Ellen White incentiva o liberalismo?

Progressistas que usam textos de Ellen White fora de seu contexto rejeitam a mesma autora quando ela fala de coisas das quais eles discordam.

White-Ellen

No livro Atos dos Apóstolos, página 177, Ellen White escreveu: “Solene responsabilidade repousa sobre os pastores, qual seja a de expor perante as igrejas as necessidades da causa de Deus e ensiná-las a ser liberais.” Será que nesse texto ela estaria defendendo a teologia liberal, o liberalismo sexual, ou algo do tipo? Claro que não! Basta ler o parágrafo anterior: “A fim de que haja fundos na tesouraria para a manutenção do ministério, e para atender aos pedidos de auxílio para empreendimentos missionários, é necessário que o povo de Deus doe alegre e liberalmente.” Isso se chama contexto. Nesse caso, devemos, sim, ser liberais. Precisamos sempre analisar o contexto imediato de onde uma citação foi extraída, afinal, como sabemos, um texto fora de contexto pode gerar um pretexto para a defesa de ideias que jamais teriam passado pela cabeça do profeta.

Outro texto que recentemente foi mal utilizado por pessoas que aceitam os escritos de Ellen White somente quando lhes convêm foi este: “E por aquele tempo a classe dos superficiais, conservadores, cuja influência tem retardado decididamente o progresso da obra, renunciará à fé e tomará sua posição com os francos inimigos dela, para os quais havia muito tendiam suas simpatias. Esses apóstatas hão de manifestar então a mais cruel inimizade, fazendo tudo quanto estiver ao seu alcance para oprimir e fazer mal a seus antigos irmãos e incitar indignação contra eles. Esse tempo se acha justamente diante de nós” (Testemunhos Seletos, v. 2, p. 164).

À primeira vista, pode parecer que Ellen estaria condenando e chamando de apóstatas pessoas teologicamente conservadoras em relação às doutrinas adventistas, mas esse definitivamente não é o caso. Assim como ocorre com o texto sobre os liberais, o contexto desse texto acima (sobre os conservadores) é totalmente diferente da ideia que progressistas seletivos/subversivos quiseram passar. (Se quiser conhecer o contexto em que a palavra “conservadores” foi usada por Ellen, clique aqui.) Esses progressistas que usam textos de Ellen White fora de seu contexto rejeitam a mesma autora quando ela fala de decreto dominical, destruição de Sodoma e perversões sexuais, por exemplo. Fosse viva, a profetisa condenaria tanto o liberalismo comportamental quanto o conservadorismo do pecado.

Lembre-se: “Seguir a Cristo é um caminho sem retorno; não é reformar Sodoma e Gomorra – é deixá-las para trás!” (Josemar Bessa).