Quando doar dói

missao

Ontem preguei em minha igreja e falei sobre quem é Jesus e qual foi a missão dEle aqui na Terra. Falei do Deus que Se fez homem para salvar os humanos perdidos, e fiquei pensando em como deve ter sido difícil para o Pai e para o Espírito Santo entregar o Filho para sofrer e morrer neste mundo escuro e corrompido pelo pecado, tão diferente das cortes celestiais. Hoje, de certa forma, senti (de maneira infinitamente menos intensa, é claro) algo parecido, ao me despedir da minha filha mais velha (de mochila rosa, na foto acima), que, com um grupo de missionários, está indo para o Amazonas participar de uma missão da Agência Adventista de Desenvolvimento e Recursos Assistenciais (Adra) na região. Essa equipe, na qual há médicos e outros profissionais de saúde, vai atender voluntariamente famílias ribeirinhas que vivem em extrema pobreza. Serão quinze dias viajando de barco e trabalhando nas comunidades. Quinze dias sem comunicação com a família, cuidando dos necessitados e pregando o evangelho, como Jesus fazia.

A Divindade entregou Seu maior tesouro por amor aos seres humanos. Eu também estou doando um pouco do tempo e da vida de um dos meus maiores tesouros. Assim como ficarei quinze dias impedido de falar com minha filha (e isso dói), Jesus também ficou impedido de ver a face do Pai quando carregou sobre Si todos os pecados do mundo, lá na cruz. E isso Lhe dilacerou o coração.

missao 2Nessas horas, doar dói, mas nos faz querer ainda mais que chegue logo o dia em que não mais haverá despedidas, saudade nem gente sofredora. Que o sacrifício infinito de Jesus e nossos pequenos sacrifícios logo possam ser plenamente recompensados por uma farta colheita de pessoas que, como nós, poderão viver para sempre pertinho do Pai.

Sinto um orgulho enorme da minha filhinha por se dispor a doar parte das férias para servir ao semelhante! Que Deus a recompense grandemente e que essa experiência fique profundamente marcada em seu coração.

 Michelson Borges

Nota: Por favor, lembre-se de orar por esse grupo de missionários.

Anúncios

O que perdi e o que ganhei

mestradoCerta vez, disse a um de meus ex-alunos (daquele tipo meio rebelde) que eu gostaria muito de ter tido a oportunidade que ele tinha: de poder estudar em um colégio adventista. Nasci em lar católico e fui alfabetizado em uma escola estadual. Depois estudei em duas escolas técnicas. Na segunda, onde me formei como técnico em química, conheci a mensagem adventista por intermédio de um colega de classe consciente de seu papel como missionário (saiba mais sobre isso aqui). Fui batizado aos 19 anos e sempre lamentei o fato de não ter conhecido a Igreja Adventista antes e de não ter podido desenvolver meu caráter e aprender as primeiras lições da vida em uma escola da Igreja. Daí meu sentimento de indignação com aquele aluno que parecia não dar valor ao tesouro que tinha ao alcance da mente e do coração.

Alguns meses depois do meu batismo, em 1991, mudei-me para Florianópolis, a fim de iniciar a faculdade de Jornalismo na Universidade Federal de Santa Catarina. Cheguei a pensar em trancar a matrícula, depois de dois anos de estudos, a fim de cursar Teologia no Unasp (na época, ainda IAE – campus central). Aconselhado por amigos, terminei o curso de Jornalismo, com a intenção de, em seguida, iniciar o teológico. Mas a falta de recursos financeiros me impediu de realizar o sonho (só que eu não sabia que Deus tinha outros planos para mim e compensaria toda a frustração).

Procurando ser fiel aos mandamentos divinos, recusei boas ofertas de emprego na área de comunicação e acabei por aceitar um convite para lecionar História no Colégio Adventista de Florianópolis. E foi justamente ali que tentei fazer aquele aluno ver o quão privilegiado ele era por estudar em uma escola adventista (o que depois ele acabou compreendendo, graças a Deus).

Foi ensinando que aprendi que “a verdadeira educação significa mais do que avançar em certo curso de estudos. É muito mais do que a preparação para a vida presente. Visa o ser todo, e todo o período da existência possível ao homem. É o desenvolvimento harmônico das faculdades físicas, intelectuais e espirituais. Prepara o estudante para a satisfação do serviço neste mundo, e para aquela alegria mais elevada por um mais dilatado serviço no mundo vindouro” (Ellen G. White, Educação, p. 13). Isso é que é educação. E que tremenda responsabilidade participar nesse processo ensino-aprendizagem.

Pude acompanhar de longe e ter como parâmetro professores cuja vida vale mais que muitos compêndios. Homens do quilate de um Orlando Ritter, um Pedro Apolinário – que vontade de ter estudado com mestres como eles… Mas Deus ainda me reservava uma tremenda compensação.

Depois de lecionar por dois anos e meio, recebi um chamado para trabalhar na Casa Publicadora Brasileira, inicialmente na Editoria de Livros Didáticos. Aos poucos, o sonho de Deus para mim se mostrava mais e mais claro. Mas tinha mais.

Em julho de 2006 tive o privilégio de iniciar o mestrado em Teologia no Unasp. Finalmente, depois de muitos anos, pude experimentar o ambiente de um internato adventista e ver realizado um desejo havia muito acalentado. No primeiro dia de aula, olhei para os lados e vi dezenas de pastores desejosos de adquirir mais conhecimentos e experiência para levar avante o ministério. Meus olhos se encheram de lágrimas e agradeci a Deus em silêncio o privilégio que Ele estava me concedendo.

Meu bondoso Senhor compensou tudo aquilo que não pude experimentar anteriormente e me fez lembrar das palavras do apóstolo Paulo: “Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo pelo prêmio da vocação celestial de Deus em Cristo Jesus” (Filipenses 3:13, 14).

A educação adventista, que nasceu no coração de Deus, deve continuar fazendo exatamente isso: levar homens e mulheres a olhar para a frente, para o alvo máximo do ser humano – a vida eterna com Jesus.

Michelson Borges

Nota: Alguns anos depois de formado, Deus me concedeu ainda outro presente: a ordenação ao santo ministério pastoral adventista.

ordenação

Adventismo relativista e o ataque aos testemunhos

ellen-whiteRecentemente um professor disse em um vídeo que não há problema algum o adventista tomar café, afinal, o que Ellen White escreveu sobre saúde são “apenas conselhos”; segue quem quer. Se um profeta inspirado lhe dá um conselho da parte de Deus, como você considera esse conselho? Se um anjo viesse orientá-lo sobre alguma coisa, você desprezaria a recomendação? Infelizmente, nota-se que a influência do relativismo pós-moderno tem feito estragos no meio cristão de modo geral, e no adventismo não é diferente. Verdades bíblicas vêm sendo relativizadas e questionadas à luz do falível, limitado e transitório conhecimento humano, e os textos inspirados de Ellen White igualmente têm sido alvo de ataques dessa natureza. Os que leem os livros que ela escreveu no século 19 ficam maravilhados com as antecipações científicas contidas neles. Por exemplo: mesmo pessoas religiosas costumavam justificar o consumo de álcool afirmando que em pequenas quantidades ele não faria mal. Ellen já havia dito que nem uma gota da substância deve entrar em nosso corpo. E mais uma vez a verdadeira ciência confirmou a revelação (confira aqui). Mas e quanto ao café, do exemplo citado acima? Tem problema ou não? Trata-se apenas de um conselho do tipo segue quem quer? Veja o que Ellen escreveu sobre o assunto:

“Tomar chá e café é pecado, condescendência prejudicial, que, como outros males, causa dano à alma” (Conselhos Sobre o Regime Alimentar, p. 425).

“Chá, café, fumo e álcool precisam ser apresentados como condescendências pecaminosas. Não podemos pôr a carne, os ovos, a manteiga e o queijo em pé de igualdade com esses artigos colocados sobre a mesa. Estes não devem ser postos na frente, como o tema principal de nossa obra. Os primeiros – chá [os que contêm cafeína, como o preto], café, fumo, cerveja, vinho e todas as bebidas alcoólicas – não devem ser ingeridos moderadamente, mas rejeitados” (Mensagens Escolhidas, v. 3, p. 287).

Como relativizar textos tão claros como esses sem incorrer no erro de simplesmente descartar a inspiração profética? E esse é apenas um entre muitos exemplos…

Em Apocalipse 12:17, Satanás é apresentado na forma de um dragão que persegue a mulher, símbolo da igreja verdadeira. O motivo da perseguição é bastante claro: porque a igreja guarda os mandamentos de Deus e tem o testemunho de Jesus. E de acordo com o próprio Apocalipse (19:10) o testemunho de Jesus é o “espírito de profecia”. Satanás perseguiu, persegue e continuará perseguindo a igreja, especialmente por causa desses dois pilares fundamentais. Ele tenta convencer as pessoas de que a lei de Deus é inadequada aos dias de hoje, que ela foi abolida, ou mesmo que a graça dispensa a lei. Mas, se permanecemos firmes nos princípios da santa lei, Satanás intensifica seus ataques em outra direção: contra o testemunho de Jesus.

Quando não consegue destruir a fé na lei de Deus, o inimigo tenta com todas as forças e formas destruir a fé no espírito de profecia, nos escritos de Ellen G. White. Isso funciona mais ou menos assim: o inimigo ajuda alguns a terem uma interpretação diferente da igreja. Faz com que eles tenham certeza de que estão certos. Quando ele acha que atingiu o objetivo, faz o arremate: mostra à pessoa uma citação do espírito de profecia que diga exatamente o oposto do que ela está pensando. Nesse momento, ou a pessoa se humilha diante de Deus e estuda a Bíblia em oração, ou mantém seu posicionamento, desacreditando o espírito de profecia. Esse é um processo gradual que leva a pessoa a não querer nem mesmo ouvir alguém pregar ou falar sobre Ellen White. Cria-se uma aversão infundada.

Levar as pessoas a extremos também é uma tática amplamente utilizada por Satanás. Se há os que esposam ideias legalistas e radicais a respeito dos escritos do espírito de profecia, há também os que os ignoram por completo. Os segundos às vezes até fazem isso em função dos primeiros. Mas uma leitura cuidadosa e sem preconceitos mostra que Ellen White foi uma mulher equilibrada em tudo o que escreveu. Portanto, os que usam seus escritos de forma inadequada e sem a devida consideração para com o contexto e a época da profetisa apenas lançam sombras sobre seu ministério. Para “ajustar o foco” a respeito da vida e obra dessa mulher singular, vale a pena ler o livro Mensageira do Senhor, de Herbert E. Douglass, e mesmo o livreto Histórias de Minha Avó, de Ella M. Robinson, neta da Sra. White (ambos da CPB).

Embora saibamos que a Bíblia é nossa única regra de fé e prática, e que os escritos de Ellen White são, como ela mesma diz, uma luz menor que conduz à luz maior, a negação da inspiração de tais escritos é algo muito sério. No livro Mensagens Escolhidas, volume 1, página 48, está escrito que “será ateado contra os testemunhos um ódio satânico. […] Satanás não pode achar caminho tão fácil para introduzir seus enganos e prender almas em seus embustes se as advertências e repreensões e conselhos do espírito de profecia forem atendidos”.

No mesmo livro, à página 84, é dito que “uma coisa é certa: os adventistas do sétimo dia que tomarem sua posição sob o estandarte de Satanás, primeiramente renunciarão à sua fé nas advertências e reprovações contidas nos testemunhos do Espírito de Deus”.

É curioso notar como há pessoas que vivem à caça de ideias especulativas que invariavelmente tendem a desviar a atenção do que realmente é essencial. Encontram as mais esdrúxulas “revelações”, tanto na Bíblia quanto no espírito de profecia. Quanto a isso, também, a mensageira do Senhor é bem clara: “Não devem ser promovidas ideias especulativas, pois há mentes singulares que gostam de apegar-se a um ponto que outros não aceitam, e argumentar e atrair tudo para aquele único ponto, insistindo nele, ampliando-o, quando ele na verdade não é de importância vital e será entendido de maneira discordante. Duas vezes me foi mostrado que se deve conservar em segundo plano tudo o que for de natureza a levar nossos pastores a divergirem dos pontos que são agora essenciais para este tempo” (Ellen G. White, Carta 37, 1887 [Manuscript Releases, v. 15, p. 20-22]).

É de extrema importância, pois, que saibamos dar a “razão [de nossa] esperança” (1 Pedro 3:15), alicerçada em profundo conhecimento bíblico, pois, “ao vir a sacudidura, pela introdução de falsas teorias, esses leitores superficiais não ancorados em parte alguma, são como areia movediça” (Ellen G. White, Testemunhos para Ministros, p. 112).

Mais ainda: não basta um conhecimento meramente racional da verdade. É preciso experiência. A verdadeira religião desce da mente para o coração e impregna toda a vida, pois está baseada numa relação de íntima comunhão com Jesus. Ellen White diz que “estão rapidamente se aproximando dias quando haverá grande perplexidade e confusão. Satanás, trajado com vestes angelicais, enganará, se possível, os próprios escolhidos. […] Soprará todo vento de doutrina. […] Os que confiaram no intelecto, no gênio ou talento, não permanecerão à testa das fileiras e colunas. Eles não mantiveram seu passo com a luz” (Ellen G. White, Testemunhos Para a Igreja, v. 5, p. 80).

A Bíblia nos adverte a estar bem firmados na Rocha e a ser cuidadosos em nossas interpretações para não perdermos a coroa da vitória (Efésios 4:14; Mateus 7:24, 25; 2 Pedro 3:15-18; Apocalipse 3:11). Devemos, acima de tudo, reconhecer o inestimável presente que nos foi legado por Deus por meio dos escritos inspirados de Ellen White, e utilizá-los em nossa edificação e na edificação do próximo. “Crede no Senhor, vosso Deus, e estareis seguros; crede nos Seus profetas e prosperareis” (2 Crônicas 20:20).

(Vanderlei Ricken é bibliotecário no Instituto Adventista Cruzeiro do Sul; Michelson Borges é pastor, jornalista e editor na Casa Publicadora Brasileira)

Saiba mais sobre o espírito de profecia na Bíblia. Clique aqui.

Pastor adventista é homenageado pela Igreja Mórmon

1No dia 24 de novembro, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, conhecida como a Igreja dos Mórmons, realizou mais uma edição do Prêmio Valores Familiares e Comunitários. Trata-se de um evento promovido pela organização religiosa que premia pessoas que se destacaram na cidade (região) durante o ano corrente. São pessoas que, de alguma forma, contribuíram para o bem da cidade, o alívio dos necessitados e a promoção dos valores da família tradicional. Na edição deste ano, pela primeira vez em Vitória da Conquista um ministro adventista do sétimo dia recebeu a honraria: o ex-líder de Jovens da Missão Bahia Sudoeste pastor Eleazar Domini. Além dele, mais três pessoas foram homenageadas: o Dr. Nivaldo Braz Carvalho de Burgos Soares, o maestro João Omar e a Orquestra Sinfônica de Vitória da Conquista, e a professora e Dra. Ana Palmira Bittencourt Santos Casimiro.

Por ocasião da cerimônia, o pastor Eleazar não somente recebeu o prêmio, como também tocou um hino clássico ao violão. Para a cerimônia foi convidado o Coral Jovem Adventista Conquistense (CJAC), que abrilhantou a cerimônia cantando, entre outros hinos, “Aleluia de Handel”, emocionando os presentes.

Eleazar esteve à frente do Ministério Jovem da Missão Bahia Sudoeste em 2018, desenvolvendo vários projetos que foram vistos pela comunidade e trouxeram visibilidade para a obra adventista, fazendo com que o pastor fosse procurado pela liderança da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, a fim de ser um dos quatro homenageados neste ano.

O pastor Eleazar Domini, além de bacharel em Teologia, é mestre em Teologia na área de Interpretação e Ensino da Bíblia com ênfase na língua hebraica, e atuou em 2018 nas áreas de jovens, desbravadores, aventureiros, universitários, comunicação e liberdade religiosa para toda região Sudoeste e Oeste da Bahia. É casado com Gisele Domini e tem duas filhas: Hannah e Isabella.

Clique aqui e aqui para assistir aos vídeos de divulgação do prêmio.

O mundanismo que invade a igreja

mundanismoRecentemente, meu amigo Matheus Cardoso escreveu em sua página no Facebook: “O que chamamos de mundanismo e liberalismo: maquiagem, joias, cinema, bateria, rock (sic), dança, pregar sem terno e gravata. O que jovens adventistas praticantes estão aprendendo: feminismo, aborto, ideologia (sic) de gênero, movimentos sociais, direitos humanos (sic), relativismo, pluralismo, marxismo, releitura sociológica da Bíblia. Enquanto combatermos práticas que poderiam ser desafios 30, 40 anos atrás, o que realmente é mundanismo e paganismo continuará entrando na igreja e acharemos que são apenas pontos de vista inofensivos.”

Há dois anos fui convidado a apresentar uma palestra sobre cinema em uma igreja grande, com muitos jovens. De fato, em meu livro Nos Bastidores da Mídia, há um capítulo dedicado a esse assunto, mas, naquela ocasião, entendi que deveria tratar de um problema ainda mais grave. Dediquei uns dez ou quinze minutos ao tema do cinema e todo o restante do tempo utilizei-o para falar sobre séries. Enquanto alguns continuam a “bater” no cinema (e não estou dizendo com isso que sou a favor da ida a esse ambiente), milhões de cristãos viram noites assistindo episódio após episódio, em verdadeiras “maratonas de séries”. Alguns admitem publicamente nas redes sociais serem fãs de produções que exaltam o incesto, a violência gratuita, o lesbianismo e o estupro, como é o caso da incensada “Game of Thrones”. Na tela de seus tablets e celulares, jovens desperdiçam horas e horas que deveriam ser dedicadas à leitura, à oração e mesmo ao repouso do sono. Um tempo exagerado enchendo a mente com as ideias dos produtores de séries ávidos por uma plateia viciada e lucrativa. Horas e horas aprendendo sobre o verdadeiro “mundanismo”. O mundo mudou rapidamente e o problema definitivamente entrou em nossos lares.

Creio que ainda precisamos tratar com sabedoria, tato e prudência do “velho mundanismo”, sem nos esquecer do novo, que tem causado estragos imensamente maiores, pois se trata de ideias, conceitos, filosofias que estão mudando profundamente a mentalidade dos cristãos, criando uma geração de crentes relativistas desconectados da Bíblia. Uma nova geração de crentes ideologizados e desdoutrinados que cumpre à risca a triste profecia de Jesus: “Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?” (Lucas 18:8). Afinal, como desenvolver fé (confiança) em Deus se não passamos tempo com Ele? Como desenvolver fé se nossa mente é inundada de conceitos que atentam contra ela? Como ter fé em quem com o tempo tem Se tornado um ilustre desconhecido para pessoas que mais e mais se tornam ateias funcionais?

O mundanismo continua entrando na igreja, mas desta vez a coisa toda é tão mais sutil e complicada que chega a dar saudade do tempo em que o problema eram a maquiagem e a bateria. Quem disse que os últimos dias seriam fáceis?

Michelson Borges

Deus fez de tudo para trazê-las de volta

1 (51)Ontem tive a grande alegria de batizar as jovens Cígredy Neves e Ohana Berger, em Ceilândia, Distrito Federal. A Cígredy é jornalista e a Ohana estuda Engenharia Aeroespacial na Rússia. Ambas são primas e nasceram em lar adventista. Infelizmente, durante algum tempo estiveram fora da igreja, mas Deus, em reposta à oração de muitas pessoas, moveu as circunstâncias de modo impressionante para que as duas voltassem para Jesus e para a igreja. Tive o privilégio de estudar a Bíblia com elas via WhatsApp e me sinto muito feliz em ser testemunha de tudo o que Deus fez na vida delas. Leia abaixo o testemunho delas e depois assista ao vídeo:

História de Cígredy Neves:

Cresci em um lar adventista e minha família toda é adventista. Estudei na Faculdade Adventista da Bahia, no Unasp e trabalhei na CPB. Então sempre foi fácil, conveniente e uma tradição familiar ser cristã.

Tudo começou a mudar em 2012, quando meu marido na época quis sair da igreja e queria que eu saísse para festas com ele também. Como eu não quis e a esposa do meu primo estava com as mesmas ideias que meu marido, eles acabaram tendo um caso. Os dois divórcios foram bem conturbados e eu perdi as estruturas.

De lá pra cá eu vivi no mundo, frequentava festas, bebia, mas vez ou outra ainda ia à igreja. Em muitas vezes só chegava na porta da igreja e voltava pra casa por vergonha, por não entender que Deus me aceitaria de volta do jeito que eu estava.

Então comecei a orar muito, pedindo perdão a Deus e clamando por misericórdia. Era a época do acampamento de carnaval deste ano e passei pelo Instagram da igreja da Ceilândia Sul, onde tinha alguns amigos. Comecei a acompanhar os posts todos os dias e decidi que no sábado seguinte estaria na igreja e largaria tudo pra trás.

E cá estou eu. Hoje não estou na igreja por conveniência, mas por convicção. Não consigo mais enxergar a minha vida sem Jesus.

Hoje faço parte do coral da igreja, dos Doutores da Esperança (palhaços de hospital) e estudo para ser uma médica missionária muito em breve.

História de Ohana Berger:

Mesmo tendo nascido na igreja, me afastei na adolescência e acabei seguindo um caminho que ia contra os princípios que aprendi desde o berço.

Apesar de não frequentar a igreja, sempre senti a presença de Deus e do Espírito Santo, dizendo ao meu coração que não era aquele o destino preparado pra mim. Orava diariamente, algumas vezes lia a Bíblia e sentia vontade de voltar 100% àquilo que me foi ensinado, mas o mundo já havia me envolto de uma forma que seria necessária uma força grande pra que eu saísse dali, força que até então eu não tinha.

Em 2016, em uma decisão súbita, resolvi me mudar para a Rússia, a fim de seguir meu sonho de estudar Engenharia Aeroespacial. Como sempre fiz, apesar de tudo, orei muito e pedi pra que Deus impedisse a viagem caso eu não devesse ir. Ocorreu tudo milagrosamente bem. No final do ano de 2016, poucos dias antes da viagem, frequentei um programa de 12 dias de oração, cada dia abençoando um mês do ano de 2017.

Viajei e ocorreu tudo absurdamente bem. Cumpri todos os meus objetivos, alcancei todas as metas e fui abençoada de uma forma tão tremenda que eu sentia no meu coração que eu não merecia.

O amor de Deus por mim me constrangeu de uma maneira tão intensa, que me empurrou pra perto dEle e pra longe do mundo. Comecei a frequentar igrejas protestantes e até mesmo minha forma de falar e de me vestir mudou.

Em 2018 aconteceu algo que não acontecia há pelo menos 4 anos: descobri que teria uma prova no sábado e aquilo me incomodou. Eu não guardava o sábado há muito tempo e infelizmente algumas vezes sequer notava que o sábado havia chegado. Mas mesmo já tendo feito provas no sábado antes, aquela em específico me incomodou. Conversei com minha avó sobre o que senti e ela me disse que havia chegado a hora pela qual ela havia orado tantos anos: a hora de eu voltar para a igreja.

Foi difícil, principalmente porque o número de adventistas na Rússia é muito pequeno. Não existe a “liberdade religiosa” como existe no Brasil, ou seja, eu não posso faltar uma aula ao sábado simplesmente porque minha religião guarda esse dia.

Orei durante dois dias e falei com a diretora do meu curso. Ela aceitou, disse que eu poderia fazer a prova em outro momento. A partir disso eu fiquei conhecida entre os colegas de turma como uma pessoa religiosa. Me agradei muito e senti, pela primeira vez, que estava passando a imagem que Deus queria que eu transmitisse.

Desde então tem sido uma luta diária, com altos e baixos, que culminaram na decisão pelo meu batismo. Mesmo com muitas falhas e dúvidas, sinto que essa aliança com Deus é o restante da força que eu preciso pra seguir na minha caminhada e sou muito grata a Deus por ter me permitido chegar a este dia.

Jovens querem religião mais consistente e conservadora

gospelÉ um erro pensar que os jovens só gostam de festa e entretenimento, e que se não dermos isso para eles numa versão “cristianizada” eles acabarão buscando essas coisas “lá fora”. Pelo menos é o que mostra uma tendência interessante observada em pesquisas no Brasil e no mundo. Veja o que escreveram duas pessoas a respeito de certa migração irrefletida para o conservadorismo (e os perigos que isso envolve):

“Amo os católicos, sobretudo os muitos amigos católicos que tenho. O que direi não se refere a eles, mas ao fenômeno cada vez maior de evangélicos, sobretudo jovens, voltando-se ao catolicismo. Em geral, eles não demonstram fazê-lo, por exemplo, em virtude de haverem examinado as Escrituras e, a partir disso, alterado suas convicções teológicas (o que seria algo honesto), mas por culto ao tradicionalismo, à ideologia conservadora e aos seus ícones, muito abundantes no meio católico. Tal comportamento, além de demonstrar infantilidade e personalidade fraca, aponta para o fato do quanto qualquer ideologia pode nos fazer abrir mão do que nos é caro como oferta de sacrifício no altar da idolatria. O sujeito acha que a redenção se encontra no tradicionalismo, conservadorismo, progressismo, esquerdismo… e sai à procura de bandeiras que prometam a redenção que jamais poderão dar” (Vanedja Cândido).

“Quando o conservadorismo deixa de ser uma postura e passa a ser uma ideologia, o efeito espiritual é tão devastador quanto comunismo, feminismo, etc. Afinal, toda ideologia se propõe ser uma panaceia e usurpar a prerrogativa divina de redenção (seja de modo parcial ou total)” (Davi Caldas).

O conservadorismo não é um mal em si (qualquer hora escrevo sobre isso), mas o ato de abraçar ideologias de maneira irrefletida, isso é. Só que quero me deter aqui no fenômeno da busca de um sentido na religião. Matéria publicada no New York Times revelou uma tendência que guarda certa semelhança com esse fenômeno brasileiro: jovens evangélicos migrando para religiões calvinistas. E parte dessa atração pelo calvinismo certamente se deve ao fato de que ele representa uma alternativa à teologia superficial e feita para agradar o consumidor que predomina em muitas igrejas. A doutrina é descartada como irrelevante, a Bíblia é utilizada como um manual de autoajuda e a adoração é substituída por várias formas de entretenimento (liberais ou conservadores).

Veja o que Ellen White escreveu há mais de um século: “Deus nos chama a um reavivamento e uma reforma. As palavras da Bíblia, e da Bíblia somente, deveriam ser ouvidas do púlpito. Mas a Bíblia tem sido despida de seu poder, e o resultado é ausência de vigor espiritual. Em muitos sermões de hoje não existe aquela manifestação divina que desperta a consciência e traz vida à alma. Os ouvintes não podem dizer: ‘Não estava queimando o nosso coração, enquanto Ele nos falava no caminho e nos expunha as Escrituras?’ (Lc 24:32). Muitos estão clamando pelo Deus vivo, ansiando pela presença divina. Permitam que a Palavra de Deus fale ao coração deles. Deixem que os que têm ouvido apenas tradições, teorias e ensinos humanos ouçam a voz dAquele que pode renová-los para a vida eterna” (Profetas e Reis, p. 626; itálicos acrescentados)

Temos a advertência inspirada do passado e o exemplo de fenômenos presentes. Por que esperar que o profetizado e o já experimentado ocorram entre nós? Menos show e mais Bíblia! Menos espetáculo e mais missão! O conteúdo bíblico sólido estudado, pregado e cantado alimenta a mente e o coração, e a missão exercita a fé e solidifica a experiência com Deus. O entretenimento ocupa os sentidos por algumas horas, mas depois se dissipa deixando um vazio que clama pelo próximo evento, e pelo próximo, e pelo próximo.

Como adventistas, temos a “faca e o queijo” na mão – temos o conteúdo e o propósito. Nascemos como um movimento profético que deve anunciar as três mensagens angélicas ao mundo. Façamos isso e salvaremos esta geração carente de identidade. Sem contar que o “efeito colateral” disso será o abalo do mundo com a mensagem de salvação proclamada por um povo cheio do Espírito Santo.

Michelson Borges