USB elege primeira diretora de Comunicação do Brasil

A jornalista e mestre em Comunicação é a primeira mulher a ocupar esse cargo na IASD brasileira.

Betina

Na quarta-feira, dia 17 de novembro, durante o Concílio Anual da Igreja Adventista no Sul do Brasil, foi escolhida Betina Bordin Pinto como a nova líder de Comunicação para a região. Betina é natural de Carazinho, RS. É jornalista e mestre em Comunicação. No início de sua carreira foi repórter e apresentadora de telejornal no Sistema Brasileiro de Televisão (SBT) em Santa Catarina, e, posteriormente, na Rede Brasil Sul (RBS), afiliada da Globo no Sul do Brasil. Além do telejornalismo, também tem experiências profissionais com jornal impresso e assessoria de imprensa. Ingressou na Rede Novo Tempo de Comunicação em 2009, como apresentadora do programa Sempre Mulher. Nesse mesmo ano, foi responsável pela criação do núcleo de Jornalismo da Rede, tornando-se  diretora do departamento.

Também já atuou como professora universitária e coordenadora do curso de Comunicação Social, na Uniplac, em Lages, SC. Posteriormente, exerceu funções semelhantes no Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp), campus Engenheiro Coelho.

Em 2019 assumiu a gerência de comunicação da União Sul-Brasileira (USB), liderando tecnicamente a equipe da mídia no escritório e dando suporte às equipes do mesmo setor nas sedes administrativas e instituições no Sul do Brasil.

É casada com Guilherme, tem dois filhos, Bruna e João Henrique, e duas netas, Maitê e Nicole, que está a caminho.

A partir de agora, Betina passa a liderar todo o departamento de Comunicação da Igreja Adventista no Sul do Brasil, tanto a parte técnica quanto eclesiástica.

(Notícias Adventistas)

Nota 1: Conheço a Betina há vários anos e sou testemunha da competência técnica e do compromisso dela com a missão e com a IASD. Parabenizo a liderança e os membros da USB pela escolha dela como líder de Comunicação para a região Sul. A USB tem se destacado na defesa da ortodoxia adventista, e levou ao ar recentemente lives com temas muito importantes e que vêm trazendo preocupação por seu potencial de relativização da Bíblia Sagrada, como teologias identitárias, feminismo, homossexualidade e outros. Betina esteve ativamente envolvida na organização de todas essas pautas. Veja aqui a playlist. Deus a abençoe e use nesse novo desafio. [MB]

Nota 2: Em 2011, participei de um programa na TV Novo Tempo coordenado pela Betina, sobre os atentados de 11 de Setembro. Veja aqui e aqui.

Perguntas Interativas da Lição: convertam o seu coração

“Todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus” (Rm 3:23, NVI). Apesar disso, somos “justificados gratuitamente por Sua graça, por meio da redenção que há em Cristo Jesus” (v. 24). Contudo, antes de sermos justificados, passamos pelo arrependimento do pecado. Assim, o arrependimento é um ponto vital na vida do povo de Deus, como podemos ver no livro de Deuteronômio. Esse foi o tema da Lição da Escola Sabatina desta semana.

Perguntas interativas para discussão em grupo:

Em Deuteronômio 5:29, Deus usa a expressão “quem dera!”. Sendo todo-poderoso, por que Ele não pôde realizar Seu próprio desejo? Por que Ele não “forçou” milagrosamente o povo a ser obediente para que Seu desejo se cumprisse? (R.: Por respeitar o livre-arbítrio das pessoas, Deus iria contra Sua própria natureza e contra Seu próprio caráter se forçasse o povo a amá-Lo e a obedecê-Lo. Por isso, nesse caso, Ele usa a expressão humana de ter um desejo que está além do alcance: “Quem dera!”)

Veja quais são alguns desejos de Deus ainda hoje: 1Ts 4:3; 1Tm 2:4. De que modo podemos contribuir para que o desejo de Deus se cumpra em nós, individualmente?

O que o fato de Deus respeitar nosso livre-arbítrio nos revela sobre Ele?

Deus havia previsto que depois de algumas gerações os israelitas iriam se desviar do caminho, e seriam levados cativos pelos inimigos estrangeiros – o que realmente aconteceu. No entanto, leia em Deuteronômio 4:29-31 a promessa que Ele lhes fez muito antes que isso acontecesse. O que isso nos ensina sobre a graça e a misericórdia divinas?

Observe a palavra “voltar” (ou “retornar”) em Deuteronômio 30:2, 10. Em relação ao povo de Israel, de que forma as palavras “voltar” e “arrepender-se” estão associadas? Em que sentido o “arrependimento” é um “voltar” para Deus? (compare com Apocalipse 2:4, 5). Sendo assim, o que significa “arrepender-se” para aqueles que nunca conheceram a Deus?

Em Mateus 27:3-5, Judas reconheceu e afirmou: “pequei, traindo sangue inocente.” Entretanto, por que suas atitudes não são compatíveis com as de um arrependimento genuíno? Quais são as evidências de um verdadeiro arrependimento? (R.: Tristeza pelo pecado; abandono do pecado; restituição do dano, tanto quanto for possível; mudança de mente; mudança de vida; frutos do Espírito.)

As Escrituras nos asseguram que o próprio Deus é quem nos dá o arrependimento tão necessário (Rm 2:4; 2Tm 2:25). O que isso nos diz sobre as providências e a disposição de Deus para nossa salvação?

(Natal Gardino é doutor em Ministério pela Andrews University e pastor distrital em Londrina, PR)

Propaganda norueguesa apresenta Papai Noel gay

Propaganda dos correios da Noruega cria polêmica ao apresentar símbolo do imaginário infantil beijando outro homem.

Captura de Tela 2021-11-26 às 14.15.27

Em dezembro do ano 2000, a revista masculina Playboy trouxe na capa a dançarina Carla Perez seminua tendo por trás de si um idoso vestido de Papai Noel, segurando-lhe as mãos que escondiam os seios. A publicação causou polêmica por ter maculado um dos ícones clássicos da infância. Na época, “o então juiz da Vara da Infância e Juventude do Rio de Janeiro, Siro Darlan, chegou a pedir ao Ministério Público que a revista fosse vendida em uma embalagem escura e lacrada” (G1), e chegaram até cogitar recolher os exemplares das bancas. Neste ano (depois da polêmica com o filho do Superman) foi a vez de um comercial do correio norueguês causar celeuma com a figura do “bom velhinho”, mostrando-o beijando outro homem em um vídeo que está circulando o mundo e foi, inclusive, elogiado por setores da mídia no Brasil. O Secretário Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura, André Porciuncula, afirmou hoje que fará uma notícia-crime contra os veículos que divulgaram a propaganda norueguesa. Em seu Twitter, Frias explicou que a veiculação do anúncio pode ser entendida como desrespeito à fé católica, uma vez que Papai Noel é inspirado na figura de São Nicolau, sendo, portanto, vilipêndio de símbolo religioso.

Leia a seguir duas manifestações a respeito da propaganda:

“Agora o Papai Noel é gay. Pelo menos na propaganda dos correios da Noruega. Existe uma agenda progressista que quer convencer a sociedade pela insistência e repetição. Essa não é uma estratégia nova. Alguns movimentos na história também já repetiram mentiras até que elas parecessem verdade. No caso da propaganda norueguesa, a mentira é a mesma que outras empresas e movimentos sociais contam e tentam convencer a todos (especialmente nossas crianças). A mentira de que as relações homossexuais são naturais.

“Cada pessoa é livre para fazer o que quiser com seu corpo. O que as pessoas fazem em seu círculo particular diz respeito apenas a elas. Mas tentar impor um comportamento (usando força, literatura, arte ou qualquer outro meio cultural) é baixo e desleal. Especialmente usando uma figura que apela ao imaginário infantil.

“Mesmo com toda a insistência, o que é antinatural nunca será natural. Quem disse isso? Um profeta inspirado por Deus:

“Romanos 1:25-27: ‘Trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram a coisas e seres criados, em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém. Por causa disso Deus os entregou a paixões vergonhosas. Até suas mulheres trocaram suas relações sexuais naturais por outras, contrárias à natureza. Da mesma forma, os homens também abandonaram as relações naturais com as mulheres e se inflamaram de paixão uns pelos outros. Começaram a cometer atos indecentes, homens com homens, e receberam em si mesmos o castigo merecido pela sua perversão.’

“Nenhuma quantidade de repetição mudará aquilo que o Criador estabeleceu. Sempre é bom reafirmar que há graça para quem quiser se arrepender e mudar de vida. A mentira precisa de repetição para convencer. A Verdade sempre será verdade e precisa ser vivida e reafirmada. Não tenhamos medo de falar a Verdade! Sigamos firmes!”

(Pastor Felippe Amorim, apresentador do programa Bíblia Fácil, da TV Novo Tempo)

“O Papai Noel não era gay, não era hétero, não era nada – ele era apenas Papai Noel. Por um motivo simples: as gerações antigas estavam pouco ligando para a sexualidade do Papai Noel. Ele era apenas uma fantasia. Ninguém pede o CEP do Coelhinho da Páscoa, ou o CPF da Fada Madrinha. São informações irrelevantes. Agora, ele é gay. Por quê? Simples: agora há um motivo ideológico para sua existência.

“Até dias atrás, o Papai Noel era um velho europeu, usado pelas empresas capitalistas para ganhar dinheiro. Hoje a nova esquerda faz as pazes com o bom velhinho pelo simples fato de mudarem sua sexualidade. Notaram? O que importa é a sua opção sexual.

“Dizem por aí que os antigos se importavam muito com a sexualidade alheia. Mentira. Pode até ser que eles falassem da vida do outros, tudo bem, não eram santos. Ainda assim, nada em comparação ao que temos hoje. A prova? Ninguém queria saber da sexualidade do Papai Noel.

“Acusam os conservadores de tentar retornar no tempo, para quando as pessoas não tinham liberdade de escolher sua opção sexual. Longe disso, antes a liberdade era maior, tão maior que o Papai Noel poderia ser o que quisesse e ninguém perguntava. Agora o Papai Noel é obrigado a ser gay. O médico precisa apoiar a causa LGBTQIZXZ+, senão é uma pessoa horrível. O escritor necessita criar um romance que ajude alguma causa social, se isso não ocorrer, os aplausos não virão. O diretor de cinema deve encontrar alguma relevância social, apenas assim sua obra será arte. É o novo maniqueísmo: tudo que não é hétero é bom – tudo que é hétero é ruim. Na busca por sobreviver no nosso mundo, cada um se apega ao que dá. Agora, o Papai Noel é gay.

“Não se espantem se nos próximos anos encontrarmos o Coelhinho da Páscoa vivendo em uma relação de poliamor com o Lobisomem, o Saci e a Caipora. E ainda usando narguilé – e o pior: ouvindo K-Pop. Deus, salvai-nos deste mundo!”

(Patrike Wauker, professor e mestre em Estudos Literários na Faculdade Adventista da Bahia)

A Carta de Willie Lynch

O diabo é especialista em dividir para conquistar.

willie-lynch

Willie Lynch foi um proprietário de escravos no Caribe (Caraíbas) conhecido por manter seus escravos disciplinados e submissos. Acredita-se que o termo “linchar” (to lynch, lynching, em inglês) derive do nome dele. Enquanto a maioria dos europeus confrontava problemas como fugas e revoltas de escravos, Willie Lynch mantinha controle e ordem absoluta sobre seus serventes negros.

Esse poder despertou o interesse dos fazendeiros da América do Norte. Em meados de 1712, Lynch fez a longa viagem do Caribe para a América do Norte. Após sua chegada ao estado da Virgínia, e após constatar os problemas que seus colegas enfrentavam com os escravos sequestrados da África, Lynch decide escrever uma carta na qual revelaria seu segredo para manter os escravos na linha:

“Verifiquei que entre os escravos existe uma série de diferenças. Eu tiro partido dessas diferenças, aumentando-as. Eu uso o medo, a desconfiança e a inveja para mantê-los debaixo do meu controle. Eu vos asseguro que a desconfiança é mais forte que a confiança; e a inveja mais forte que a concórdia, respeito ou admiração.

“Deveis usar os escravos mais velhos contra os escravos mais jovens, e os mais jovens contra os mais velhos. Deveis usar os escravos mais escuros contra os mais claros, e os mais claros contra os mais escuros. Deveis usar as fêmeas contra os machos e os machos contra as fêmeas. Deveis usar vossos capatazes para semear a desunião entre os negros, mas é necessário que eles confiem e dependam apenas de nós.

“Meus senhores, essas ferramentas são a vossa chave para o domínio; usem-nas. Nunca percam uma oportunidade. Se fizerdes intensamente uso delas por um ano, o escravo permanecerá completamente dominado. O escravo depois de doutrinado dessa maneira permanecerá nessa mentalidade, passando-a de geração em geração.”

(Portal Geledés)

Nota: É exatamente essa uma das mais poderosas estratégias diabólicas usadas ao longo dos séculos pelo pai da discórdia e da escravidão: Satanás. Ele divide para conquistar, e usa as mais diversas ideologias para conseguir isso. Coloca mulheres contra homens; negros contra brancos; homossexuais contra heterossexuais; pobres contra ricos… Não caiamos nessa armadilha! Somos todos filhos do mesmo Pai. Sejamos promotores da concórdia e não da discórdia (o que não significa aquiescer a práticas pecaminosas). Que Jesus e Sua Palavra sejam sempre a “cola” que nos une. [MB]

Lição dos Adolescentes: o poder da ressurreição

Lição do Jardim: a viagem de Paulo

A feminista que se tornou pregadora da mensagem do advento

Pankhurst denunciou professos cristãos liberais incapazes de aceitar o que, desde os primeiros dias da Igreja Cristã, foi ensinado por Jesus quanto à Sua divindade, Sua morte expiatória, Sua ressurreição e Seu retorno.

chris

Ah, as histórias que não são contadas por inteiro… Minha descoberta do dia é que Christabel Pankhurst, importante pioneira sufragista e feminista, posteriormente se tornou uma cristã e pregadora fundamentalista. Ela havia ajudado a fundar a União Social e Política das Mulheres (WSPU), a principal organização sufragista na Inglaterra, e sua mãe, Emmeline Pankhurst, também era uma ativista famosa e líder da WSPU.

Elas utilizavam táticas agressivas de desobediência civil e vandalismo para chamar atenção ao tema do voto feminino: interrompiam eventos, cultos religiosos, jogaram ácido em campos de golfe, atiraram pedras contra prédios do governo, etc. Como era formada em direito, Christabel usava suas habilidades para se defender de acusações e se livrar de prisões.

O curioso é que, mesmo antes de sua conversão ao evagelicalismo, ela já combatia a ideia de que a promiscuidade sexual (o “amor livre”) seria bom para as mulheres, e defendia o caminho da virtuosidade e da pureza sexual.

Essa biografia denuncia a historiografia feminista que omite trechos importantes da história de Pankhurst, criando um personagem irreal. Especialmente o detalhe de que ela se tornou uma cristã fascinada por escatologia (a mensagem do advento, mas não se uniu à IASD, como sugerem erroneamente algumas biografias). Um jornal da época declarou: “Seria quase impossível citar uma conversão mais estranha em nossa época do que a de Christabel Pankhurst.”

Outro detalhe: quem deu espaço e apoio a ela foram as igrejas conservadoras e fundamentalistas, e não as liberais. Teologicamente, ela “repreendia os pastores modernistas ou teologicamente liberais por não se manterem firmes nas visões cristãs tradicionais da pessoa e obra de Cristo”. Em livro, Pankhurst denunciou professos cristãos liberais “incapazes de aceitar o que, desde os primeiros dias da Igreja Cristã, foi ensinado por Jesus quanto à Sua divindade, Sua morte expiatória, Sua ressurreição e Seu retorno”.

Ela admirava Reinhold Neibuhr, e torcia para que ele um dia se tornasse mais conservador em sua teologia. Pankhurst se tornou evangelista, professora e palestrante, atuando no Moody Bible Institute, na Biola University, no Westmont College, Winona Lake Bible Conference e em várias outras instituições conservadoras. Ela foi uma das principais palestrantes do evento fundamentalista da World’s Christian Fundamentals Association, em 1931.

As histórias completas são sempre mais interessantes e complexas do que nós imaginamos. 

(Isaac Malheiros é doutor em Teologia e aluno de PhD em Religious Education pela Andrews University)

Perguntas Interativas da Lição: lei e graça

Muita gente crê e ensina que o povo do Antigo Testamento tinha que viver “pela obediência à Lei”, e apenas os do Novo Testamento pela graça. No entanto, vemos no livro de Deuteronômio que a graça divina sempre foi a base para o relacionamento com Deus. Seria muita injustiça esperar do ser humano obediência sem a intervenção da graça divina, pois isso seria impossível!

Perguntas interativas para discussão em grupo:

O que aprendemos em Deuteronômio 9:1-6 sobre a graça de Deus no Antigo Testamento? Com base em 2 Timóteo 1:9, como podemos comparar essa realidade com a nossa no Novo Testamento? Como o conhecimento dessa verdade nos motiva a ser ainda mais obedientes?

Leia Gálatas 2:21. De que forma a cruz de Cristo nos revela o absurdo de alguém tentar “merecer” a entrada no Céu por meio de obras “meritórias”? (ver também Efésios 2:8, 9)

Leia Romanos 3:20, 28. Por que ninguém será justificado por obedecer à Lei?

Leia Romanos 7:7 e 1 João 3:4. Quais são os propósitos da lei moral de Deus? Sem a Lei, o que definiria o que é “moral”?

Leia 1 Timóteo 1:9, 10 com atenção. Sendo que a Lei Moral serve para definir o que é pecado, e que não somos salvos por ela, por que continuamos obedecendo? (R.: Por que ela é verdade [Sl 119:142]; é perfeita [Sl 19:7], é eterna [Sl 119:44], é santa, justa e boa [Rm 7:12; 1Tm 1:8]; é o padrão de vida dos cidadãos do Céu [Hb 8:10].)

Como podemos entender o fato de que, milênios antes de Deus proclamar os Dez Mandamentos no Sinai, Lúcifer já havia cometido “iniquidade” e “pecado” no Céu? (R.: Todos os seres morais que Deus criou são regidos por leis morais.)

Em sua opinião, por que Deus estabelece leis morais para os seres inteligentes que Ele cria? Por outro lado, como seria se não existissem leis morais? Por que a transgressão dessas leis é pecado?

Deuteronômio 10:12, 13. Em que sentido os mandamentos e estatutos de Deus são “para o nosso bem”?

Como podemos evitar a armadilha de nos tornarmos legalistas ao obedecermos a Lei? Qual é a diferença entre o legalismo e a obediência estrita e inabalável?

Como a Lei reflete a realidade do amor de Deus por nós?

(Natal Gardino é doutor em Ministério pela Andrews University e pastor distrital em Londrina, PR)

O que fazer em JERUSALÉM: as melhores 28 atrações

O 15 de Novembro e a liberdade religiosa