Perguntas interativas da Lição: A vitória de Cristo sobre a morte

Mesmo após ter dito na cruz: “Está consumado” (Jo 19:30), e ter morrido em nosso lugar, Se Jesus não tivesse ressuscitado, nossa fé seria em vão e ainda permaneceríamos em nossos pecados (1Co 15:17). Pior ainda, diz Paulo: se Jesus não tivesse ressuscitado, todos os que morreram confiando Nele estariam perdidos (15:18). Graças a Deus, Cristo não só morreu em nosso lugar, mas também “ressuscitou dentre os mortos, sendo Ele as primícias dos que dormem” (1Co 15:20). Por isso Ele pode estar à direita do Pai hoje, intercedendo por todos nós. Isso mostra que, além de Sua morte, a ressurreição de Jesus é fundamental para a nossa salvação.

Perguntas para reflexão e discussão em grupo:

Leia 1 Coríntios 15:17, 18. Por que a morte de Cristo sem Sua ressurreição teria sido um grande fracasso de Deus? Se Cristo não tivesse ressuscitado, em que sentido “os que adormeceram em Cristo estariam perdidos”?

Leia Mateus 27:51-53. Algumas pessoas ressuscitaram no momento em que Jesus morreu. Qual é o significado desse evento surpreendente? (R.: Essas pessoas que ressuscitaram na ocasião da morte de Jesus são as primícias mencionadas em 1 Coríntios 15:20, um “protótipo” de todos os que serão ressuscitados por Ele em Sua vinda.)

Por que a crença na ressurreição e a crença na imortalidade da alma são duas coisas incompatíveis? Como uma dessas crenças anula a necessidade da outra? (R.: Se tivéssemos uma alma que sobrevive à morte do corpo e que fosse direto para o Céu não haveria a necessidade de ressurreição.)

Na lição de segunda-feira, encontramos a seguinte afirmação: “Embora a humanidade de Cristo tenha morrido, Sua divindade não morreu.” Como podemos explicar esse pensamento sem cair no conceito errôneo de que haja consciência durante a morte? (veja João 10:17, 18; 11:25 e Romanos 8:11)

De que forma os planos feitos pelos judeus e romanos para manter Jesus no túmulo só tornaram ainda mais evidente Sua vitória sobre a morte e sobre as hostes do mal?

Leia Mateus 28:11, 12. O que o testemunho original dos guardas e a “grande soma de dinheiro” que receberam nos dizem sobre a veracidade da ressurreição de Jesus?

A primeira epístola aos Coríntios foi escrita quase 30 anos após a morte e ressurreição de Jesus. No versículo 15:6, Paulo afirma que, durante os 40 dias em que Jesus apareceu após a ressurreição, em uma das ocasiões Ele foi visto por mais de 500 irmãos, e que a maioria deles ainda estava viva. Por que essa declaração é tão importante? (R.: Paulo jamais teria declarado isso se esse evento não tivesse acontecido de verdade e se não houvesse pessoas reais para testemunhar sobre o ocorrido.)

Apesar de todas as promessas bíblicas e de todas as explicações dadas por Jesus, por que os discípulos ficaram tão surpresos quando O viram ressuscitado? Por que Tomé duvidou tanto até que pudesse vê-Lo e tocá-Lo? Como podemos evitar esse tipo de atitude em relação às promessas de Deus?

Jesus carregará para sempre as marcas da cruz. Em outras palavras, só Jesus terá cicatrizes no Céu. Que lições isso nos ensina sobre o amor de Deus e o custo de nossa salvação?

(Pastor Natal Gardino, professor de Teologia no Instituto Adventista Paranaense)