Perguntas interativas da Lição: Para todas as gerações

Noé se manteve fiel mesmo quando o mundo todo (literalmente) havia se corrompido. Ele era “justo e íntegro entre os seus contemporâneos” e “andava com Deus” (Gênesis 6:9). A aliança de Deus com este homem traz lições muito preciosas para todos os que O amam. Este foi o tema da lição da Escola Sabatina desta semana.

Perguntas interativas para discussão em grupo:

Leia Gênesis 6:5. Como podemos comparar o pecado a uma bactéria ou a um vírus em uma pandemia? Como é efetuada a cura dessa doença da alma? E, se há cura (em Deus), por que o mundo antediluviano teve que ser destruído? (Gn 6:11, 12)

Veja em Gênesis 6:9 como Noé estava em marcante contraste com as pessoas que o rodeavam. Na prática, o que significam cada uma dessas três caraterísticas de Noé? Como é possível não ser perfeito (como Noé não era) e ainda assim ter essas características em um mundo corrompido pelo pecado?

Em Gênesis 6:8 é dito que Noé “encontrou graça” diante do Senhor. O que significa isso? Por que a graça era necessária para Noé e para cada um dos que serão salvos no final?

Imagine a “graça” através da seguinte ilustração: uma pessoa cai de um grande barco em alto mar e “alguém” lhe lança uma boia com uma corda. Onde entram aqui as obras, a obediência e a fé?

Em Gênesis 6:18 Deus diz a Noé: “Estabelecerei a Minha aliança contigo.” Por outro lado, como você imagina que seria uma aliança do ser humano para Deus? Por que a aliança “de Deus” é perfeita?

Gênesis 7:23 diz que, após a destruição pelo dilúvio, “ficou somente Noé e os que com ele estavam na arca”. Quais foram as condições para que no final dessa história pudesse existir um povo remanescente (ou o “restante”, “o que sobrou”)? Por que a aliança de Deus sempre resulta na ideia de um povo remanescente? (Ap 12:17)

Leia Gênesis 9:13. Após o dilúvio, Deus estabeleceu o arco-íris como um “sinal” de que isso nunca mais aconteceria (é muito provável que somente após o dilúvio passaram a existir as condições climáticas e atmosféricas que permitem que esse fenômeno natural aconteça de forma amplamente visível no céu – cf. Comentário Bíblico Adventista, v. 1, p. 255). O que vem à sua mente quando vê um arco-íris? Por que esse sinal de Deus para a humanidade tem sido usado para representar muitas outras ideias (até contrárias a Deus) no mundo secular?

Em 2 Pedro 2:5 Noé é chamado de “pregador da justiça”. Como assim? Que “justiça” é essa que Noé pregava?

De que forma a missão de Noé é parecida com a dos adventistas do sétimo-dia (cf. Ap 14:6-12)? Se a verdade é sempre tão impopular, por que devemos continuar pregando-a mesmo assim?

(Natal Gardino é doutor em Ministério pela Andrews University e pastor distrital em Londrina, PR)