Uma igreja para desigrejados e desapontados

Alguns abandonam as instituições em busca de “liberdade”, outros mudam de igreja atrás de relevância. Como alcançar essas pessoas?

desigrejado2

Dados do Censo do IBGE mostram que existem grupos que se dividem quando o assunto é a “não religião”. Há os sem-religião ateus (3,98%); os sem-religião agnósticos (0,87%); e os que apenas não têm uma religião (95,15%), mas nem por isso são adeptos do ateísmo ou do agnosticismo. No Censo de 2010, os sem-religião eram 8% da população brasileira, ou mais de 15 milhões de pessoas. Conforme constatou a reportagem da BBC “Jovens ‘sem religião’ superam católicos e evangélicos em SP e Rio , esse percentual vem crescendo década após década: os sem religião eram 0,5% da população brasileira em 1960, 1,6% em 1980, 4,8% em 1991, e 7,3% em 2000. “As primeiras pesquisas Datafolha de 2022 mostram que, em nível nacional, 49% dos entrevistados se dizem católicos, 26% evangélicos e 14% sem religião – já acima dos 8% sem religião identificados no último Censo. Entre os jovens de 16 a 24, o percentual dos sem religião chega a 25% em âmbito nacional. […] Em São Paulo, os jovens de 16 a 24 anos que se dizem sem religião chegam a 30% dos entrevistados, superando evangélicos (27%), católicos (24%) e outras religiões (19%). No Rio, os sem religião nessa faixa etária chegam a 34%, também acima de evangélicos (32%), católicos (17%) e demais religiões (17%)”, informa a matéria.

Um dos testemunhais da reportagem é o de uma jovem de 21 anos, que escreveu numa rede social: “Eu não tenho religião, sempre fui totalmente pura a isso. Eu acredito em tudo, primeiramente em Jesus, o único Deus todo-poderoso. Também acredito em entidades, que me ajudaram muito e sempre que puderem vão me ajudar… Acredito em energias, no universo…” Ela mora na Zona Norte do Rio e tem parte da família evangélica, a mãe que frequenta a umbanda, e um irmão de 24 anos que, como ela, não segue uma religião, mas acredita em Deus. A pergunta que se ergue com uma fala dessas é: Que Jesus ela segue? O da Bíblia ou o idealizado por ela, já que o da Bíblia nada tem que ver com “entidades” e “energias”?

Regina Novaes, pesquisadora do Instituto Superior de Estudos da Religião, constata: “Havia uma ideia de que, com o passar do tempo e o avanço da secularização [processo através do qual a religião perde influência sobre as variadas esferas da vida], haveria um aumento das pessoas que se desvinculariam da fé, do sobrenatural. Mas isso não está acontecendo. O que está acontecendo são outros modos de ter fé.” O pluralismo religioso e o sincretismo, por exemplo.

A Revista Adventista deste mês traz uma entrevista com o pastor e doutor em Missão Mundial Jolivê Chaves exatamente sobre o assunto “desigrejados”. Segundo ele, que pesquisou o tema em seu PhD pela Andrews University, “cada vez mais a experiência religiosa leva muitos a transitar por diversas denominações, desde as tradicionais até as contemporâneas. O compromisso religioso e as normas bíblicas são deixados de lado em troca de benefícios. Com isso, há um crescimento do crer sem pertencer”.

O Dr. Jolivê descreve o tipo de religiosidade que favorece o crescimento do fenômeno dos sem-igreja: existencialista, relativista, sentimentalista, subjetiva, embasada em gostos pessoais e não mais nos preceitos bíblicos.      

Na matéria da BBC, é dito que os jovens ocupam seu tempo engajados em atividades de lazer e entretenimento – o funk, o hip hop, blocos e escolas de carnaval, e por aí vai – que muitas vezes entram em conflito com orientações comportamentais e morais das igrejas cristãs mais conservadoras. Eu acrescentaria produções da indústria cultural pop, como filmes e séries cujos conteúdos estão em franca oposição aos princípios bíblicos, criando uma ruptura espiritual e um enfraquecimento moral na vida daqueles que consomem essas coisas, de tal forma que, com o tempo, perdem o discernimento e acabam chamando ao bem de mal e ao mal de bem (Isaías 5:20). Para Silvia Fernandes, da UFRRJ, isso ajuda a explicar também por que os “sem religião” estão em maior número nos grandes centros urbanos, como Rio e São Paulo.

O artigo “Evangelicals find themselves in the midst of calvinism revival”, publicado no New York Times, mostra que um fenômeno curioso vem ocorrendo nos Estados Unidos, e que revela o cansaço desse pluralismo todo; dessa religiosidade sem lastro e meramente emocional e humanista. Segundo a matéria, jovens evangélicos estão migrando para igrejas mais tradicionais, em busca de sermões bíblicos e orientação espiritual. Parte da atração do calvinismo é certamente porque ele representa uma alternativa completa à teologia superficial e feita para agradar o consumidor que predomina em muitas igrejas. Nessas igrejas self-service, a doutrina é descartada como irrelevante, a Bíblia é utilizada como um manual de autoajuda semi-inspirado, e a adoração é substituída por várias formas de entretenimento.

Portanto, parece que dois caminhos ficam evidentes e se apresentam como alternativa para esta geração: (1) abandonar as igrejas institucionais e adotar uma religiosidade pessoal sincretista ou não, ou (2) buscar uma igreja que leve a sério a Palavra de Deus e os valores cristãos. Não é possível coxear entre um e outro, achando que pode conciliar Jesus com entidades, cristianismo com evolucionismo/feminismo/marxismo/dominionismo e outras pseudofusões. Na verdade, não é preciso hesitar, quando já temos orientação inspirada sobre isso:

“Deus nos chama a um reavivamento e uma reforma. As palavras da Bíblia, e da Bíblia somente, deveriam ser ouvidas do púlpito. Mas a Bíblia tem sido despida de seu poder, e o resultado é ausência de vigor espiritual. Em muitos sermões de hoje não existe aquela manifestação divina que desperta a consciência e traz vida à alma. Os ouvintes não podem dizer: ‘Não estava queimando o nosso coração, enquanto Ele nos falava no caminho e nos expunha as Escrituras?’ (Lc 24:32). Muitos estão clamando pelo Deus vivo, ansiando pela presença divina. Permitam que a Palavra de Deus fale ao coração deles. Deixem que os que têm ouvido apenas tradições, teorias e ensinos humanos ouçam a voz dAquele que pode renová-los para a vida eterna” (Ellen G. White, Profetas e Reis, p. 626).

Pensando que as pessoas estão cansadas da “religião tradicional”, alguns líderes religiosos (mesmo adventistas) estão testando fórmulas que não deram certo em outros lugares e, na verdade, levaram a naufrágios na fé. Tentando ser “descolados”, abraçam “tradições, teorias e ensinos humanos”, enquanto relativizam a Bíblia Sagrada e adotam hermenêuticas satanicamente criadas justamente para despir a Palavra de seu poder. Igrejas que pregam mais ideologias humanas do que a Bíblia são fábricas de desigrejados e ateus funcionais. É só observar o que já aconteceu e está acontecendo em outros países e outras denominações.

O que faremos como igreja? Tanto os desigrejados quanto os jovens cansados de religiosidade vazia querem a mesma coisa: acolhimento, relacionamento, transparência e seriedade por parte das instituições e dos líderes, e, sobretudo, a relevância de uma mensagem doutrinariamente sólida que vem transformando vidas há muitos séculos.

Permita-me compartilhar parte do meu testemunho:

Por defender ideias e crenças diferentes, trinta anos atrás fui convidado a me retirar da igreja na qual nasci e da qual fui líder. Graças a Deus, fui acolhido na Igreja Adventista, onde encontrei uma mensagem bíblica sólida e uma prática condizente com a pregação.

Conheci amigos e irmãos de fé imperfeitos como eu, mas que têm a esperança de em breve ver Jesus; e, enquanto aguardam, procuram levar o maior número de pessoas aos pés Dele. Lendo sobre a vida dos pioneiros, vi histórias semelhantes à minha.

A família Harmon teve que deixar a Igreja Metodista. Tiago White e José Bates também tiveram que abandonar a denominação a que pertenciam. Guilherme e Johanna Belz deixaram o luteranismo. Esses e muitos outros foram acolhidos na Igreja Adventista.

De certa forma, o adventismo é um movimento religioso composto por muitos desigrejados unidos pela mesma crença e pela mesma paixão. Estou aqui porque ouvi a voz do Pastor (João 10:27), e quero fazer o meu melhor para receber as ovelhinhas que, como eu, vão chegando.

Michelson Borges