Perguntas interativas da Lição: Rebelião em um Universo perfeito

A origem do mal é um mistério. Deus fez tudo perfeito, e um elemento precioso da perfeição das criaturas inteligentes foi a capacidade de escolher amá-Lo. Ele correu o risco de que um dia alguém usasse mal essa capacidade. Valeria a pena mesmo assim, pois Ele mesmo pagaria o preço para resgatar os Seus, e o mal nunca mais aconteceria novamente após ser erradicado (Na 1:9).

Perguntas para reflexão e discussão em grupo:

Ao estudar sobre a origem do mal, por que é importante sempre manter em mente que “Deus é amor” (1Jo 4:8, 16)?

Se Deus sabia que Lúcifer se rebelaria, por que o criou mesmo assim? Como podemos responder à acusação de que Deus é o responsável pela origem do mal?

Por que Deus concedeu a capacidade de livre-arbítrio às Suas criaturas, mesmo sabendo que elas poderiam escolher se rebelar?

Por que Deus usa os reis de Tiro (Ez 28:12-19) e de Babilônia (Is 14:12-15) como figuras, ou como tipos da queda de lúcifer? (R.: Deus mostra quem é o instigador e líder por trás desses reis maus.)

Se sabemos como foi a origem do pecado, em que sentido seu surgimento é um mistério? (R.:Não havia razão para sua existência; tentar explicá-lo é procurar uma razão para ele, e isso seria justificá-lo” – Lição de terça-feira; EGW, A Verdade sobre os Anjos, p. 30.)

Por que Deus não destruiu Satanás assim que ele começou sua rebelião no Céu? (R.: Os anjos ainda não entendiam completamente a natureza e as consequências do pecado; Deus teve de permitir seu desenvolvimento para que sua malignidade fosse evidente. Se Deus tivesse destruído Satanás logo no início, os anjos Lhe serviriam por medo, e não por amor.)

Por que a cruz é tão importante para que se possa compreender a origem do mal e sua erradicação?

Em sua opinião, considerando que Satanás está consciente das consequências de sua rebelião, por que ele persiste em sua luta contra Deus?

Leia Efésios 6:11. Como podemos vencer as “astutas ciladas do diabo”?

Nota: O nome “Lúcifer” não existe nas línguas originais da Bíblia. Ele aparece na versão latina de Isaías 14:12 como tradução da expressão hebraica helel, “brilhante”, “estrela da manhã” (ver em https://www.bibliaonline.com.br/vulgata/is/14/12). Daí se convencionou usar esse nome como referência ao anjo rebelde antes de sua queda.