Portugal distribui livro missionário O Poder da Esperança

Anúncios

Casal de judeus distribui livro missionário

Pastor Ivan Saraiva é homenageado por sua atuação nas redes sociais

ivan

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte concedeu em sessão solene o título de cidadão norte-riograndense ao pastor Ivan Saraiva, evangelista e apresentador da TV Novo Tempo, por ser referência nacional em evangelização por meio das redes sociais. O pastor Ivan tem mais de 300 mil seguidores no Instagram, mais de 300 mil no YouTube e mais de um milhão no Facebook. “O pastor Ivan é referência nacional na forma de evangelizar a Palavra de Deus pelas redes sociais”, disse o deputado estadual Albert Dickson. Segundo o deputado, a Igreja Adventista, da qual o homenageado é pastor, tem um extenso serviço prestado ao Rio Grande do Norte por meio da ADRA, organização privada, não governamental e sem fins lucrativos que executa projetos de desenvolvimento comunitário e de assistência humanitária em 130 países. A Igreja está presente no Rio Grande do Norte há mais de 40 anos. “Esse é o nosso agradecimento, e o nosso Estado agradece a presença deles aqui”, disse Dickson.

Saraiva é orador do programa “A Voz da Profecia”, no rádio, e apresentador do programa “Está Escrito”, na televisão, e vem cumprindo as palavras de Ellen White, escritas há mais de um século, segundo a qual novos meios de comunicação seriam descobertos e deveriam ser usados na pregação do evangelho; meios antes desconhecidos e que apressariam a disseminação da mensagem de salvação. Na verdade, os pioneiros adventistas sempre estiveram na vanguarda do uso das mídias: os pregadores utilizavam cartazes e pôsteres em suas palestras (imagine se tivessem PowerPoint e Prezi!), investiam dinheiro na publicação de folhetos, revistas e livros, e foram os primeiros, também, a utilizar novas tecnologias como o rádio e a TV.

Interessante que em fevereiro de 2007, Marty Thurber escreveu na revista Ministry a respeito de sua experiência com o uso de um blog: “Quando H. M. S. Richards iniciou seu programa de rádio anos atrás, as pessoas tinham uma pequena ideia do que ele estava fazendo. Alguns imaginavam que ele estava desperdiçando tempo e recursos preciosos. Agourentos predisseram que essa nova forma de pregar o evangelho iria fracassar. Mas veja o que aconteceu! Que revolução a visão de um homem trouxe à pregação do evangelho. Milhões ao redor do mundo […] compreenderam a mensagem de um Salvador amoroso. Pessoas totalmente desconhecidas começaram a falar comigo, quase como se fosse face a face. […] Qualquer um pode parar em seu blog e postar comentários sobre suas ideias. […] Ele pode estar em outra cidade ou em outro continente. Distância não é problema; blogar pode ser descrito como a ‘morte da distância’.”

Parabéns, pastor Ivan, por usar todos os recursos que Deus lhe colocou à mão e anunciar a mensagem de um Salvador que está para voltar! Que seu ministério continue sendo abençoado e abençoando. [MB]

Os adventistas e a prática do rebatismo

batismoUm vídeo humorístico de um canal no YouTube viralizou nesta semana e trata do assunto do rebatismo na ótica dos adventistas do sétimo dia. Não se trata de conteúdo ofensivo, e como o próprio autor diz no fim do vídeo, a ideia é criticar as pessoas que não levam a sério a vida cristã e banalizam o rito do batismo. Mas será que existe base bíblica para batizar uma pessoa mais de uma vez?

Como qualquer caricatura, o vídeo tenta destacar um ponto em detrimento da realidade. Na verdade, os adventistas não ensinam que por causa de qualquer pecado a pessoa deva ser rebatizada. Por exemplo, em 1 João 2:1 é dito que não devemos pecar, mas se pecarmos temos um Advogado. Em 1 João 1:9 está escrito que, se confessarmos os nossos pecados, Jesus é fiel e justo para nos perdoar e nos purificar. O texto bíblico não diz que a cada pecado que cometemos devemos passar novamente pelo batismo; diz, sim, que devemos confessar novamente. A cerimônia do lava-pés estabelecida por Cristo tem esse papel renovador.

Conforme explica o bibliotecário e mantenedor do canal Bíblia Anotada, Vanderlei Ricken, “rebatismo é para casos em que a pessoa decide abandonar os caminhos de Deus e, depois de um ano ou mais, ela ‘cai na real’ e assim como o filho pródigo volta para a casa do Pai, recebendo uma ‘nova roupa’ e um ‘anel’ para atestar a filiação recuperada. Essa demonstração pública de compromisso e mudança de vida é feita por meio do rebatismo”.

Quando a Bíblia fala em “um só batismo” não se refere à quantidade de batismos, mas à forma correta de se batizar. De fato, existem muitos tipos de batismo, porém, apenas um é o correto, o que testifica da entrada no reino de Deus, demonstrando que houve morte para o pecado, sepultamento nas águas e ressurreição para uma nova vida. Daí a necessidade de o batismo ser por imersão, como foi o de Jesus, nosso modelo.

O texto que menciona o “um só batismo” é Efésios 4:5. A primeira coisa a ser analisada é quem é o remetente da carta endereçada aos efésios. Como ocorre normalmente, as cartas do Novo Testamento têm um intróito que contém a apresentação do emissor da carta. Lemos no primeiro verso do livro de Efésios: “Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus, aos santos que estão em Éfeso, e fiéis em Cristo Jesus.” A carta é de autoria do apóstolo Paulo e levar em conta esse pano de fundo ajuda bastante na compreensão do assunto.

O apóstolo Paulo, ao mencionar “um Senhor, uma só fé, um só batismo”, está enfatizando o aspecto numérico e a quantidade, ou destacando a relevância de cada um? Segundo o pastor e líder de jovens Eleazar Domini, a resposta a essa pergunta está na própria perícope da passagem. No verso seguinte lemos: “Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos, e em todos.” “É óbvio que esse verso não está ensinando que apenas o Pai é Deus, pois estaria em contradição com João 1:1, 14 e diversos outros textos do Antigo e do Novo Testamentos. Em 2 Coríntios 4:4 é dito que o diabo é o deus deste mundo. Tiago apresenta a fé que é morta, aquela que não é acompanhada de obras. Ora, se o texto de Efésios quisesse dar uma ênfase numérica, encontraríamos diversas dificuldades em outras passagens”, compara o pastor Eleazar.

Fica claro que o objetivo de Paulo não era descrever a quantidade de deuses, de credos nem de batismos. O objetivo dele era mostrar que há um Deus verdadeiro, uma fé verdadeira e um batismo verdadeiro.

Quando voltamos a atenção para Atos 19:1-5, encontramos uma experiência muito interessante: “E sucedeu que, enquanto Apolo estava em Corinto, Paulo, tendo passado por todas as regiões superiores, chegou a Éfeso; e achando ali alguns discípulos, disse-lhes: Recebestes vós já o Espírito Santo quando crestes? E eles disseram-lhe: Nós nem ainda ouvimos que haja Espírito Santo. E disse-lhes: Em que sois batizados então? E eles disseram: No batismo de João. Porém, Paulo disse: Certamente João batizou com o batismo do arrependimento, dizendo ao povo que cresse no que após ele haveria de vir, isto é, em Jesus Cristo. E os que ouviram foram batizados em nome do Senhor Jesus.”

Dois detalhes importantes nesse texto: (1) o protagonista é Paulo e (2) o grupo visitado é de Éfeso (o mesmo grupo a quem Paulo dirigira sua carta).

O que temos aqui é um grupo de pessoas que ao serem visitadas por Paulo foram questionadas a respeito do Espírito Santo. A resposta deixou o apóstolo intrigado: “Nós nem ainda ouvimos que haja Espírito Santo.” Se a grande comissão de Cristo ensina que as pessoas devem ser batizadas em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, como aqueles novos discípulos não conheciam o Espírito Santo? A resposta deles provocou a réplica de Paulo: “Em que sois batizados então?” “No batismo de João”, eles responderam. Ao que tudo indica, o desconhecimento desse grupo não era sobre a existência do Espírito Santo em si, mas da atuação efetiva dEle a partir do retorno de Cristo ao Céu.

O Comentário Bíblico de Bruce traz a seguinte explicação: “A pergunta de Paulo ‘Vocês receberam o Espírito Santo quando creram?’ mostra que ele esperava que os discípulos recebessem o Espírito Santo assim que cressem. A resposta (v. 2) não indica que os discípulos não sabiam nada a respeito do Espírito Santo (claramente apresentado no AT e no ensino de João Batista), mas que não tinham ouvido da vinda do Espírito Santo por meio do Messias como prometido por João.”

Para o pastor Eleazar é importante salientar que não havia problema algum com o batismo de João, afinal, foi ele quem batizou o próprio Cristo. O problema estava com os que foram batizados, mas não tiveram pleno conhecimento da verdade, das doutrinas. Paulo então valorizou o batismo deles, mas explicou novas verdades desconhecidas até então, e em seguida eles foram batizados novamente.

Algumas pessoas dizem que aqueles efésios foram batizados com o Espírito Santo. Entretanto, não há evidência alguma no texto que aponte para isso. O texto trata do batismo nas águas. Fala-se do batismo de João, que foi nas águas, e depois é dito que eles foram novamente batizados. Não diz que foram batizados “no Espírito”, ou coisa parecida. O conhecido comentarista Champlin escreveu: “Outros estudiosos pensam que está em foco aqui o batismo do Espirito Santo, e não o batismo em água; mas essa ideia está igualmente errada, e de forma alguma está subentendida no texto sagrado.”

O verso seguinte esclarece ainda mais o assunto: “E impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam diversas línguas, e profetizavam.” “Se o batismo mencionado no verso 5 não fosse o das águas, que necessidade haveria de mencionar no verso seguinte que Paulo impôs sobre eles as mãos para que recebessem o Espírito Santo?”, pergunta o pastor Eleazar.

A narrativa está em ordem cronológica:

  1. Paulo encontra os efésios e questiona o conhecimento deles acerca do Espírito Santo.
  2. Eles declaram não ter conhecimento do assunto.
  3. Paulo pergunta em que foram batizados e a resposta é: no batismo de João.
  4. Paulo explica o assunto para eles e, ao final, eles são batizados.
  5. Paulo impõe-lhes as mãos para que recebam o Espírito Santo.

Não haveria necessidade alguma de mencionar que eles foram batizados no batismo do Espírito, como pretendem alguns, e depois Paulo impor as mãos sobre eles para que recebessem o Espírito Santo.

A ideia de rebatismo em Atos 19 é compartilhada por grandes teólogos não adventistas, como Marshall e Matthew Henry.

Logo, diferentemente do que o vídeo humorístico dá a entender, os adventistas não são os inventores do rebatismo, muito menos rebatizam pessoas por qualquer motivo. O batismo é um dos ritos mais sagrados do cristianismo e é assim que tem que ser tratado.

Michelson Borges

Ellen White contradisse o apóstolo João?

nova-terraA internet é uma bênção, já que permite a divulgação rápida e acessível de boas informações. Permite, inclusive, que milhões de pessoas sejam alcançadas literalmente com o apertar de uma tecla. No entanto, infelizmente, há também alguns aspectos extremamente negativos nessa facilidade de compartilhamento de conteúdos, e um deles é que os fofoqueiros de plantão dispõem de uma tremenda ferramenta para realizar como nunca antes seu desejo de espalhar mentiras só para “ver o circo pegar fogo”. Some-se isso à ingenuidade de muita gente e o ambiente ideal está criado para a disseminação de boatos e fake news. Uma das últimas dessas “tretas viralizadas” tenta colocar Ellen White contra o apóstolo João. Veja o texto que tem sido espalhado por aí:

“Ellen White em uma de suas ‘visões’ [sim, colocaram aspas na palavra] disse ter visto e entrado no templo na cidade santa.

“Sentíamos um incomum espírito de oração. E ao orarmos o Espírito Santo desceu sobre nós. Estávamos muito felizes. Logo perdi de vista as coisas terrestres e fui arrebatada em visão da glória de Deus. Vi um anjo que voava ligeiro para mim. Rápido levou-me da Terra para a cidade santa. Na cidade vi um templo no qual entrei” (Primeiros Escritos, p. 32).

“Já no relato do profeta João ele deixa bem claro que na cidade santa não tem templo e que o templo é o Senhor.

“E nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, e o Cordeiro” (Apocalipse 21:22).

“E agora? Quem estaria falando a verdade? O apóstolo João nas Escrituras Sagradas ou a profetiza [sic] do adventismo?”

Veja só a que ponto chegam alguns… E que falta faz ler as coisas com mais atenção. E que falta faz ainda mais o bom senso para conferir as informações antes de espalhá-las por aí, contribuindo para o alastramento da mentira e a alegria do pai dela.

Conforme o teólogo Demóstenes Neves, não se trata de erro de Ellen White. “É uma questão de João. Não haverá templo como o da Terra na Jerusalém terrena, mas a promessa de Jesus é de que na nova Terra, na nova Jerusalém, haverá algum tipo de templo: ‘A quem vencer, Eu o farei coluna no templo do Meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do Meu Deus, e o nome da cidade do Meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do Meu Deus, e também o Meu novo nome’” (Apocalipse 3:12). ‘Por isso estão diante do trono de Deus, e O servem de dia e de noite no Seu templo; e aquele que está assentado sobre o trono os cobrirá com a Sua sombra. Nunca mais terão fome, nunca mais terão sede; nem sol nem calma alguma cairá sobre eles. Porque o Cordeiro que está no meio do trono os apascentará, e lhes servirá de guia para as fontes das águas da vida; e Deus limpará de seus olhos toda a lágrima’ (Apocalipse 7:15-17).”

O trono de Deus (que era representado pela arca da aliança) está localizado no santuário celestial. O santuário celestial está localizado na santa cidade, a nova Jerusalém. Essa cidade pousará na Terra no fim do milênio. Logo, o santuário/templo de Deus estará para sempre neste nosso planeta.

Simples assim. [MB]

Presidente mundial da IASD fala sobre a teologia da última geração

tedO que você acha da “teologia da última geração”? 

Depende de como você define essa expressão. Eu certamente acredito e quero ter a esperança de que estamos vivendo na última geração antes da breve vinda de Cristo (Mateus 24; Marcos 13; Apocalipse 3:11; Apocalipse 13; Apocalipse 22:7, 12, 20). Quanto mais nos aproximamos de Cristo, mais vemos necessidade dEle – e mais entendemos nossa necessidade da justiça de Cristo, Sua graça, Seu amor e Seu poder para viver a vida cristã. Não creio que precisemos de outra grande discussão sobre a perfeição, como a ocorrida há poucas décadas. O Espírito da Profecia é muito claro ao afirmar que ninguém deve reivindicar a perfeição.

“Ninguém que alegue santidade é de fato santo”, escreveu Ellen White. “Os que se acham registrados como santos nos livros do Céu não estão apercebidos do fato, e são os últimos a gabar-se de sua bondade. Nenhum dos profetas e apóstolos alguma vez professou santidade, nem mesmo Daniel, Paulo ou João. Os justos nunca fazem semelhante alegação. Quanto mais de perto se assemelham a Cristo, tanto mais lamentam sua dessemelhança dEle, pois têm consciência sensível, e consideram o pecado mais como Deus o considera” (Reavivamento e Seus Resultados, p. 36).

Cristo tem o poder de trabalhar em nossa vida para que vivamos a vida cristã (João 1:12). Ele pede que nos humilhemos e nos coloquemos diariamente em Suas mãos, para que Ele possa desenvolver Seu poder salvador em nossa vida (Filipenses 2:12, 13). Isso só é possível ao nos tornarmos um com Ele – ao submetermos nossa vida diariamente à Sua liderança e ao Seu poder (Tiago 4:7-10). Devemos tudo a Ele e ao Seu amor por nós e à vida eterna que Ele promete (Efésios 1:3-17; Atos 17:26-28).

Ele quer que sejamos um povo preparado para os últimos dias da história deste mundo, na defesa da verdade, e seremos convocados a apresentar a Palavra pura aos vizinhos, amigos e até mesmo aos governantes (Mateus 6:25-34; Mateus 10:16-20; Marcos 13:3-13; Lucas 12:8-12). Ao permitir que Cristo controle nossa vida, nos tornamos cada vez mais como Ele. Refletiremos Seu caráter porque Ele está trabalhando em nós e através de nós, conforme aceitamos Suas vestes de justiça a cada dia e permitimos que o Espírito Santo nos santifique todos os dias (Mateus 11:25-30; Mateus 22:2-14; Apocalipse 3:14-22).

Confiando completamente em Cristo e em Sua justiça, precisamos crer que Ele nos dará vitória sobre o pecado através do Seu poder e não por nosso próprio poder (Filipenses 4:13; Romanos 12:1, 2). De outra forma, o cristianismo não tem poder. Filipenses 2:5 nos diz: “Tende em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus.”

No livro O Desejado de Todas as Nações, lemos: “A justiça ensinada por Cristo é conformidade de coração e de vida com a revelada vontade de Deus. Os pecadores só se podem tornar justos à medida que têm fé em Deus e mantêm vital ligação com Ele. Então a verdadeira piedade lhes elevará os pensamentos e enobrecerá a vida. Então, as formas externas da religião se harmonizam com a interior pureza cristã” (p. 212).

À medida que nos consagrarmos a Cristo e permitirmos que Ele trabalhe em nós para nos aproximarmos dEle e de Sua Palavra, poderemos então perceber aquela linda citação de Parábolas de Jesus: “Cristo aguarda com fremente desejo a manifestação de Si mesmo em Sua igreja. Quando o caráter de Cristo se reproduzir perfeitamente em Seu povo, então virá para reclamá-los como Seus” (p. 29).

O caráter de Cristo só poderá ser reproduzido perfeitamente em nossa vida quando confiarmos completamente apenas em Cristo. Não há poder em nós mesmos para conseguir isso. Devemos permitir diariamente que o Espírito Santo nos transforme cada vez mais à semelhança de Cristo. Esse é o trabalho de toda uma vida. Devemos pedir o caráter de Cristo em nossa vida enquanto aprendemos a obediência prática à Sua Palavra através do Seu poder.

Esta é uma questão de se humilhar diante dAquele que pode mudar nossa vida, nossos pensamentos, motivos e influências, para evidenciar o que Ele pode fazer em uma vida reavivada, reformada, transformada e restaurada – tudo isso através de nossa humilde submissão a Ele e de Seu poder para nos renovar (2 Coríntios 5:17; 1 Pedro 5:6-11).

Não devemos agir na direção daquilo que pode ser chamado de “perfeccionismo”, preocupados com uma lista legalista de itens ou nos exaltando por nosso próprio poder. Que ninguém na Igreja Adventista do Sétimo dia se considere melhor do que qualquer outra pessoa ou venha a acusar os outros de não serem santos ou perfeitos. Todos somos pecadores ao pé da cruz, precisando de um Salvador que nos ofereça a Sua justiça em justificação e santificação.

Devemos ser unidos em Cristo em palavras e ações. “O segredo da unidade encontra-se na igualdade entre os crentes em Cristo. A razão de todas as divisões, discórdias e diferenças encontra-se na separação de Cristo. Cristo é o centro para o qual todos devem ser atraídos; pois quanto mais nos aproximamos do centro, tanto mais nos aproximaremos uns dos outros em sentimento, em simpatia, em amor, crescendo no caráter e imagem de Jesus” (Mensagens Escolhidas, v. 1, p. 259).

Acredito que não temos muito tempo. Sei que nossos pais e talvez nossos avós pensaram que estivéssemos perto da vinda do Senhor, mas eu realmente acredito que estamos chegando ao fim do tempo, especialmente por ver o que tem ocorrido atualmente ao redor do mundo.

Basta ver o que aconteceu no fim de setembro de 2015, em Washington, no edifício do Capitólio, nas Nações Unidas, em Nova York, e na cidade de Filadélfia – e a forma como a imprensa e todos ficaram tão fascinados e positivos com os eventos em torno de um líder religioso. Se isso não é um cumprimento de Apocalipse 13, não sei o que é. O Senhor nos deu muitas informações para sabermos que estamos vivendo no fim dos tempos.

Que privilégio é viver nestes últimos dias da história da Terra; viver para Jesus e permitir que Ele demonstre em cada um de nós o poder oferecido para ter uma vida vitoriosa nEle – demonstrando ao mundo que Ele é todo-poderoso e que é amor.

Através da Sua graça, Seu amor e intervenção celestial pelo Espírito Santo, podemos ter poder divino e Seu caráter, conforme somos transformados mais e mais à Sua semelhança. Cristo veio a este mundo. Ele viveu uma vida sem pecado, morreu por nós, ressuscitou por nós, intercede agora por nós no santíssimo do santuário celestial como nosso Sumo Sacerdote, e logo retornará em Sua segunda vinda como Rei dos reis e Senhor dos senhores (Lucas 2; João 20; Atos 1:9-11; Hebreus 4:14-16; Apocalipse 22:12-14).

Em Reavivamento Verdadeiro, lemos: “Não há desculpa para o pecado ou para a indolência. Jesus vai à frente e quer que sigamos os Seus passos. Ele sofreu, Ele Se sacrificou como nenhum de nós pode fazê-lo, para que pudesse colocar a salvação ao nosso alcance. Não precisamos ficar desalentados. Jesus veio ao nosso mundo trazer poder divino à humanidade, para que por meio de Sua graça possamos ser transformados à Sua semelhança” (p. 36).

Exaltemos Cristo e Sua justiça e permitamos que Ele demonstre ao mundo Seu poder para mudar nossa vida e a vida daqueles que se submetem completamente a Ele.

Para mais informações sobre este assunto muito importante, encorajo você a ler um conselho maravilhoso no Espírito de Profecia, especificamente em Caminho a Cristo, capítulos 7 e 8.

(Perspectives; tradução de Levi de Paula Tavares)

Adventista vence competição internacional de missões espaciais

josuéNo fim do ano passado, dois alunos do Grupo de Dinâmica Orbital e Planetologia da Faculdade de Engenharia da Unesp, em Guaratinguetá, participaram da equipe vencedora de uma competição internacional sobre o planejamento de missões espaciais. O desafio era planejar uma missão espacial completa para viajar e explorar o recém-descoberto asteroide 2016 HO3. Esse é o quase-satélite mais estável já descoberto na região próxima da Terra. A matéria sobre a competição ocorrida na Astrodynamics Specialist Conference (AAS/AIAA) foi publicada na revista Space Times. O time vencedor é composto de alunos da University of Colorado Boulder e de dois alunos do Grupo de Dinâmica Orbital e Planetologia da Unesp em Guaratinguetá. A matéria aparece nas páginas 12 e 13. O site da Unesp publicou uma nota.

[Continue lendo.]