Livro do ano dos Desbravadores

Adquira agora mesmo o seu, com frete grátis (clique aqui).

Anúncios

Livros que todo cristão deveria ler antes de ir para a universidade

girl-readingDe vez em quando alguém me pergunta que livros eu li para solidificar minha visão de mundo teísta/criacionista e que livros recomendo para quem queira ter contato com esse universo por meio de bons autores. Felizmente, existem ótimos livros em língua portuguesa para aqueles que querem aprofundar seus conhecimentos sobre teísmo, criacionismo, ciência e religião. A lista a seguir é especialmente útil para os universitários e pré-universitários cristãos interessados em se preparar devidamente para enfrentar os desafios intelectuais da vida acadêmica, à luz de 1 Pedro 3:15. Alguns dos títulos são de minha autoria e outros são bem mais recentes do que os que eu li quando ainda estava “migrando” do evolucionismo para o criacionismo (conheça essa história aqui). Faça planos de ir adquirindo um por vez e montando, assim, sua biblioteca de apologética cristã/criacionista. Depois disso, vá à luta! – Michelson Borges

a_descobertaA DESCOBERTA – O subtítulo deste livro é “A experiência que revolucionou a vida de um cientista ateu”. Por que comecei a lista com ele? Por se tratar de uma leitura fácil, envolvente e bastante instrutiva. Escrito pelo advogado Denis Cruz e pelo jornalista Michelson Borges, o livro é uma ficção científica, por assim dizer. Descreve a jornada de um físico nuclear ateu em busca de respostas, enquanto lida com grandes dramas em sua vida. Tenho certeza de que você só vai conseguir parar de ler quando chegar à última página. Clique aqui e adquira o seu.

alexONZE DE GÊNESIS – O Criador teria deixado a assinatura de Sua intervenção na natureza? Existem evidências de uma criação sobrenatural? É possível mudar uma visão de mundo graças ao simples contato com essas evidências? A fé deve aceitar tudo sem verificação, ou ela deve estar amparada em fatos e na razão? Até onde vai a criatividade de um pai a fim de revelar-se a um filho por meio de vestígios de sua atuação? Essas e outras questões são respondidas em Onze de Gênesis: De pai para filho, uma obra na qual ficção e realidade se alternam a ponto de deixar o leitor atento do início ao fim da leitura. Escrito pelo criador do ministério 11 de Gênesis, Alexandre Kretzschmar. Clique aqui e adquira o seu.

logicaA LÓGICA DA FÉ – Subtítulo: Respostas inteligentes para perguntas difíceis sobre nossas crenças. Ao longo da era cristã, especialmente após o Iluminismo, muitos céticos têm duvidado da confiabilidade da Bíblia. Com o surgimento do pós-modernismo, isso se intensificou, e veio à tona uma nova rodada de questionamentos a respeito de vários pontos básicos para a cosmovisão bíblica. A Lógica da Fé, organizado por Humberto Rasi e Nancy Vyhmeister, contém vinte capítulos que pretendem responder a questões como: O que significa dizer que a Bíblia é inspirada? Fé e razão são compatíveis? Milagres são possíveis? Se Deus é bom e todo-poderoso, como pode permitir o sofrimento? Realmente importa o que eu creio, contanto que eu seja sincero? Escritos por alguns dos mais respeitados eruditos adventistas, os temas escolhidos giram em torno de importantes e profundas perguntas da fé cristã, que foram respondidas de forma inteligente, consistente e agradável. Clique aqui e adquira o seu.

feNÃO TENHO FÉ SUFICIENTE PARA SER ATEU – Escrito por Norman Geisler e Frank Turek, o livro reúne os principais argumentos teístas, numa apologética simples, resumida e convincente. Duas ressalvas: os autores defendem o mito do inferno eterno e mencionam o domingo como dia de guarda. Clique aqui e adquira o seu.

historia_vida_capaA HISTÓRIA DA VIDA – Depois de dez anos da publicação de A História da Vida, o livro passou por uma atualização e esta nova edição revista reúne o que há de mais atual com respeito à controvérsia entre criacionismo e evolucionismo – sem perder a característica que identifica a obra desde o início: a linguagem é simples e o conteúdo, acessível. O autor procura responder perguntas como estas: Deus existe? Qual a origem do Universo e da vida? A teoria da evolução é coerente? O criacionismo é científico? Podemos confiar na Bíblia? O dilúvio de Gênesis é lenda ou fato histórico? De onde vieram e para onde foram os dinossauros? O que dizer dos métodos de datação? Clique aqui e adquira o seu.

defesaEM DEFESA DA FÉ – O jornalista ex-ateu Lee Strobel se propôs mostrar as “incoerências e contradições” do cristianismo. Depois de anos de investigação e pesquisa, abandonou o ateísmo e se tornou um dos grandes apologetas cristãos contemporâneos. No livro Em Defesa de Cristo, Strobel expõe diversos argumentos favoráveis e contrários à pessoa de Jesus. No Em Defesa da Fé, ele trata de um dos fundamentos do cristianismo: a fé. Strobel lida com objeções como: (1) Uma vez que o mal e o sofrimento existem, não pode haver um Deus amoroso. (2) Uma vez que os milagres contradizem a ciência eles não podem ser verdadeiros. (3) A evolução explica a origem da vida, de modo que Deus não é necessário. (4) Se Deus mata crianças inocentes, Ele não é digno de adoração. Etc. Clique aqui e adquira o seu.

morte razaoA MORTE DA RAZÃO – A Morte da Razão: Uma Resposta aos Neoateus é uma resposta ao livro Carta a Uma Nação Cristã, do ateu militante Sam Harris, mas bem pode ser lido como uma resposta breve ao neoateísmo de modo geral, defendido por figuras como Dawkins, Hitchens, Dennett e outros. O indiano Ravi Zacharias sabe muito bem do que está falando, pois foi ateu e, no tempo em que cursava filosofia em Nova Délhi, por sugestão das ideias de Albert Camus, tentou o suicídio. Não foi bem-sucedido e acabou no hospital. Ali ganhou uma Bíblia e sua vida deu uma guinada. O livro tem apenas 110 páginas, mas traz inspiração e lições para uma vida. Clique aqui e adquira o seu.

lennoxPOR QUE A CIÊNCIA NÃO CONSEGUE ENTERRAR DEUS – Escrito pelo matemático britânico John C. Lennox, da Universidade de Oxford, o livro Por Que a Ciência Não Consegue Enterrar Deus defende com argumentos sólidos e linguagem clara a coexistência entre o conhecimento científico e o religioso. Um dos pontos fortes da obra são as citações de pensadores e autores importantes e as comparações e ilustrações (como o “bolo da tia Matilde”), que ajudam na compreensão do conteúdo. Clique aqui e adquira o seu.

descobreA CIÊNCIA DESCOBRE DEUS – Em seu livro A Ciência Descobre Deus, o biólogo Dr. Ariel Roth menciona a ocasião em que visitou a famosa Abadia de Westminster, na Inglaterra. Ali estão sepultados Newton e Darwin. Roth relembra: “Quando visitei os túmulos desses dois ícones do mundo científico, não pude deixar de meditar sobre o legado contrastante sobre Deus que ambos deixaram à humanidade. […] A vida de Newton ilustra claramente como a excelência científica e uma firme fé em Deus podem andar de mãos dadas.” Roth lida de forma competente com perguntas como estas: Será que um Designer criou nosso universo, ou ele evoluiu de maneira espontânea? Pode a ciência ser objetiva e, ao mesmo tempo, admitir a possibilidade de que Deus existe? Isso faz diferença? Deus existe? Segundo Roth, a própria ciência está oferecendo as respostas. Clique aqui e adquira o seu.

everton1REVISITANDO AS ORIGENS – O livro Revisitando as Origens, do mestre em imunogenética Everton Fernando Alves, convida-nos a conhecer e explorar assuntos atualizados sobre as origens, organizados em dois núcleos temáticos que se complementam, a saber: História Geológica da Terra e História da Vida na Terra. Esses temas têm gerado muita controvérsia, até mesmo dentro da própria comunidade criacionista. O autor incorporou no livro uma pesquisa sistemática que vinha fazendo ao longo de vários anos a fim de construir um referencial bibliográfico de peso, no fim de cada capítulo. O objetivo da obra é fazer com que mais pessoas tenham acesso a essas evidências científicas difíceis de ser encontradas, e que amparam o relato bíblico em várias áreas do conhecimento humano. Clique aqui e adquira o seu.

 

verdade-absolutaVERDADE ABSOLUTA – Subtítulo: Libertando o cristianismo de seu cativeiro intelectual. Nancy Pearcey se converteu em grande parte graças às ideias de Francis Schaeffer (outro autor que vale a pena conhecer). Pós-graduada em teologia e filosofia, ela é catedrática no Instituto de Jornalismo Mundial e professora convidada da Universidade Biola, na Califórnia, e do Discovery Institute. A tese da autora é de que “somente pela recuperação de uma visão holística da verdade total podemos libertar o evangelho para que se torne uma força redentiva que permeie todas as áreas da vida”. Pearcey relata sua jornada pessoal como estudante luterana, sua rejeição da fé e seu retorno a Deus. Ela relata, também (entre outras), a história do filósofo cristão Alvin Plantinga (outro que vale muito a pena ler), que provocou a volta para a comunidade filosófica de acadêmicos comprometidos com uma visão teísta da filosofia analítica. O livro ajuda a mostrar a relevância do cristianismo para uma sociedade pós-moderna que vive numa espécie de vácuo intelectual.

everton2TEORIA DO DESIGN INTELIGENTE – Teoria do Design Inteligente, escrito pelo mestre em imunogenética Everton Fernando Alves, é uma das duas primeiras obras genuinamente brasileiras, relevantes e exclusivas acerca do design inteligente. São 31 capítulos fundamentados em mais de 350 artigos científicos (revisados por pares) que confirmam as teses do design inteligente. Clique aqui e adquira o seu.

por_que_creioPOR QUE CREIO – O livro reúne 12 entrevistas feitas pelo jornalista Michelson Borges com pesquisadores de áreas diversas, como física, bioquímica, matemática, biologia, arqueologia e teologia. Onze deles contam por que são criacionistas e apresentam fortes argumentos a favor do modelo. O último entrevistado é o bioquímico Michael Behe, autor do livro A Caixa Preta de Darwin (leitura que também vale a pena). Behe expõe argumentos que demonstram a insuficiência epistêmica do darwinismo. Clique aqui e adquira o seu.

ceticismoO CETICISMO DA FÉ – Em O Ceticismo da Fé: Deus, uma dúvida, uma certeza, uma distorção, o teólogo e arqueólogo Rodrigo Silva apresenta um estudo profundo sobre a existência de Deus. O objetivo primário da obra, entretanto, não é um convencimento sobre Deus, mas acompanhar crentes e descrentes nessa jornada sem-fim, inerente a todo ser humano em busca da verdade. René Descartes ajudou Rodrigo a ter o insight: “O homem deve desconfiar de tudo para poder acreditar em alguma coisa.” Este livro convida o leitor, seja o ateu ou o religioso mais convicto, a questionar, a pensar, a se comprometer sinceramente com a dúvida, a fim de que sua sistematização o conduza a grandes certezas. Clique aqui e adquira o seu.

misteriosMISTÉRIOS DA CRIAÇÃO – Juntamente com o Dr. Humberto Rasi, o biólogo Dr. James Gibson organizou o livro Mistérios da Criação. A obra reúne um “time de peso” formado por cientistas e pesquisadores, muitos dos quais ligados ao Geoscience Research Institute. Temas como a harmonia entre a ciência e a Bíblia, evidências da existência do Criador, Big Bang e origem da vida, dinossauros e métodos de datação, dilúvio e registro fóssil, entre outros (ao todo, 20 questões científicas), são tratados com clareza e profundidade. Clique aqui e adquira o seu.

origensORIGENS – É possível harmonizar a ciência e a Bíblia? A ciência moderna, por meio da teoria da evolução, conseguiu refutar a narrativa bíblica da origem da vida? Quem aceita a teoria criacionista precisa, necessariamente, rejeitar a ciência? O cientista criacionista Dr. Ariel Roth procura demonstrar que a harmonia entre a ciência e a religião bíblica nos traz uma compreensão mais completa do mundo que nos cerca e do significado da existência humana. Roth é doutor em Zoologia pela Universidade de Michigan, Estados Unidos. Clique aqui e adquira o seu.

escavandoESCAVANDO A VERDADE – Escrito pelo professor de teologia e doutor em Arqueologia Rodrigo Silva, Escavando a Verdade: A Arqueologia e as incríveis histórias da Bíblia “não se trata de um livro técnico, muito menos exaustivo. Aqui vamos tratar das evidências do Antigo Testamento e da vida de Jesus no Novo Testamento”. Rodrigo participou de escavações em várias partes do mundo, além de ser o apresentador do programa “Evidências”, da TV Novo Tempo. Portanto, nas 176 páginas de seu livro, ele fala do que viu e tocou e não apenas do que pesquisou ou leu. Clique aqui e adquira o seu.

no_principioNO PRINCÍPIO – De onde viemos? Esta é uma das perguntas fundamentais abrigadas no espírito humano. Duas respostas se destacam, entre tantas outras. Muitos creem que somos resultado de milhões de anos de um longo processo evolutivo. Outros acreditam que a vida surgiu de uma criação recente, há poucos milhares de anos. Em diversos contextos, a teoria da evolução tem sido vendida como fato científico, e a criação é rotulada como folclore religioso. Entretanto, a realidade é bem mais complexa. Ao ler esta obra, você encontrará respostas honestas para dilemas cruciais enfrentados por ambos os lados no acalorado debate sobre as origens. Com uma abordagem séria e acadêmica, tanto quanto acessível, este livro renovará sua compreensão sobre esse tema polêmico. Clique aqui e adquira o seu.

ortodoxiaORTODOXIA – Grande pensador do século 19, dono de um estilo bem-humorado, G. K. Chesterton critica com classe e profundidade as incoerências do pensamento ateu. C. S. Lewis, outro ex-ateu famoso, foi profundamente influenciado pelas ideias de Chesterton. Nesse livro, lançado em 1908, Chesterton refaz sua trajetória espiritual e mostra como mudou do agnosticismo à crença. Ele provoca: “Para responder ao cético arrogante, não adianta insistir que deixe de duvidar. É melhor estimulá-lo a continuar a duvidar, para duvidar um pouco mais, para duvidar cada dia mais das coisas novas e loucas do Universo, até que, enfim, por alguma estranha iluminação, ele venha a duvidar de si próprio.” Clique aqui e adquira o seu.

Frases de Ellen WhiteEDUCAÇÃO – A verdadeira educação significa mais do que avançar em determinado programa de estudos. É com isso em mente que Ellen White enfatiza a importância de harmonizar o que é verdadeiro com o desenvolvimento completo das capacidades do ser humano. Não basta conquistar diplomas, ter um corpo perfeito ou ganhar muito dinheiro. Ser educado, no  entendimento da autora, é ter autonomia e autocontrole, é pensar e agir com base em princípios tão poderosos como o amor e a honestidade. Por isso, desde 1903, ano em que foi publicado, este livro tem resistido ao tempo e tem sido uma ferramenta valiosa para sucessivas gerações de educadores, pais e estudantes. Clique aqui e adquira o seu.

TODOS os da Sociedade Criacionista Brasileira. Clique aqui e conheça.

Ministério 11G indica livro Terra de Gigantes

Damares Alves é criticada por defender ensino do criacionismo

damaresUma nova polêmica foi criada em torno da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves: sua opinião a respeito da teoria da evolução. Nas imagens de uma entrevista concedida por ela em 2013, Damares responde sobre o papel da igreja evangélica na política e observa que os cristãos perderam influência nas escolas. “A igreja evangélica perdeu espaço na história. Nós perdemos o espaço na ciência quando deixamos a teoria da evolução entrar nas escolas, quando nós não questionamos. Quando nós não fomos ocupar a ciência. A igreja evangélica deixou a ciência para lá e ‘vamos deixar a ciência sozinha, caminhando sozinha’. E aí cientistas tomaram conta dessa área”, diz a ministra no vídeo. Em nota, o ministério informou que “a declaração ocorreu no contexto de uma exposição teológica que não tem qualquer relação com as políticas públicas que serão fomentadas” pela pasta.

[Continue lendo.]

Drauzio Varella outra vez

drauzio-varella[O Dr. Drauzio Varella, a quem respeito como médico e autor, publicou na semana passada o texto “Criacionismo outra vez”, expondo novamente suas ideias equivocadas com respeito ao criacionismo, algo que ele já fez e que eu comentei aqui. No texto abaixo, meus comentários seguem entre colchetes. – MB]

Voltamos a falar no ensino do criacionismo nas escolas. A mania de andar para trás teima em nos perseguir. Até 1859, quando Charles Darwin publicou o livro sobre a origem das espécies, todos acreditavam que Deus os havia criado num único dia. Essa crença começou a ser questionada no século 19, época em que os museus ingleses passaram a exibir plantas e esqueletos de animais já extintos. Como justificar o desaparecimento de tantas espécies tão semelhantes às que ainda povoavam a Terra? A explicação corrente era a de que a ira divina exterminava periodicamente algumas espécies para criar outras, parecidas com as anteriores. [Não, a explicação criacionista sempre foi a de que a Terra sofreu as consequências de uma catástrofe chamada dilúvio, que levou à extinção de toda forma de vida não preservada na arca de Noé, daí por que há tantos fósseis espalhados pelo planeta e hoje seus descendentes mais ou menos limitadamente modificados vivem sobre a Terra.]

[Continue lendo.]

Fósseis do Araripe: Que história eles nos contam?

“Orifício frontal”? Vagina é bem diferente de ânus

vagina-museum-ledeParece não haver limites para as sandices cometidas pelos defensores da ideologia de gênero e da inclusividade. Desta vez foi o portal de informações norte-americano sobre saúde Healthline que forçou um pouco mais os limites do politicamente correto ao afirmar que o uso do termo médico/biológico “vagina” não é “linguagem inclusiva de gênero”, e então usa intercambiavelmente a expressão “orifício frontal”. “É imperativo que guias sexuais seguros se tornem mais inclusivos para as pessoas LGBTQIA e não binárias”, afirma o guia da Healthline. “Para os fins deste guia, vamos nos referir à vagina como o ‘orifício da frente’, em vez de usar apenas o termo médico ‘vagina’”, continua o documento. “Essa é uma linguagem inclusiva de gênero que considera o fato de que algumas pessoas trans não se identificam com os rótulos que a comunidade médica atribui aos genitais.”

O guia diz ainda que algumas pessoas trans e não binárias designadas como femininas ao nascer podem gostar de ser participantes do “sexo penetrativo”, mas não se sentem confortáveis quando essa parte de seu corpo é mencionada usando uma palavra que a sociedade e as comunidades profissionais associam com feminilidade. “Uma alternativa que está se tornando cada vez mais popular em comunidades trans e queer é o ‘buraco’ ou ‘orifício’ da frente.”

E então, renomeando-a, a vagina deixa de ser vagina e passa a ser comparada ao “orifício de trás”.

Embora o site afirme que não se trata de uma redefinição de palavras (confira), admite usar no guia a expressão “front hole” (“orifício da frente”) em lugar de vagina, a fim de não ofender pessoas transgêneros com uma palavra tipicamente feminina. A continuar assim logo mais a palavra “vagina” se tornará preconceituosa. E mais uma vez nessa batalha de ideologias quem sai perdendo são as mulheres, que logo terão que pedir desculpas por serem femininas – algo que os machos já têm tido que fazer em certos casos. A vagina, órgão projetado por Deus para permitir a união (que deveria ser) abençoada entre um homem e uma mulher, e o órgão por onde um bebê chega ao mundo, acaba sendo comparada ao órgão excretor por onde são evacuados os resíduos digestivos. Se fosse mulher, eu não concordaria de forma alguma com essa desfeminização de um órgão tão característico da feminilidade humana e da maternidade.

Bem, deixando essa besteirada toda de lado, cabe aqui uma boa reflexão sobre o design inteligente da vagina e do ânus e as enormes diferenças que há entre uma e o outro. Pedi ajuda aos amigos médicos Ivan Stabnov e Angela Andrade. Ele é gastroenterologista e endoscopista digestivo e ela é ginecologista e obstetra. Vamos às comparações:

Reto e ânus:

  1. O reto é um local com muitos microrganismos, ou seja, potencialmente infectante.
  2. Apesar de ser um local preparado para enfrentar resistência a micro-organismos, a estrutura é mais frágil porque só tem uma camada de células.
  3. Como há mais linfócitos na região é mais fácil adquirir a infecção pelo HIV, já que os linfócitos são células-alvo.
  4. Como a função do local é de absorção de fluidos, a junção disso com presença de linfócitos e maior risco de fissuras torna bem maior a chance de se adquirir uma doença séria como a Aids.
  5. Pela presença de fezes aumenta o risco de infecção urinária no penetrante.
  6. O risco de fazer fissuras (pequenas feridas) é maior no reto pela falta de lubrificação e maior atrito.
  7. A cobertura de células colunares é mais delgada que na vagina e isso torna maior o risco de fissuras.
  8. Em caso de sexo anal e a seguir vaginal, sem a devida higiene, há riscos para a mulher de infecções vaginais e urinárias.
  9. Pela manipulação anal há o aumento de transferência de bactérias fecais para a uretra, aumentando também a incidência de infecção do trato urinário.
  10. O ânus e o reto são órgãos de excreção, portanto, o caminho natural é para fora.
  11. A presença de válvula (ânus) confere maior possibilidade de traumas durante a penetração.

Vagina:

  1. O epitélio vaginal é descamativo, epitélio pavimentoso estratificado não queratinizado. Isso significa que há várias camadas de células uma sobre a outra, o que forma uma barreira natural.
  2. Por ser o epitélio vaginal mais espesso (tem espessura de 150 a 200 µm) o vírus da Aids, quando chega ali, encontra um ambiente desfavorável; ele não consegue entrar no epitélio vaginal, a não ser que haja lesões nesse epitélio, chegando ao conjuntivo.
  3. A vagina é um órgão preparado fisiologicamente para recepção do pênis, adaptada a fricção pela síntese de muco pelas glândulas ali presentes, o que garante lubrificação.
  4. As dobras da mucosa vaginal permitem que ela se distenda e fique maior e mais larga no caso de uma penetração, o que diminui a possibilidade de traumas.
  5. A vagina não possui válvula, o que facilita a penetração e também diminui traumas.

vulvarose1Resumindo: o reto foi projetado para duas funções básicas. A primeira é armazenar fezes para que o ser não necessite evacuar a cada momento. A segunda é absorver água para que as fezes não sejam diarreicas, ou melhor, tenham formato e consistência confortáveis para a realização do ato da evacuação. O ânus é um esfíncter com dupla válvula, uma de controle externo – ou seja, temos o controle dela –, e outra de controle interno, autorregulado pelo organismo. A função do ânus é de regular a saída das fezes. Ambas as estruturas têm seu caminho habitual, seu vetor, no sentido interno para o externo. A introdução de algo pelo ânus até o reto é contrária à fisiologia.

A vagina tem mais funções. Serve como conduto para a saída do feto após a gestação. É o local utilizado pelo organismo para expulsar o conteúdo menstrual após a maturação do endométrio, sem que haja gravidez. Também é o órgão sexual feminino que recebe o órgão sexual masculino, portanto, tem fisiologia normal tanto para entrada quanto para saída de algo.

Podem redefinir as palavras e os conceitos o quanto quiserem, mas vagina continuará sendo vagina e ânus continuará sendo ânus, com suas funções especificamente projetadas por Deus. Nenhuma ideologia do mundo mudará isso.

Michelson Borges

Leia também: A evolução da vagina: pergunta sem respostaSegredos evolutivos do orgasmo feminino