Perguntas interativas da Lição: A esperança do Novo Testamento

A esperança do Novo Testamento não é a de que temos uma alma naturalmente imortal que passará a eternidade no Céu. Nossa esperança é baseada na graça e no amor de Jesus, o qual dará a vida eterna como um presente (dom) a quem Nele crer. Não temos vida em nós mesmos, mas o Senhor a tem, e Ele a concede a quem quiser receber (Jo 5:26; 6:53). Nossa vida está Nele. Portanto, “quem tem o Filho tem a vida; [e] quem não tem o Filho de Deus não tem a vida” (1Jo5:12).

Perguntas para reflexão e discussão em grupo:

Leia João 6:47 e 1 João 5:11, 12. De que forma essas afirmações invalidam a crença na imortalidade da alma?

Leia 1 Coríntios 15:13, 16-19. Por que a ressurreição final dos justos está totalmente vinculada à ressurreição de Jesus? Por que, se Cristo não tivesse ressuscitado, nós seríamos “os mais infelizes de todos os homens”?

Leia Salmo 90:10 e 1 Coríntios 15:32. Qual seria o sentido da vida se Jesus não tivesse ressuscitado? Por outro lado, qual é o sentido da vida quando compreendermos que Ele morreu por nós e ressuscitou?

Medite nesta frase da lição de domingo: “O Céu vale tudo para nós, e se o perdermos, tudo perderemos.” Por que, se perdermos o Céu, perderemos tudo?

Leia João 6:40, 47. Que diferença faz sabermos que a vida eterna é um dom (presente) de Deus, e não algo inato em nós? Por que o reconhecimento desse fato aumenta nossa gratidão, nossa dependência de Deus e nosso amor por Ele?

Um texto importante sobre a esperança do Novo Testamento está em 1 Tessalonicenses 4:13-18. Em sua opinião, por que essas palavras terminam com o imperativo do verso 18?

Outro texto sobre a bendita esperança do Novo Testamento está em 1 Coríntios 15:51-55. Paulo abre esse pensamento dizendo que é um “mistério”. Leia o texto mencionado e responda: Sobre qual “mistério” ele está falando? Por que é um “mistério” se ele está tratando do assunto? (R.: A palavra “mistério” nos escritos de Paulo não trata de coisas “escondidas” ou “secretas”, pois foram REVELADAS por Deus [Rm 16:25; Ef 1:9; Cl 1:26, 27]. Contudo, apesar de reveladas, são coisas maravilhosas ou profundas demais para as compreendermos em toda a sua plenitude. A origem do pecado, a encarnação de Cristo, o plano da redenção e a ressurreição final são alguns desses assuntos tão profundos que, mesmo não sendo “secretos”, são chamados de “mistérios” – ver, por exemplo, 1Co 4:1; Ef 3:3, 4, 9; 6:19; Cl 2:2; 4:3; 2Ts 2:7; 1Tm 3:9; 3:16; etc.)

Leia João 14:1-3. Como podemos manter sempre viva essa maravilhosa esperança para suportarmos os momentos mais difíceis?

(Pastor Natal Gardino, professor de Teologia no Instituto Adventista Paranaense)