O que não te disseram sobre o Outubro Rosa

Mãe terraplanista dá nota zero aos “doutrinadores do diabo”

Conforme noticiado pelo blog “Pretinho básico”, da RBS, uma mãe terraplanista “corrigiu” a prova de ciências do filho e ainda postou o feito no Facebook, “se achando dona da razão”, conforme o blog (confira aqui). É o típico caso da ignorância que se torna atrevida. A mãe, não contente em “desensinar” o filho, ainda expôs a família nas redes sociais.

Isso me fez lembrar meus tempos de faculdade (UFSC), quando procurei em diversas ocasiões expor educadamente meu ponto de vista, sem, contudo, afrontar meus colegas e professores. Me fez lembrar, também, de uma conversa que tive com meu amigo geólogo Dr. Nahor Neves de Souza Jr. Na ocasião, ele me disse que costumava traçar uma linha dividindo ao meio a folha das provas. De um lado, ele escrevia tudo o que o professor queria que ele soubesse. Do outro, registrava seu ponto de vista criacionista. Sempre com inteligência, bom senso e respeito. Essa é a postura que se espera de um cristão, não afrontas, deboches e exibição de ignorância e desprezo pelos que pensam de maneira diferente.

1

Infelizmente, tem crescido o número de fanáticos no mundo; pessoas que se sentem satisfeitas por pertencer a um grupo de “rebeldes iluminados” e que querem impor seu ponto de vista às demais pessoas. São veganos que processam vizinhos por fazer churrasco. Terraplanistas que denigrem a reputação de cientistas renomados. Pais de crianças que as submetem ao risco de serem infectadas e desenvolver doenças graves, porque se recusam a aplicar vacinas nelas. O pior de tudo é que muitas dessas pessoas se dizem cristãs e seguidoras da Bíblia, dando ao mundo um péssimo testemunho e atrapalhando o trabalho sério dos verdadeiros seguidores das Escrituras Sagradas.

Por falar em terraplanismo, veja este vídeo produzido pelo canal GNT, em que um conhecido terraplanista conversa com alguns “globalistas”, e, a seguir, outros dois vídeos em que falo sobre o problema da ideia da Terra plana. [MB]

Sínodo, Greta Thumberg, reunião mundial com o papa: entenda o momento atual

Terraplanistas são destruidores de reputação

reputaçãoAo assistir (muito a contragosto, admito) a alguns canais defensores da ideia da Terra plana, tenho percebido um padrão na argumentação deles: (1) a Terra plana é um “fato inquestionável”, tornando-se praticamente uma religião; (2) como a Terra, para eles, é plana, a força da gravidade não pode existir; (3) Isaac Newton e outros cientistas demonstraram a existência da gravidade, logo, são impostores; (4) como matemática e ciência profunda não interessam aos terraplanistas e seus seguidores, é preciso destruir a reputação dos cientistas “globalistas”; (5) por outro lado, quem defende a Terra plana, independentemente do que pense sobre outros assuntos, está no grupinho e é defendido a todo custo.

Aconteceu de novo recentemente. O canal terraplanista e negacionista da ida do homem à Lua “Inteligentista” apresentou uma defesa de Isaac Newton e contestou o geofísico terraplanista Afonso Vasconcelos, afirmando que ele teria exagerado em suas opiniões sobre o cientista inglês descobridor do cálculo e responsável por avanços científicos em diversas áreas do conhecimento e da tecnologia. Afonso gravou um vídeo novo com mais forçação de barra para tentar “provar” que Newton não teria sido um cristão sincero (como se pudesse ler o coração de alguém), depois de ter insinuado em um vídeo anterior que ele seria mais inteligente que Newton, pois este não sabia programar computadores como ele (!).

Em sua argumentação, Afonso insinua que Newton não foi cristão de verdade por ter estudado um livro da Cabala que foi encontrado na biblioteca dele. Curiosamente, Afonso declara no vídeo que estudou “coisas pesadas”, que leu “de tudo”… E se eu disser que em minha biblioteca tenho o Alcorão e alguns livros budistas, também serei julgado menos cristão? Se eu disser que já li livros evolucionistas e de autores ateus, como Richard Dawkins e vários outros, isso fará de mim menos criacionista? Conforme explica a doutora em Física Gabriela Bailas, em vídeo postado em seu canal no YouTube (confira), Newton era um curioso sedento por conhecimento, em uma época em que a alquimia ocupava o lugar da química e a astrologia e a astronomia praticamente andavam de mãos dadas.

Em seu afã de destruir a reputação de cientistas que defenderam e defendem a esfericidade da Terra, Afonso chega a insinuar que Newton teria ligação com ocultismo e satanismo – logo Newton que escreveu com tanta paixão sobre teologia e profecias bíblicas. Chego a pensar que Afonso não deve ter lido (e se leu não entendeu) a tremenda obra As Profecias do Apocalipse e o Livro de Daniel, na qual o cientista inglês exalta as Escrituras, o messias Jesus Cristo e os profetas bíblicos. Newton foi um apaixonado pela Bíblia Sagrada e dedicou muito mais tempo ao estudo dela do que a qualquer outro assunto, especialmente em seus últimos anos de vida.

Sugiro a você, leitor, a leitura de dois livros, pelo menos (além do As Profecias do Apocalipse e o Livro de Daniel): Newton, do famoso escritor britânico Peter Ackroyd, e O Profeta Daniel, o Cientista Isaac Newton e o Advento do Messias, do engenheiro e fundador da Sociedade Criacionista Brasileira, Dr. Ruy Carlos de Camargo Vieira. Leia sobre Newton em fontes seguras. Estude ciência e matemática e analise fatos. Não seja enganado por falácias do tipo ad hominem abusivas, que revelam a falta de argumentos quando se atacam pessoas e a reputação delas.

Claro que no fim do vídeo contra Newton Afonso pega leve com seu companheiro do canal “Inteligentista”, afinal, a religião terraplanista deles está acima de tudo.

Diferentemente de Afonso, em termos de conhecimento científico, não chego aos pés do grande cientista Isaac Newton. Mesmo assim, também venho sendo alvo de ataques por parte de terraplanistas. Em um vídeo que postei em meu canal, rebati as críticas feitas pelo geofísico que, em lugar de comentar as refutações científicas ao terraplanismo feitas por meu amigo físico Eduardo Lütz, dedicou a maior parte do tempo do vídeo dele para lançar dúvidas sobre nossa reputação – minha e do Lütz – e levantar cortinas de fumaça, ao discorrer sobre temas que nada têm que ver com o assunto em pauta. A nova crítica agora, vinda de outro canal terraplanista, é de que eu estaria defendendo a esfericidade da Terra porque a igreja da qual faço parte teria recebido verbas da Agência Espacial Norte-Americana, a NASA.

Há vários órgãos de financiamento para pesquisa nos Estados Unidos, por exemplo a NSF e o NIH, este último tendo o famoso geneticista Francis Collins como presidente. Existem muitos tipos de editais, desde graduação até pós-doutorado. No Brasil também, embora em escala bem menor: Ciência Sem Fronteiras, programa de bolsa de iniciação científica, programas de bolsas de estágio no exterior, etc. Faço uma sugestão aos terraplanistas: desenvolvam um projeto sério de pesquisa científica e se candidatem a uma bolsa dessas. Mas adianto que não será nada fácil, pois tem que ser mesmo coisa séria…

Mas vamos aos fatos, porque a mentira se derrota com a verdade.

Conforme matéria publicada no site oficial da Igreja Adventista na América do Sul, em 2017 o professor de Engenharia Jay Johnson, da Universidade Andrews, teve selecionados dois projetos de pesquisa para receber financiamento da NASA. A Universidade Andrews pertence à Igreja Adventista, mas o financiamento federal foi para pesquisas do professor Johnson relacionadas com a magnetosfera terrestre e que interessaram à Agência Espacial. A NASA é também um órgão de fomento à pesquisa, e qualquer universidade séria pode, por meio de editais, solicitar bolsas para custeio de pesquisadores, equipamentos e viagens. Os melhores projetos ganham. Mais ou menos como funciona o CNPQ no Brasil, só que, no caso da NASA, com foco em aeronáutica e pesquisa espacial.

Outra universidade adventista de renome e que tem recebido verbas públicas para projetos é a de Loma Linda, na Califórnia; isso porque ela está entre as mais conceituadas instituições de ensino e pesquisa na área de saúde nos Estados Unidos.

Portanto, é muita falta de honestidade deturpar a informação para fazer parecer que a Igreja Adventista teria recebido dinheiro da NASA e que, por isso, eu estaria defendendo a instituição norte-americana. Isso nem faz sentido, já que em 2010 a Agência puniu um funcionário por distribuir entre os colegas DVDs sobre design inteligente (confira aqui, aqui e aqui). Por que apoiariam financeiramente uma igreja declaradamente criacionista e um escritor criacionista que mantém um blog chamado “Criacionismo”?

Voltando ao último vídeo do Afonso, ele diz também que leu todos os livros da biblioteca de Albert Einstein, mas nunca refuta as ideias e os cálculos do cientista, limitando-se a, como sempre, denegrir a pessoa dele. A argumentação do geofísico terraplanista é típica e recorrente em seus vídeos: ele lança uma suspeita no ar, diz algo do tipo “é só uma pergunta”, e depois segue afirmando suas suspeitas. Isso é uma conhecida técnica de lavagem cerebral. É uma tática escorregadia em que se lança a semente da dúvida para (1) se esquivar da acusação de que afirmou, ao ser questionado; (2) construir outras ideias e argumentos usando essas perguntas/insinuações, que, como não foram “afirmações”, deixam de ser questionadas – mas fica no subconsciente dos telespectadores a ideia de que teriam sido provadas, dando, assim, falso suporte com a falsa sensação de embasamento para as novas afirmações construídas sobre essas insinuações.

Para encerrar, mais um detalhe: Afonso e outros terraplanistas tentam denegrir o trabalho da NASA trombeteando que Jack Parsons, co-fundador do Jet Propulsion Laboratory (JPL), um dos centros de pesquisa ligados à NASA, era ocultista. Isso não significa muita coisa, pois não muda as leis da natureza, a geometria do espaço e do tempo, etc. Tesla e Pitágoras eram ocultistas, mas seus trabalhos estavam corretos. Focar em Parsons é novamente levantar cortina de fumaça. Havia um Judas entre os apóstolos. Isso torna falsa a mensagem de Jesus? Balaão, sendo mau, proferiu verdades. Não é o mensageiro, mas a informação que conta mais. (Enquanto essas cortinas de fumaça e a argumentação na base do ad homimem abusivo continuam ocupando espaço nos vídeos terraplanistas, o desafio técnico do Eduardo Lütz continua aguardando refutação.)

Será que um terraplanista não médico consegue fazer uma cirurgia cardíaca ou cerebral melhor que um médico ocultista? Ser ocultista não significa ser ignorante (de outra forma, que parem de usar Pitágoras e Tesla!). Além disso, existem milhares de cientistas cristãos verdadeiros (ou com outras crenças) que, de forma independente, chegaram aos mesmos resultados. Isso acontece pois, na hora de fazer o cálculo de uma lei física, 1 + 1 = 2, independentemente de acreditarmos em Cristo, Maomé, Buda ou em YouTubers.

Não se esqueça: o pai da mentira é o diabo, e o passatempo preferido dele é destruir pessoas.

Michelson Borges

Família: o portfólio de Deus

familiaOs cristãos são portadores de uma mensagem maravilhosa. Assim como no passado, Deus escolheu um povo especial para levar Sua Palavra ao mundo. Deus os escolheu para anunciar a volta de Jesus e mostrar a todas as pessoas que existe esperança. Mas a felicidade que Jesus promete não precisa começar somente quando Ele voltar. É claro que ela será plena a partir daquela ocasião, mas Jesus pode nos fazer felizes aqui também. As pessoas que recebem nossa mensagem querem ver o poder transformador de Jesus na vida de Seus filhos. E de que forma e em que lugar esse poder pode ser mais bem visto? No lar. É no lar que mostramos quem somos de verdade e se Jesus está realmente em nosso coração.

Para alguns, é muito mais fácil vestir um terno, pregar um belo sermão do que tratar amavelmente a esposa e os filhos. Mas note o que escreveu Paulo em 1 Timóteo 3:5: “Se alguém não sabe governar a própria casa, como cuidará da igreja de Deus?”

Palavras que não são acompanhadas de exemplo não têm poder nenhum. Tornam-se mentira. “Cumpre ao pai fortalecer na família as austeras virtudes – energia, integridade, honestidade, paciência, ânimo, diligência e utilidade prática. E o que exige de seus filhos deve ele mesmo praticar, ilustrando essas virtudes na própria conduta varonil” (Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 391). Como posso falar do poder de Cristo se não o experimento em minha vida? As famílias são o portfólio de Deus.

É muito importante conhecer as doutrinas bíblicas – a justificação pela fé, o sábado, o estado do ser humano na morte, o santuário celestial. Tudo isso é essencial para conhecer o caráter de Deus e a vontade dEle para nossa vida. Mas de que adianta conhecer teologia e ter um verdadeiro “inferno” no lar? “O lar deve ser um lugar onde o contentamento, a cortesia e o amor façam habitação; onde moram essas graças, aí residem a paz e felicidade. Podem invadi-lo as aflições, mas isso é a situação da humanidade. Que a paciência, a gratidão e o amor mantenham no coração a luz solar, seja embora o dia sempre nublado. Em tais lares os anjos de Deus habitam” (Ibidem, p. 393).

O mundo está carente de vivenciar o verdadeiro amor. Temos disso para oferecer? É muito triste saber que entre os cristãos há casais que meramente se suportam; que “vão levando”; que apenas mantêm as aparências, enquanto alimentam ressentimentos. O carinho e a cortesia são lembranças de um tempo que não mais existe – como se tivessem se tornado pessoas estranhas, que não mais se conhecem.

Como isso foi acontecer? A frieza e a indiferença não aparecem de um dia para o outro. A pessoa não vai dormir amando e, no outro dia, quando acorda, descobre que não ama mais. Não é assim que funciona. Da mesma maneira como o amor deve ser diariamente cultivado, o contrário também acontece. A “chama”, se não alimentada, vai se apagando aos poucos.

Precisamos hoje aproveitar a oportunidade que Deus nos está dando e mudar o que precisa ser mudado. Precisamos ouvir a voz de Deus e deixar que Ele nos mostre se temos falhado em algum ponto. Lembre-se: para Deus, nada é impossível! Mas você tem que querer. Analise o seguinte:

1. Os namorados não medem esforços para estar juntos. No casamento, por quantas coisas os cônjuges se privam da companhia um do outro? O que é mais importante: trabalho, futebol, amigos, internet, evangelismo? (Claro que não devemos perder a individualidade, mas escolher tornar-se “uma só carne” também interfere nisso, mas com prazer!) Quanto mais você ficar longe do(a) cônjuge, mais se distanciará e menos vontade terá de estar com ele/ela. Cada um passa a ter seu universo particular e aos poucos o relacionamento se torna jugo desigual. Por isso, faça sua parte. Mesmo que venham a tentação e a pressão, não troque a companhia de seu/sua cônjuge por outras atividades.

2. No namoro, fala-se com delicadeza e usam-se palavras de apreço e admiração. E no casamento? Muitas vezes o que prevalece é a rispidez e a crítica. O que fazer? Ter sempre palavras corteses e admirar o(a) cônjuge. Precisamos nos sentir valorizados e respeitados. Isso mexe com nossa autoestima e com a dignidade própria.

3. No namoro, quando se está apaixonado, acha-se lindo aquele “narizinho”, os cabelos, a voz… Só temos olhos para a pessoa amada e não há espaço para uma amizade especial com alguém do sexo oposto. Quando a relação conjugal não vai bem, abre-se a oportunidade para a admiração indevida de outras pessoas. Comparações impróprias começam a ser feitas e o caminho da ruína surge diante da pessoa. Esse é um grande perigo! A carência emocional e os laços de amizade com alguém do sexo oposto podem ser usados pelo inimigo de Deus para confundir os sentimentos e abrir a porta ao adultério. Portanto, nunca permita que alguém seja mais amigo(a) do(a) seu/sua cônjuge do que você. Seu coração deve estar ligado ao dele/dela. E se você perceber que está tendo muita afinidade com alguém, que o assunto não acaba mais… corte logo isso! Não deixe ninguém se intrometer em seu casamento e roubar sua afeição.

Ellen White aconselha: “Estudem, o marido e a esposa, a felicidade mútua, nunca faltando as pequeninas cortesias e pequenos atos de bondade que alegram e iluminam a vida. Entre o marido e a esposa deve existir perfeita confiança” (Ibidem). Precisamos proteger nosso lar e pedir que Deus nos ajude a ter sabedoria e prudência.

Outro antídoto para a desesperança e a desarmonia no lar é o culto familiar. “Pais e mães, por mais prementes que sejam vossos afazeres, não deixeis de reunir vossa família em torno do altar de Deus. Pedi a guarda dos santos anjos em vosso lar. Lembrai-vos de que vossos queridos estão sujeitos a tentações. Aborrecimentos diários juncam a estrada tanto dos jovens como dos mais idosos. Os que querem viver vida paciente, amorável e satisfeita, devem orar. Somente obtendo constante auxílio de Deus podemos alcançar a vitória sobre o eu” (Ibidem).

A presença de Jesus pode mudar qualquer situação. Ele restaura os corações e nos dá o verdadeiro amor. Deus planejou a família porque é o melhor plano para nos fazer felizes. Se você for feliz no lar, será feliz no trabalho, na igreja, na sociedade. Refletirá o amor de Deus e levará esperança ao mundo.

Débora Borges

A beleza e os mistérios de Órion

messier78bA nebulosa Messier 78, a 1.350 anos-luz de distância da Terra, foi fotografada pelo telescópio MPG/ESO no Observatório La Silla, no Chile. O local faz parte do Observatório Europeu do Sul (ESO, na sigla em inglês). A foto foi divulgada em 2011 e mostra uma nuvem de poeira e gás que reflete a radiação ultravioleta de estrelas ao redor. Messier 78 pode ser vista com um telescópio pequeno perto do grupo de estrelas conhecido no Brasil como Três Marias, na constelação de Órion (Foto: Igor Chekalin / ESO)

Não é de hoje que a constelação de Órion chama a atenção dos astrônomos – e dos adventistas do sétimo dia. Em maio do ano passado, um telescópio europeu em órbita encontrou algo inusitado enquanto procurava por estrelas jovens: um verdadeiro buraco espacial na nebulosa NGC 1999, uma nuvem brilhante de gás e poeira exatamente na constelação de Órion. Na época, presumiu-se que um ponto escuro da nuvem era uma bolha mais fria de gás e poeira, que de tão densa bloquearia a passagem da luz. Mas novas imagens do observatório Herschel, da Agência Espacial Europeia, mostram que a “bolha”, na verdade, é um espaço vazio. Isso porque o observatório capta imagens infravermelhas, o que permite que o telescópio veja além da poeira mais densa e enxergue os objetos dentro da nebulosa. Mas até mesmo ao Herschel o ponto estava preto.

A atenção dos adventistas é despertada sempre que ouvem falar em Órion, e isso se deve a este texto da escritora Ellen White: “Nuvens negras e densas subiam e chocavam-se entre si. A atmosfera abriu-se e recuou; pudemos então olhar através do espaço aberto em Órion, donde vinha a voz de Deus. A santa cidade descerá por aquele espaço aberto” (Primeiros Escritos, p. 41). Ellen escreveu esse texto em 1851, quando não havia telescópio Hubble (lançado em 1990), nem Spitzer (2003), nem mesmo o observatório Herschel.

Na década de 1950 (quase vinte anos antes da ida do homem à Lua), o professor Julio Minham, membro da Associação Brasileira de Astronomia, escreveu um livro chamado Maravilhas da Ciência que foi publicado pela Associação Brasileira de Astronomia. Nele, à página 281, Minham constata: “Uma escritora americana, Ellen G. White, que nada sabia de astronomia e que provavelmente nunca ouvira falar da Nebulosa de Órion, em um de seus livros traduzido para o português com o título de Vida e Ensinos, depois de comentar essa luminosidade escreveu [e ele cita o texto de Ellen White]. Isso dito assim tão simplesmente por quem nunca olhou um livro de astronomia, nem sonhava com buracos em parte alguma do céu, só pode ser creditado a dois fatores: histerismo ou inspiração. Para ser histerismo, parece científica demais a afirmação de que toda uma cidade, a Nova Jerusalém, tenha livre passagem pelo túnel de Órion. A escritora não sabia do túnel, nem que ele é tão largo a ponto de comportar noventa sistemas solares. Terá sido revelado a essa escritora uma verdade que os astrônomos não puderam descobrir?”

Na verdade, não sei se podemos entender o que ocorre em Órion como evidência da volta de Jesus. Deus até pode usar isso como “lembrete” para Seu povo e mais um elemento confirmador da Revelação. Mas devemos atentar para o fato de que Ellen White afirma que a santa cidade, a Nova Jerusalém, é que passará pelo espaço aberto em Órion. Pode até ser que Jesus também volte por ali, mas o evento descrito pela autora parece mais se referir à vinda da cidade para a Terra no fim do milênio, conforme Apocalipse 21.

Michelson Borges

Terra plana: nota de esclarecimento da SCB

terraA Sociedade Criacionista Brasileira (SCB) tem sido citada por pessoas descompromissadas com a busca imparcial da verdade como uma das entidades que estariam defendendo a tese de que o planeta Terra, ao contrário de ter um formato esférico, teria forma plana. Nada mais falso. Essa inverdade certamente vem sendo divulgada com intenções indesculpáveis de denegrir a posição séria e apoiada em evidências com sólido embasamento científico que a SCB tem defendido no decorrer de seus 45 anos de atividades de divulgação das teses criacionistas em oposição às evolucionistas, no contexto da controvérsia entre as duas estruturas conceituais que partem de diferentes pressupostos para a interpretação da natureza na qual estamos inseridos.

Bastaria citar, a respeito da questão da “Terra plana”, o fato de que, ainda no século passado, foi a SCB que se encarregou das medidas iniciais para a publicação do livro Inventando a Terra Plana, de autoria de Jefrey Burton Russel, preparando a tradução para o Português e conseguindo a publicação pela Editora da Universidade de Santo Amaro, sediada na capital paulista. Esse livro resgata a história do surgimento e da propagação do erro sobre a forma geométrica da Terra, esclarecendo a verdadeira causa desse processo: denegrir o Cristianismo e a Bíblia e afirmar que a ignorância e o obscurantismo medievais teriam sido responsáveis pelo modelo de uma Terra plana.

Mais recentemente, em 2016, a SCB publicou o livro Tempo Astronômico, Histórico e Profético, em três partes, das quais as duas primeiras expõem com clareza a verdadeira questão da Terra plana com os subtítulos “A esfericidade da Terra – Da revelação bíblica aos nossos tempos” e “A geometria do sistema Sol-Terra-Lua”, este último destacando as “Inferências de filósofos gregos há mais de 22 séculos sobre diâmetros e distâncias”, e esclarecendo que, mesmo antes dos filósofos gregos, os próprios textos bíblicos já deixavam transparecer o fato de que nosso planeta tem o formato esférico.

Tudo indica que o envolvimento do nome da SCB como entidade “retrógrada”, “ignorante” e “obscurantista” que, em pleno século 21, estaria defendendo a causa de uma Terra plana tem objetivo semelhante ao descrito por Russel em seu livro.

Por essas razões, a SCB repudia com veemência qualquer envolvimento que lhe imputem como defensora de teses espúrias sem qualquer apoio em textos bíblicos e muito menos em evidências verdadeiramente científicas.

Sociedade Criacionista Brasileira

Brasília, 17 de setembro de 2017

http://www.scb.org.br