lábios” podem ser purificados? Por que o Cristo crucificado e ressurreto é a única solução para o nosso problema? (João 15:5)

Veja a resposta de Isaías à pergunta de Deus em 6:8. O que o motivou a responder assim? Em sua opinião, por que Deus fez a pergunta a algum ser angelical em vez de perguntar direto ao profeta? O que tem impedido muitos cristãos de responderem da mesma forma hoje?

Leia Isaías 6:9, 10 (que foi citado por Jesus em Mateus 13:13-15 e por Paulo em Atos 28:25-27). De acordo com 2 Coríntios 4:4, Satanás é quem “cega o entendimento” das pessoas secularizadas para que não compreendam o Evangelho. Contudo, por que devemos continuar pregando mesmo assim?

Ainda conforme Isaías 6:10, a mensagem do profeta acabaria “endurecendo” o coração de muitas pessoas, fazendo com que não aceitassem a reconciliação com Deus. No livro de Êxodo, há dez passagens dizendo que “Deus endureceu o coração de Faraó” (4:21; 7:3; 9:12; 10:1, 20, 27; 11:10; 14:4, 8, 17) e outras dez dizendo que o próprio “Faraó endureceu o coração” (7:13, 14, 22; 8:15, 19, 32; 9:7, 34, 35; 13:15). Que lições podem estar implícitas nesse fato? (R.: Deus atua em nós na mesma medida em que Lhe permitimos, respeitando nosso livre-arbítrio.)

Em várias ocasiões Deus nos adverte a não “endurecermos” o coração (Sl 95:8; Hb 3:8, 15; 4:7). Para que possamos atender a esse conselho de vida ou morte, precisamos reconhecer: Que tipos de atitudes podem causar “endurecimento” ou “amolecimento” do coração? Qual é a única solução, enquanto ainda há tempo, para quem está com o coração “duro”? (ver Ez 11:19, 20)

Conforme Isaías 6:1, o profeta viu a Deus em Seu templo ou santuário. Qual é a importância da doutrina do Santuário Celestial quando pensamos na justiça de Deus e no Juízo Final? (ver, por exemplo, Salmo 73:2, 3, 17; Hebreus 8:1, 2; etc.)

Apesar de não termos tido uma visão sobrenatural como Isaías, como podemos “ver” a Deus em Seu santuário (Hb 4:16; 6:19,20)? Como isso fortalece nossa fé e dá sentido e propósito à vida?

(Natal Gardino é doutor em Ministério pela Andrews University e pastor distrital em Londrina, PR)