Mudanças climáticas: medo, urgência, censura

Medo + urgência + censura = ditadura mundial + marca da besta

MEDO: “Se continuarmos em nosso caminho atual, enfrentaremos o colapso de tudo que nos dá segurança: produção de alimentos, acesso à água doce, temperatura ambiente habitável e cadeias alimentares oceânicas.” David Attenborough, mais influente apresentador de programa de vida selvagem. (Reuters)

URGÊNCIA: “Nós temos nove anos até a crise climática. […] [Os] cientistas nos disseram há três anos que tínhamos 12 anos para evitar as piores consequências da crise climática. Faltam nove anos.” John Kerry, líder para assuntos climáticos do governo de Joe Biden. (Breitbart)

CENSURA: “Depois de desmascarar [sic] a desinformação sobre a Covid-19 e os resultados das eleições presidenciais de 2020, o Facebook agora será o árbitro da verdade sobre as mudanças climáticas. A rede social começará a denunciar e desmascarar os mitos da mudança climática.” (TheBlaze)

Em 2009 eu já havia advertido (e o assunto só ganhou força):

“Satanás também atua por meio dos desastres naturais, a fim de recolher sua colheita de pessoas desprevenidas. Estudou os segredos dos laboratórios da natureza e emprega todo o seu poder para dirigir os elementos tanto quanto Deus o permite. […] Trará calamidade sobre outros e levará as pessoas a crer que é Deus que os aflige” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 589).