Perguntas interativas da Lição: a lição da história de Moisés

Logo de início o livro de Deuteronômio (1:3) faz menção de que os 40 anos de peregrinação no deserto haviam se cumprido. Agora o povo de Israel estava prestes a atravessar o rio Jordão, último obstáculo que os separava da tão sonhada terra de Canaã. Nesse contexto, antes que o povo atravessasse o rio e entrasse na terra da promessa, Moisés faz a todos uma recapitulação de sua história sob a direção de Deus. Havia muitos princípios que deveriam manter em mente antes de começar essa nova fase de sua história. Há também preciosas lições a serem extraídas desse mesmo contexto para nós hoje. Esse é o tema da Lição da Escola Sabatina desta semana.

Perguntas interativas para discussão em grupo:

Antes que o povo atravessasse o Jordão para finalmente entrar em Canaã, Moisés fez uma longa recapitulação de como Deus os guiou até ali. Como povo de Deus, que somos, por que é importante nos lembrarmos de como Deus nos tem guiado?

Leia Êxodo 32:31, 32. Com base nesse texto, o que podemos dizer do caráter de Moisés? O que podemos aprender com essa atitude a respeito de amar verdadeiramente as pessoas? Em que sentido Moisés foi um tipo de Cristo?

Por que o pecado só pode ser perdoado (ou carregado) por Jesus Cristo?

Quando os israelitas duvidaram da Palavra de Deus, de que com Seu auxílio poderiam conquistar a terra de Canaã, Deus lhes disse que, por causa disso, teriam de caminhar no deserto por 40 anos (Nm 14:34). Por que o livro de Deuteronômio faz questão de mencionar que os 40 anos haviam se cumprido? (R.: para provar que as profecias de Deus se cumprem perfeitamente.)

Deuteronômio 1:15. Por que o povo de Deus deve ser organizado? Por outro lado, como seria se a igreja não fosse organizada?

Deus estava treinando Moisés para o Céu, fazendo-o passar por provas nas quais ele teria que tomar atitudes nobres. Em um desses “testes”, quando Deus lhe disse que destruiria o povo de Israel, veja o argumento que Moisés usou para tentar “fazer Deus mudar de ideia”: Números 14:15-20. O que esse argumento nos diz sobre a preocupação “evangelística” de Moisés com os povos vizinhos?

O que as pessoas ao nosso redor pensam de Deus por causa de nossas atitudes como Seu povo? Por que devemos nos preocupar com isso? Por que é nossa responsabilidade impressionar nossos amigos e vizinhos com o melhor pensamento a respeito de Deus por meio de nossas atitudes e estilo de vida?

Leia Gênesis 15:13-16. Abraão já habitava na “terra da Promessa”, mas Deus lhe disse que sua descendência só habitaria ali após passarem 400 anos no Egito. É que Deus daria todo esse tempo de graça para os amorreus abandonarem suas práticas perversas. Em sua opinião, por que Deus deu tanto tempo assim para eles, chegando a cobrir várias gerações?

Após os 400 anos de graça concedidos para os amorreus, eles finalmente “atingiram a medida de sua iniquidade” (Gn 15:16) e finalmente teriam que ser expulsos da terra. Se, ao invés de abandonarem a terra, eles decidissem ficar para lutar contra o povo de Deus, teriam que ser totalmente destruídos. Mesmo sendo difícil entender isso, por que podemos continuar confiando que Deus é muito mais justo do que nós e sabe o que faz? (ver Isaías 55:8, 9)

Durante o Milênio todas as perguntas serão respondidas. Como isso nos ajuda a confiar mais em Deus enquanto ainda não temos todas as respostas?

(Natal Gardino é doutor em Ministério pela Andrews University e pastor distrital em Londrina, PR)